O homem que passou quatro décadas caçando nazistas

ANÚNCIO

Entre 1941 e 1945, seis milhões de homens, mulheres e crianças judeus foram assassinados pelos nazistas.

O homem que passou quatro décadas caçando nazistas 1
Foto: (reprodução/internet)

 

ANÚNCIO

Mas nas semanas e meses após o fim da Segunda Guerra Mundial, milhares de soldados e oficiais responsáveis por torturar essas pessoas escaparam – muitos se casaram e criaram suas próprias famílias.

E enquanto os poucos que restam estão bem na sua terceira idade, um homem está determinado a encontrá-los – e trazê-los à justiça.

Um historiador determinado a trazer justiça

O Dr Efraim Zuroff dedicou 40 anos de sua vida a procurar aqueles que escaparam – e diz à LADbible que não vai parar até que eles sejam expostos pelos crimes que cometeram.

ANÚNCIO

Tem sido, às vezes, uma obsessão perigosa.

“Eu recebo muitas ameaças na internet, e se eu vivesse na Europa eu definitivamente precisaria de proteção”, diz o avô de 71 anos.

“Houve um caso em que os emigrantes croatas na Austrália colocaram a minha cabeça a prêmio, dizendo que se algo acontecesse a um criminoso de guerra nazista de Ustashe que tínhamos exposto (Georg Aschner), eles pagariam para que eu fosse morto”.

“Eles também deram uma recompensa a outras duas pessoas – por mais dinheiro, o que foi bastante embaraçoso, devo dizer.”

“No final, expusemos o criminoso que eles estavam tentando proteger, mas ele escapou para a Áustria. As autoridades deles se recusaram a entregá-lo, alegando que ele não estava apto a ser julgado – apesar de ter dado uma brilhante entrevista a um jornal durante os Euros em 2008”.

Nascido em Nova York em 1948 de ascendência lituana, Zuroff é um historiador de coração.

Após graduar-se na Universidade Yeshiva, ele se mudou para Israel para trabalhar no Yad Vashem, o museu memorial das vítimas do Holocausto no país.

Em 1978, ele voltou aos Estados Unidos para trabalhar no respeitado Centro Simon Wiesenthal, nomeado em homenagem ao sobrevivente austríaco do Holocausto que rastreou mais de 1.000 nazistas antes de sua morte em 2005 – incluindo Karl Silberbauer, o homem que prendeu Anne Frank.

Em 1980, ele voltou a Israel para continuar suas investigações.

Primeiro trabalhou para o Escritório de Investigações Especiais do Departamento de Justiça dos EUA, procurando criminosos de guerra que haviam fugido para os Estados Unidos, antes de retornar ao Centro Simon Wiesenthal em 1986, tornando-se seu principal caçador nazista em Jerusalém.

Zuroff também é escritor e sua carreira extensa remete às honras conquistadas pelo seu trabalho.

O homem que passou quatro décadas caçando nazistas 2
Foto: (reprodução/internet)

Desde então, ele tem trabalhado incansavelmente para encorajar governos e estados a tomar medidas contra aqueles que conseguiram escapar da detenção.

“As pessoas sempre me perguntam qual é o meu trabalho”, diz ele.

“Então eu digo que sou um terceiro detetive, um terceiro historiador – para construir o caso contra eles – e um terceiro militante político“. Em muitos países não há vontade política para processá-los e, sem isso, não há processo.”

“Às vezes trabalhamos com políticos locais e a mídia para tentar aumentar a consciência, para encorajar governos relutantes, para fazer a coisa certa e perseguir essas pessoas”.

Após tantos anos, culpados ainda estão soltos

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, diz Zuroff, havia três grupos de nazistas que conseguiram escapar.

“O primeiro eram cientistas e engenheiros com “habilidades valiosas, convidados aos EUA por medo de caírem em mãos soviéticas”.

“O segundo grupo, muito menor, foi treinado como espiões pelo Ocidente. O terceiro – ‘o maior de longe’ – eram aqueles da Europa Oriental que simplesmente desapareceram e desfrutaram de uma vida longa.”

“Simplesmente mentindo em suas formas de imigração, eles foram capazes de enganar as autoridades de imigração”, diz ele. “Mesmo tendo servido com os nazistas e alguns deles desempenharam papéis muito importantes no assassinato em massa de judeus e outros inimigos do Reich”.

“Eles nem precisaram mudar nada em seus formulários; ninguém prestou nenhuma atenção. Muito pouco se sabia sobre o papel desempenhado pelos europeus orientais”.

“Rastreá-los tantos anos após a guerra – com poucos levados a julgamento – pode ser física e mentalmente cansativo”, diz Zuroff.

Mas mesmo quando eles são condenados, pode parecer algo superficial.

“É uma questão muito dolorosa”, diz Zuroff.

“Já estive envolvido em mais de 40 casos, algumas ações legais foram tomadas, ou eles foram expostos publicamente, indiciados ou levados a julgamento. Muito poucos, no entanto.”

“Houve três processos bem sucedidos na Alemanha desde a mudança na política de acusação há uma década – [John] Demjanjuk, Oskar Groening, e o guarda da SS Reinhold Hanning – nenhum deles se sentou na prisão após sua condenação, o que é incrivelmente frustrante”.

“Todos os três morreram, Groening cerca de três dias antes de ir para a cadeia, enquanto Hanning e Demjanjuk morreram durante o processo de apelação.”

“Obviamente, é muito doloroso quando estas pessoas escapam da justiça”.

Traduzido e adaptado por equipe Revolucao.etc.br

Fontes: LADBible, Pittsburgh Jewish Chronicle

ANÚNCIO