A privacidade na Internet é afetada na União Europeia

ANÚNCIO

As crescentes tentativas do governo de censurar ou regular a Internet podem resultar em novas fronteiras digitais que podem mudar a maneira como vivemos atualmente.

A privacidade na Internet é afetada na União Europeia 1
Foto: (reprodução/internet)

Os governos autoritários há muito atuam em fronteiras digitais para restringir o fluxo de informações e censurar o conteúdo que não querem que seus cidadãos recebam.

ANÚNCIO

Um dos maiores esforços desse tipo está na China, onde o governo bloqueia grandes partes da Internet em um sistema massivo conhecido como o Grande Firewall da China.

Mas também houve tentativas dos países de criar fronteiras digitais, promulgando regras que limitam como a internet e as empresas de tecnologia podem operar nessas áreas.

A justificativa para tais regras nos sistemas democráticos geralmente se concentra na proteção da privacidade individual e da segurança nacional.

ANÚNCIO

Aumento da privacidade na União Europeia

A União Europeia, tem sido um dos principais agentes legisladores nesta área.

Há cerca de dois anos, a União Europeia aprovou uma enorme medida de privacidade conhecida como Regulamento Geral de Proteção de Dados, ou GDPR.

A privacidade na Internet é afetada na União Europeia 2
Foto: (Reprodução/Internet)

Ela visa proteger os dados pessoais dos cidadãos e exige que as empresas sigam regras relativas à forma como elas coletam, processam e armazenam tais informações.

Ameaça na privacidade dos usuários

Os regulamentos abrangem não apenas todas as nações da UE, mas também empresas de tecnologia com base nos EUA que fazem negócios lá, incluindo Google, Facebook, Amazon e Apple. Nos últimos anos, a União Europeia realizou uma série de pesquisas no Facebook.

Nos últimos anos, a UE lançou numerosas investigações em empresas de tecnologia americanas por violação de regras relacionadas à proteção da privacidade ou leis antitruste.

A Comissão Europeia (CE), por exemplo, multou o Google em US$ 2,7 bilhões em 2017 por influenciar injustamente os resultados da busca on-line de seus próprios negócios.

Então, em 2018, o Google foi multado com uma multa recorde de 5 bilhões de dólares relacionada às suas operações comerciais.

Várias investigações adicionais envolvendo empresas de tecnologia estão em andamento na União Europeia sobre possíveis violações da privacidade do usuário ou dos regulamentos de direito da concorrência (antitruste).

Leia também: Canon perde os arquivos dos seus usuários – e não consegue recuperar

Justin Sherman é especialista em tecnologia da internet e segurança cibernética no Atlantic Council, um grupo de pesquisa em Washington.

Ele disse ao site VOA News que os esforços regulamentares da União Europeia ao longo dos anos resultaram em mudanças que remodelaram a experiência dos usuários da Internet na Europa em comparação com os Estados Unidos.

“Agora há uma divergência crescente um pouco na forma como as regulamentações moldam esse espaço”.

Sherman acrescentou que também há tentativas crescentes – muitas feitas por governos autoritários – de usar a tecnologia para bloquear a entrada de informações.

“Os países estão limitando o quão fácil é para a informação fluir através das fronteiras”.

Um futuro incerto para usuários da Internet

James Lewis, o vice-presidente sênior e diretor do Programa de Política Tecnológica no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, sediado em Washington, disse ao VOA News que embora existam esforços crescentes para regular ou bloquear partes da Internet, ele ainda vê a Internet como a principal rede mundial.

“A via rápida de informação básica foi baseada em protocolos que ainda funcionam, e ainda conectam todos. Mas muitos países colocaram barreiras de velocidade nisso”.

Lewis disse que no início, a regulamentação da Internet era considerada desnecessária. Mas hoje, há muito mais preocupações do público sobre como as pessoas e organizações podem usá-la indevidamente.

“É a privacidade e a segurança, mais do que qualquer outra coisa, que provoca muitas destas irregularidades “.

Mesmo o homem creditado com a invenção da Internet, Tim Berners-Lee, exigiu grandes mudanças para tornar a Internet melhor para a humanidade.

No ano passado, ele lançou um “Contrato para a Web“, concebido como um guia para governos, empresas e cidadãos agirem em um esforço para melhorar a web.

A privacidade na Internet é afetada na União Europeia 3
Tim Benners -Lee
Foto: (Reprodução/Internet)

Lewis observou uma recente decisão do tribunal superior da União Europeia que considerou que um acordo existente sobre fluxos de dados transatlânticos não é mais aceitável e deve ser reconsiderado como uma forma de evitar a perda de dados.

O acordo, conhecido como estrutura Escudo de Privacidade, cobre grandes fluxos de dados entre a Europa, e as empresas americanas, incluindo Facebook, Google, Microsoft e Amazon, são afetadas pelo acordo.

Lewis previu que não será fácil para os negociadores da União Europeia e dos Estados Unidos criarem regras de substituição, principalmente devido a diferenças de longa data sobre a regulamentação da privacidade.

“Acho que 2021 será o ano da regulamentação da Internet, podemos esperar mais disso. Não quebrará a Internet, apenas a tornará muito mais complicada de usar”.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: VOA News, GDPR,

 

ANÚNCIO