Após explosão, Líbano protesta por reformas no governo

ANÚNCIO

Três semanas após uma explosão catastrófica no Líbano, que matou quase 200 pessoas e deixou milhares de desabrigados, a mudança que muitos esperavam não está à vista de ninguém.

Após explosão, Líbano protesta por reformas no governo 1
Foto: (reprodução/internet)

Em vez disso, os ativistas disseram que o Líbano volta à estaca zero.

ANÚNCIO

Os políticos, que assumem o governo cuja corrupção e negligência a população responsabiliza pelo desastre, estão trabalhando juntos para formar um novo governo.

Os apelos para eleições antecipadas têm se dissipado. Em uma Beirute devastada, ainda varrendo cacos de vidro e consertando casas destruídas, a explosão revelou até que ponto um sistema consolidado de clientelismo permanece impenetrável à reforma.

De fato, as ferramentas que a elite governante usou para garantir o poder nos últimos 30 anos são muito mais poderosas.

ANÚNCIO

O aumento da pobreza no Líbano em meio a uma crise econômica lhes dá maior força, com mais pessoas desesperadas pela renda que seu clientelismo proporciona.

Um histórico autoritário

O controle sobre a política eleitoral foi tornado mais rígido por uma lei eleitoral aprovada em 2017, dificultando para os independentes ganharem assentos. E há grupos armados filiados a partidos políticos.

“Basicamente, não temos como forçá-los a sair”, disse Nizar Hassan, ativista civil e organizador do LiHaqqi, um movimento político ativo nos protestos anti-governamentais em massa de outubro do ano passado.

Os partidos políticos do Líbano são estritamente setoriais, cada um enraizado em uma das múltiplas comunidades religiosas ou étnicas do país.

A maioria é liderada por militares que tiveram participação na guerra civil libanesa de 1975-1990 – ou suas famílias – que estão no topo das empresas poderosas do país.

As facções distribuem posições em ministérios e instituições públicas a seus seguidores ou esculpem setores comerciais para eles, garantindo seu apoio.

Uma luta desigual

Enquanto isso, os partidos da oposição que cruzam as linhas partidárias com uma agenda de reformas, lutam para romper essa barreira.

Entretanto, eles estão divididos e não contam com o apoio dos influentes do Líbano, muitas vezes responsáveis por fornecer recursos.

Eles também têm sido cada vez mais recebidos com força bruta pelas agências de segurança e pelo próprio governo.

Os protestos de rua têm sido dramáticos. Mas a série de movimentos anti-governamentais não foram suficientemente grandes para pressionar por reformas radicais, disse Hassan.

“Para agir no momento, você precisa de pessoas de influência que estejam prontas para anunciar que o apoiam, e isto não existe realmente no Líbano”, disse ele.

Movimentos cívicos como LiHaqqi não são bem financiados, enfrentam intimidações e dificilmente podem se dar ao luxo de ocupar um horário nos canais de comunicação, onde as elites são os verdadeiros porta-vozes.

Uma fração de esperança é encontrada no crescente apoio de empresários, que uma vez financiaram elites, mas se tornaram cada vez mais frustrados, disse Hassan e outros ativistas.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: AP News, LiHaqqi

ANÚNCIO