A neve que derrete na Antártida revela restos conservados de pinguins de 800 anos de idade

ANÚNCIO

À medida que o mundo aquece, as camadas de gelo derretidas em todo o mundo estão expondo tudo, desde gás metano retido até os restos de Vikings e outros povos e espécies.

A neve que derrete na Antártida revela restos conservados de pinguins de 800 anos de idade

Agora uma nova descoberta foi feita na neve: restos de pinguins de 800 anos.

ANÚNCIO

Tendo descoberto o que inicialmente parecia ser restos de pinguins-de-adélia no Cabo Irizar, na costa antártica, os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que a datação por carbono colocava as carcaças com um mínimo de 800 anos de idade.

Alguns dos restos menos bem conservados datam até cerca de 5.000 anos atrás, diz a equipe.

O trabalho da equipe na Antártida

O local foi originalmente identificado pelos montes de seixos usados para construir ninhos de pinguins, com ossos de pinguim espalhados na superfície. Isso não fazia sentido – não há registro de uma colônia de pinguins neste local desde que os registros começaram no início dos anos 1900.

ANÚNCIO

Após novas escavações e a recuperação dos ossos, penas e cascas de ovos dos pinguins, análises posteriores revelaram que este era de fato um habitat abandonado de pinguins.

“Em geral, nossa amostragem recuperou uma mistura de pinguins antigos e o que parecia ser um pinguim recente permanece implicando múltiplos períodos de ocupação e abandono durante milhares de anos”, diz o biólogo marinho por trás da descoberta Steven Emslie, da Universidade da Carolina do Norte de Wilmington.

“Em todos os anos que tenho feito esta pesquisa na Antártica, nunca vi um local como este”.

A teoria dos pesquisadores

Os pinguins podem ter se deslocado do local devido à crescente cobertura de neve ou outras mudanças climáticas, mas à medida que mais neve caía, os restos eram preservados e congelados – mantidos em um estado quase fresco até que Emslie e seus colegas acontecessem com eles.

Com a temperatura média anual desta parte do continente subindo entre 1,5 e 2 graus Celsius desde os anos 80, os restos coletados foram agora revelados e estão se decompondo normalmente.

“Este recente derretimento revela restos há muito preservados que foram congelados e enterrados até agora é a melhor explicação para os restos de pinguins de diferentes idades que encontramos lá”, diz Emslie.

Emslie sugere que o chamado gelo permanente que se estende do mar para o interior pode ter começado a se formar à medida que as temperaturas esfriam, deixando o local inóspito para os pinguins durante boa parte do ano. Agora o efeito inverso está em curso com grande parte do gelo derretendo.

Leia mais: O derretimento do gelo não aumenta os níveis do mar – Mas ainda vai nos impactar

A mudança climática que está acontecendo atualmente em nosso planeta não está apenas revelando os restos de animais mortos há muito tempo, está também trazendo alguns organismos de volta à vida. Infelizmente, estamos no caminho certo para perder muito mais espécies do que ganhamos.

Quanto ao Cabo Irizar, os pesquisadores pensam que sua longa história de hospedar pinguins pode estar prestes a entrar em um novo capítulo após um hiatus que durou séculos.

“[Os pinguins] precisam de seixos para seus ninhos, então eles vão achar todos os seixos que já estão neste local muito atraentes”, disse Emslie ao New York Times. 

“Eu não ficaria surpreso em vê-los fazer deste lugar sua casa novamente em um futuro próximo”.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Science Alert, The News York Times, GSA

ANÚNCIO