United Airlines divulga: “COVID-19 quase NÃO Existe” em voos e estudo apoia

ANÚNCIO

A United Airlines e o Departamento de Defesa dos Estados Unidos concluíram recentemente um extenso estudo que confirma o uso de máscaras faciais o tempo todo, garantindo a segurança dos passageiros em viagens aéreas.  

United Airlines divulga: "COVID-19 quase NÃO Existe" em voos e estudo apoia 3
Foto: (reprodução/internet)

 

ANÚNCIO

Os voos estão agora no baixo risco do espectro em relação à transmissão COVID-19.

“A COVID-19 é quase inexistente em nossos voos”, ostentado pela companhia aérea de transporte comercial, United Airlines, em um post no Twitter que marca o fim de seu estudo.

 A empresa de transporte aéreo internacional assegura a seus futuros clientes a segurança de viajar, mesmo em voos longos.

ANÚNCIO

De acordo com o recente relatório da Fox 13, as máscaras faciais podem reduzir significativamente o risco de viajar de avião, de estados ou países, tendo um baixo risco de transmissão do vírus SARS-CoV 2. 

O estudo da empresa envolveu o Departamento de Defesa dos EUA para analisar os efeitos e validar ainda mais as reivindicações da empresa.

United Airlines: ‘Nossos voos são seguros da COVID-19’

Uma das principais companhias aéreas americanas mergulhou no estudo para provar que seus voos estavam seguros contra a pandemia global. A pesquisa da United Airlines visa reabrir voos comerciais entre o público que tem dúvidas ou receio de pegar a COVID-19 em viagens aéreas.

De acordo com o vídeo recentemente postado pela United Airlines no Twitter (@united), seguir as diretrizes de segurança adequadas, incluindo a proteção da máscara facial durante todo o voo, elimina significativamente o risco de transmissão da COVID-19 em um avião. 

Embora o risco não seja totalmente eliminado, a possibilidade de ser infectado em viagens aéreas é baixa. 

A United Airlines determina uma chance de 0,003 %  das partículas de ar infectadas pelo SARS-CoV2 cruzarem a zona de respiração de uma pessoa. 

Este número é uma porcentagem relativamente baixa do vírus presente em um ambiente. Sem mencionar que os aviões têm ar comprimido que circula seus respiradouros.

COVID-19 pode ser ‘detido’ por máscaras faciais em voos

O estudo intitulado “TRANSCOM/AMC Commercial Aircraft Cabin Aerosol Dispersion Tests” do Departamento de Defesa dos EUA e da United Airlines recentemente publicado online diz que máscaras faciais são suficientes para proteger a própria pessoa em um voo.

Este estudo também analisou os riscos em voos longos, particularmente viagens internacionais, para desmascarar os medos e teorias estabelecidas que colocam as companhias aéreas em uma luz desfavorável.

Leia também: COVID-19 devasta a indústria do turismo e prejuízo é estimado em bilhões

Após vários testes, a United e o DoD concluem que mesmo os voos de “longo curso” apresentam baixos riscos de captura da COVID-19.

A pesquisa dos dois órgãos chegou a testar isso em voos integrais, tendo todos os assentos ocupados por seus “participantes fictícios”. 

Os aviões de capacidade total não devem ser temidos pelo público, segundo a United Airlines, pois máscaras faciais são suficientes para impedir a transmissão em viagens aéreas.

DoD observa que uma pessoa só apanharia uma “dose infecciosa” do vírus se estivesse sentada ao lado de um paciente COVID-positivo por pelo menos 54 horas de voo.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Tech Times, FOX 13, Twitter

ANÚNCIO