Instagram concorda com restrições para influenciadores pagos e muda regras

ANÚNCIO

O Instagram do Facebook aprovou medidas para reprimir a publicidade oculta pelos chamados influenciadores em sua plataforma de fotos e vídeos, disse na sexta-feira(16), a Autoridade Britânica de Concorrência e Mercados (CMA).

Instagram concorda com restrições para influenciadores pagos e muda regras
Foto: (reprodução/internet)

Influenciadores com milhares de seguidores podem ganhar grandes taxas das empresas para promover um produto na Instagram, no que a CMA descreveu como uma importante mudança de comportamento por parte de uma importante plataforma de mídia social. 

ANÚNCIO

O Facebook Irlanda, que opera o Instagram no Reino Unido, se comprometeu com um pacote de mudanças.

“Isto tornará muito mais difícil para as pessoas publicarem um anúncio na Instagram sem rotulá-lo como tal”, disse a CMA em uma declaração

O Facebook disse que a empresa ficou feliz em trabalhar com a CMA em seus contínuos esforços para aumentar a transparência sobre quando as pessoas são pagas para postar conteúdo na Instagram.

ANÚNCIO

“Também estamos orgulhosos de estar lançando um programa com a MediaSmart para ajudar a educar os jovens sobre conteúdo de marca e como identificá-lo”, acrescentou o Facebook.

O comportamento dos influenciadores

A CMA disse que investiga as preocupações de que muitos influenciadores estão postando conteúdo sobre empresas sem deixar claro que foram pagos ou receberam outros incentivos para fazê-lo.

Os influenciadores terão que confirmar e divulgar se receberam algum incentivo para promover um produto ou serviço.

Leia mais: Os usuários agora podem ter seus antigos Instagram Stories na atualização do app

A Instagram também utilizará a tecnologia para identificar quando os usuários não tiverem divulgado claramente que uma postagem é um anúncio, disse a CMA.

No ano passado, 16 celebridades se comprometeram a limpar sua ação nas mídias sociais após a ação da CMA, acrescentou a fonte.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Reuters, CMA, Facebook

ANÚNCIO