Reino Unido testa se as vacinas de COVID-19 podem funcionar melhor por inalação

ANÚNCIO

Cientistas britânicos estão iniciando um pequeno estudo comparando como duas vacinas experimentais contra coronavírus podem funcionar quando são inaladas por pessoas em vez de serem injetadas.

Reino Unido testa se as vacinas de COVID-19 podem funcionar melhor por inalação
Foto: (reprodução/internet)

Em uma declaração na segunda-feira (14), pesquisadores do Imperial College London e da Universidade de Oxford disseram que um ensaio envolvendo 30 pessoas, testaria as vacinas desenvolvidas por ambas as instituições quando os participantes inalassem as gotículas na boca, o que teria como alvo direto seus sistemas respiratórios.

ANÚNCIO

Estudos maiores sobre as vacinas Imperial e Oxford já estão em andamento, mas este estudo visa ver se as vacinas podem ser mais eficazes se forem inaladas.

Cientistas britânicos estão iniciando um pequeno estudo comparando como duas vacinas experimentais de coronavírus poderiam funcionar quando são inaladas por pessoas em vez de serem injetadas.

“Temos evidências de que a entrega de vacinas contra a gripe através de um spray nasal pode proteger as pessoas contra a gripe, bem como ajudar a reduzir a transmissão da doença“, disse o Dr. Chris Chiu da Imperial, que está liderando a pesquisa. Ele sugeriu que este também poderia ser o caso da COVID-19.

ANÚNCIO

“É fundamental que exploremos se a focalização direta nas vias aéreas pode fornecer uma resposta eficaz em comparação com uma vacina injetada em músculo”, disse Chiu em uma declaração.

Como andam as pesquisas 

O estudo está atualmente recrutando participantes de 18 a 55 anos e espera começar a vacinar pessoas em Londres nas próximas semanas.

Estudos anteriores mostraram que as vacinas fornecidas por inalação requerem doses mais baixas do que por injeção, o que pode ajudar a esticar os suprimentos limitados.

“Pode bem ser que um grupo tenha a vacina certa, mas o método de entrega errado, e somente testes como este serão capazes de nos dizer isso”, disse Robin Shattock, que está liderando o desenvolvimento da vacina da Imperial College.

Leia também: Cientistas encontraram um repelente de insetos que poderia eliminar a COVID-19

A vacina da Imperial College usa feixes sintéticos de código genético baseado no vírus. Uma vez injetada no músculo, as próprias células do corpo são instruídas a fazer cópias de uma proteína espinhosa sobre o coronavírus. Isso, por sua vez, deve desencadear uma resposta imunológica para que o corpo possa combater qualquer futura infecção pela COVID-19.

Em comparação, a vacina de Oxford utiliza um vírus inofensivo – um vírus de gripe comum em chimpanzés, projetado para que não se propague – para transportar a proteína do espigão do coronavírus para o corpo, o que deve desencadear uma resposta imunológica.

Na semana passada, Oxford pausou temporariamente seus testes de vacinação em larga escala depois que um participante no Reino Unido relatou sintomas neurológicos graves; a vacina foi reiniciada no domingo.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fonte: AP News

ANÚNCIO