Google anunciou uma das maiores iniciativas verdes da tecnologia até agora

ANÚNCIO

O Google acaba de assumir um dos compromissos ambientais mais ambiciosos do mercado da tecnologia: ele trabalhará para executar suas operações puramente em energia renovável até 2030. Também anunciou que, a partir de hoje, adquiriu compensações de carbono suficientes para cancelar essencialmente todas as emissões de dióxido de carbono que a empresa tem liberado desde sua fundação em 1998.

Google anunciou uma das maiores iniciativas verdes da tecnologia até agora
Foto: (reprodução/internet)

O Google tem sido neutro em questão à emissão de carbono desde 2007, o que significa que compensa as emissões geradas pela queima de combustíveis fósseis, investindo em projetos de energia renovável ou outras iniciativas que tiram o dióxido de carbono da atmosfera e o armazenam. 

ANÚNCIO

Mas a dependência de compensações não elimina de fato a empresa dos combustíveis fósseis. O Google liberou 4,9 milhões de toneladas métricas de gases de efeito estufa somente em 2018, aproximadamente a quantidade que mais de 1 milhão de veículos poderiam emitir em um ano.

“Já estamos sentindo esses impactos com incêndios históricos”  

A nova promessa do Google chega quando a Califórnia, sede do Google, continua a queimar e engasgar-se com a fumaça das chamas tornadas mais devastadoras pela mudança climática. 

“Temos até 2030 para traçar uma causa sustentável para nosso planeta ou enfrentar as piores consequências da mudança climática”, disse o CEO do Google, Sundar Pichai, em um vídeo divulgado hoje (14).

ANÚNCIO

 “Já estamos sentindo hoje esses impactos desde incêndios históricos nos EUA até enchentes devastadoras em muitas partes do mundo”.

Uma vez que os centros de dados do Google são alimentados completamente por energia renovável.

 “isto significará que cada e-mail que você envia através do Gmail, cada pergunta que você faz ao Google Search, cada vídeo do YouTube que você assiste, e cada rota que você faz usando o Google Maps, é fornecido por energia limpa a cada hora de cada dia”, escreveu Pichai em um post. 

O novo compromisso do Google se aplica ao uso de eletricidade da empresa; a empresa continuará a compensar as emissões para coisas como as viagens dos funcionários, relata o site Reuters.

Em setembro passado, o Google anunciou o que disse ser “a maior compra corporativa de energia renovável da história”, o que aumentou os acordos eólicos e solares da empresa em 40 por cento. A empresa disse que se tornou a maior compradora corporativa de energia renovável do mundo em 2016.

Desafios futuros

Antes que o Google possa confiar completamente nas energias renováveis, precisará superar alguns obstáculos tecnológicos. Ela precisará de mais e melhores baterias para armazenar e fornecer energia quando o sol não brilhar e o vento parar. 

Ele também diz que está descobrindo como usar a Inteligência Artificial para prever a demanda de eletricidade da empresa e tornar-se mais eficiente em termos energéticos. Nos EUA, a rede de energia do país precisa ser atualizada para acomodar melhor a energia renovável também. 

Empresas como o Google estão frequentemente limitadas a depender do mix de energia disponível – que tipicamente inclui combustíveis fósseis – onde quer que estejam operando. Portanto, o Google pode precisar pensar em trabalhar em locais com mercados de energia renovável saudáveis e políticas energéticas favoráveis.

Leia também: Apple, Google e Amazon estão trabalhando em um projeto em conjunto

Como está descobrindo como enfrentar esses desafios, o Google diz que seu compromisso de acabar com sua dependência dos combustíveis fósseis poderia abrir o caminho para que outras empresas fizessem o mesmo. Ela acredita que seus esforços ambientais criarão 12.000 empregos até 2025.

Mudanças invejáveis 

O novo compromisso da Google atende a uma das exigências feitas por mais de 2.000 de seus trabalhadores no ano passado, que pediram zero emissões de carbono até 2030 e se juntaram a uma greve climática global com outros trabalhadores da tecnologia em setembro. 

Os trabalhadores da Amazon e da Microsoft fizeram exigências semelhantes pedindo a seus empregadores que parassem de liberar gases de efeito estufa até 2030, mas o Google até agora é o único gigante tecnológico a se comprometer a fazer isso. 

Nenhuma das empresas atendeu às exigências adicionais dos funcionários para terminar contratos com empresas de combustíveis fósseis e deixar de financiar políticos e lobistas que negam a ciência climática.

A Microsoft anunciou em janeiro que iria trabalhar para remover toda a poluição de carbono que já foi liberada da atmosfera até 2050, o que é um esforço mais difícil do que o marco alcançado hoje pelo Google, compensando todas as suas emissões históricas de carbono. Mas o Google pode agora se gabar de que sua pegada líquida de carbono por toda sua vida útil é zero.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: The Verge, Google, CNBC, Reuters

ANÚNCIO