Plataformas de mídia social dos EUA alegadamente vinculadas aos russos para eleições 2020

ANÚNCIO

Depois de realizar uma campanha de desinformação nas eleições presidenciais de 2016 nos EUA, outro grupo de russos foi identificado para operar em meio às campanhas para as eleições de novembro nos EUA.

Plataformas de mídia social dos EUA alegadamente vinculadas aos russos para eleições 2020
Foto: (reprodução/internet)

Uma fonte compartilhou algumas afirmações familiares e falsas no site da mídia social, Parler.

ANÚNCIO

Seu relato já foi identificado e relatado pelo site Reuters na semana passada como parte de uma suposta campanha de desinformação que está sendo conduzida por um grupo russo em três grandes redes de mídia social. 

De acordo com Graphika, um grupo de pesquisa independente, ele “se parecia” com a campanha de mídia de 2016 que estava ligada à Agência de Pesquisa pela Internet da Rússia, nomeada Brigadas da Web.

As contas continuam a operar nos sites Parler e Gab, mesmo depois de terem sido relatadas como parte da operação. Enquanto Parler disse que não agiu porque não ouviu diretamente sobre a questão por parte das autoridades americanas, Andrew Torba, fundador do Gab, disse que as supostas contas russas “podem falar livremente” na plataforma como outras.

ANÚNCIO

No entanto, sua atitude permitiu que o grupo russo continuasse com sua campanha de desinformação, que tem sido dirigida aos eleitores americanos e foi descoberta após uma dica ao FBI.

O que as fontes relatam

A empresa Graphika, sediada em Nova York, soube que a campanha visa promover a reeleição do presidente enquanto degrada a oposição, assim como aconteceu com Hillary Clinton nas últimas eleições.

Graphika disse que esta foi a primeira conhecida operação de desinformação russa com base no site Parler e Gab. 

A empresa, que trabalha de perto com plataformas de mídia social como Facebook, esta campanha procuraria influenciar os conservadores através de “conteúdo divisivo e hiperpartidário”.

“Os atores da ameaça buscam consistentemente o conteúdo ‘mais fraco’ da Internet, visando plataformas onde eles pensam que não serão detectados ou derrubados”, disse o chefe executivo do Graphika, John Kelly, acrescentando que esta é a razão pela qual a pesquisa independente é altamente significativa. 

Kelly também observou que há um consenso de que campanhas de desinformação estrangeiras ameaçam a integridade democrática, mas também devem incluir plataformas menores.

Gab e Parler sobre a organização da campanha russa

Na semana passada, um Graphika lançou uma reportagem dizendo que a Newsroom for American and European Based Citizens (NAEBC), um grupo fictício operado pela Rússia, tem operado em redes de mídia social nos Estados Unidos para impulsionar a imigração, as questões raciais americanas e as narrativas do globalismo.

A NAEBC tinha um website, uma conta no Twitter e contas no LinkedIn, que já foram removidas. 

Enquanto o Facebook bloqueou a NAEBC de abrir uma conta em seu site, suas contas afiliadas em 14.000 em Parler e 3.000 seguidores em Gab. Estes incluem a conta de Leo, a fonte que se descreve como “Contra a censura”.

Leia também: Facebook alega que páginas da China tentam interromper eleições nos EUA

Fundada em 2018, a rede de mídia social Parler, que era preferida pelos conservadores, já tem cerca de 4 milhões de usuários e surgiu recentemente como alternativa ao Twitter. 

Seus usuários de alto perfil incluem membros do Partido Republicano do Congresso. O relatório questionou a ação limitada de Parler em moderar o conteúdo em sua plataforma.

A porta-voz da Parler, Kate Brown, também disse que embora “ninguém tenha apresentado queixa” ou tenha alertado a empresa sobre a suposta fraude de qualquer forma, eles dão as boas-vindas a Graphika para apresentar um relatório se isso parecer ser uma ameaça legítima.

Enquanto isso, o fundador do site Gab,Torba criticou diretamente o relatório de Graphika e disse que eles não “tomarão nenhuma ação contra um grupo de contas ‘russas‘ do Gab que simplesmente compartilham posts em blogs com opiniões e notícias”.

Torba não confirmou se as autoridades policiais haviam contatado Gab, que já tem 1,4 milhões de usuários, em relação às supostas contas russas.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Tech Times, Reuters, The Washington Post

ANÚNCIO