Facebook busca excluir informações enganosas de sua plataforma

ANÚNCIO

A mídia social mais popular e mais utilizada no mundo, Facebook, está agora na caça para remover vários grupos em seu site para combater a disseminação de desinformação e notícias falsas, especialmente durante o período da célebre COVID-19. A ousada ação do Facebook segue seus problemas e controvérsias lançadas pelo público.

Facebook busca excluir informações enganosas de sua plataforma
Foto: (reprodução/internet)

A multinacional de tecnologia, Facebook, está agora em movimento para remover vários grupos que se concentram em fóruns de saúde e promovem a violência, em seu esforço para acabar com as notícias falsas.

ANÚNCIO

 A mídia social diz que seus grupos são fontes cruciais de informação e interação, às vezes se tornando um terreno fértil para a desinformação.

Tom Allison, vice-presidente de engenharia do Facebook, publicou recentemente um post que discute os esforços da empresa para tornar a mídia social mais segura com esforços contra a desinformação. 

As ações do Facebook contra a desinformação se concentram principalmente no setor de saúde e violência, que se tornou o mais significativo motivo de preocupação do público.

ANÚNCIO

Durante o surgimento da pandemia, certos grupos têm sido utilizados para divulgar desinformações sobre protocolos, diretrizes, notícias, conspirações e até mesmo vacinas sobre a COVID-19. O Facebook agora insta o público a ficar longe de grupos e fóruns de saúde nas mídias sociais e recorrer a “fontes autorizadas” para notícias e informações.

O anúncio também inclui uma fiscalização mais rigorosa contra grupos que promovem discursos de ódio e violência. Isto vem após o fracasso do Facebook em impedir o evento da cidade de Kenosha nos Estados Unidos, que acabou levando a morte de adolescentes afro-americanos e a protestos armados no Wisconsin.

O Facebook finalmente tomou uma decisão

Allison explica que o moderador de Inteligência Artificial (IA) da mídia social é principalmente sua salvaguarda contra grupos que se tornam privados e que potencialmente escondem conteúdos prejudiciais. A IA da empresa detecta postos e conteúdos potencialmente perigosos que podem prejudicar e prejudicar o público.

A principal preocupação do Facebook são os grupos e conteúdos que promovem a violência, aprendendo com as recentes questões que levaram ao clamor público e ao protesto contra a mídia social e seu CEO, Mark Zuckerberg.

 A mídia social é um amplo espectro que permite que as pessoas se conectem livremente, fazendo com que o conteúdo se concentre nos interesses do usuário, agora sendo invadido por danos e violência, que o Facebook pretende acabar.

Facebook: Tornando a comunidade segura

O Facebook agora remove os grupos e limita suas recomendações de busca, fazendo com que as pessoas tenham dificuldade em acessar grupos com conteúdo que foca em movimentos anti-governo, violência e desinformação. Grupos de saúde também são considerados, incluindo aqueles que fornecem conspirações e danos ao usuário do Facebook.

A empresa de mídia social tem feito todo o barulho errado e indesejável no mundo on-line recentemente, recebendo enormes reações e comentários ameaçadores que falam sobre as baixas ações do Facebook.

Leia mais: Ex funcionária do Facebook expõe manipulação de conteúdo pelo governo

Recentemente, a Stop the Hate for Profit lançou um enorme boicote Instagram 24 horas contra o Facebook, que cresceu por causa do envolvimento de celebridades e personalidades conhecidas como Kim Kardashian-West, Leonardo DiCaprio, e Mark Ruffalo.

Outra questão vem de seu Data Scientist que recentemente vazou contra as ações da mídia social que a centraliza em disputas políticas entre nações estrangeiras. A desinformação é um fator enorme nesse caso, e o Facebook supostamente permitiu isso.

Com tudo o que o Facebook está enfrentando, a mídia social ainda está fazendo um movimento ousado contra a violência, o ódio e a desinformação para livrar seu nome das más notícias e do ar que as circulam.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Tech Times, About.fb

ANÚNCIO