Cientistas descobrem níveis altos de radiação na Lua

ANÚNCIO

Enquanto os EUA se preparam para retornar  à Lua nesta década, um dos maiores perigos que os astronautas do futuro enfrentarão é a radiação espacial que pode causar efeitos duradouros à saúde, desde cataratas até câncer e doenças neurodegenerativas.

Cientistas descobrem níveis altos de radiação na Lua
Foto: (reprodução/internet)

Embora as missões Apollo dos anos 60 e 70 tenham provado que era seguro para as pessoas passar alguns dias na superfície lunar, a NASA não fazia medições diárias de radiação que ajudassem os cientistas a quantificar quanto tempo as tripulações poderiam ficar.

ANÚNCIO

Esta questão foi resolvida na sexta-feira depois que uma equipe chinesa-alemã publicou na revista Science Advances os resultados de um experimento realizado pelo módulo Chang’E 4 da China em 2019.

“A radiação da Lua é entre duas a três vezes maior do que a da ISS (Estação Espacial Internacional)“, disse o co-autor Robert Wimmer-Schweingruber, um astrofísico da Universidade de Kiel à AFP.

“Então, isso limita nossa permanência a aproximadamente dois meses na superfície da Lua”, acrescentou ele, uma vez que a exposição à radiação da viagem de aproximadamente uma semana até lá, e de uma semana atrás, é levada em consideração.

ANÚNCIO

Obstáculos na viagem espacial

Há várias fontes de exposição à radiação: raios cósmicos, eventos esporádicos de partículas solares (por exemplo, de erupções solares) e nêutrons e raios gama das interações entre a radiação espacial e o solo lunar.

A radiação é medida usando a unidade sievert, que quantifica a quantidade absorvida pelos tecidos humanos.

A equipe constatou que a exposição à radiação na Lua é de 1.369 microsieverts por dia – cerca de 2,6 vezes maior do que a dose diária da tripulação da Estação Espacial Internacional.

A razão disto é que a ISS ainda está parcialmente protegida pela bolha magnética de proteção da Terra, chamada magnetosfera, que desvia a maior parte da radiação do espaço.

Leia também: A NASA tem agora um jeito mais rápido e barato de chegar à Lua

A atmosfera da Terra proporciona proteção adicional para os seres humanos na superfície, mas a exposição é maior à medida que nos distanciamos.

“Os níveis de radiação que medimos na Lua são cerca de 200 vezes maiores do que na superfície da Terra e cinco a 10 vezes maiores do que em um voo de Nova York para Frankfurt”, acrescentou Wimmer-Schweingruber.

A NASA está planejando trazer humanos para a Lua até 2024 sob a missão Artemis e disse que tem planos para uma permanência a longo prazo que incluiria astronautas trabalhando e vivendo na superfície.

Para Wimmer-Schweingruber há uma alternativa de trabalho se quisermos que os humanos passem mais de dois ou três meses: construir habitats que sejam protegidos da radiação, cobrindo com 80 centímetros (30 polegadas) de solo lunar.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fonte: Science Alert, AFP

ANÚNCIO