A NASA tem agora um jeito mais rápido e barato de chegar à Lua

ANÚNCIO

A Lua está tão próxima à Terra que, décadas após o fim da corrida espacial,ainda é extraordinariamente caro e difícil de voltar lá.

A viagem, no entanto, tornou-se um pouco mais fácil, graças a uma invenção recém-publicada pela NASA, que foi também, patenteada.

ANÚNCIO
A NASA tem agora um jeito mais rápido e barato de chegar à Lua
Foto: (reprodução/internet)

A patente da agência não cobre uma nova peça de equipamento ou linhas de código, mas uma trajetória – uma rota projetada para poupar tempo, combustível e dinheiro a uma missão lunar, e aumentar seu valor científico.

Em 30 de junho, o US Patent and Trademark Office concedeu e publicou a patente da NASA para uma série de manobras orbitais, sobre as quais o Business Insider tomou conhecimento pela primeira vez através de um tweet de um advogado chamado Jeff Steck.

A técnica não se destina a grandes naves que transportam astronautas ou veículos de transporte, mas sim a missões menores e mais bem orçamentadas, encarregadas de fazer uma ciência significativa.

ANÚNCIO

E a primeira nave espacial a tirar proveito deste novo caminho orbital poderia proporcionar descobertas sem precedentes do outro lado da Lua.

Chamada de Dark Ages Polarimeter Pathfinder, ou Dapper, a próxima missão visa registrar, pela primeira vez, ondas de rádio de baixa frequência emitidas durante as primeiras épocas do Universo – quando átomos, estrelas, buracos negros e galáxias estavam apenas começando a se formar, e onde os cientistas podem detectar os primeiros sinais de matéria escura ainda não vista.

Traçando um novo caminho para a Lua, favorável ao orçamento

Quando a NASA enviou três astronautas para a Lua em 1968, a tripulação levou apenas alguns dias para chegar lá. Tais viagens são caras e precisam de um foguete enorme para sair bem da gravidade profunda da Terra.

Há caminhos muito mais eficientes para a Lua que podem usar foguetes menores – se você tiver tempo de sobra, o que os robôs fazem.

Levando tempo para balançar ao redor da Terra, por exemplo, uma espaçonave pode tirar um pouco do movimento do planeta para então, se lançar até Lua em uma série de órbitas longas que custam pouco ou nenhum combustível.

O combustível permanece necessário para uma viagem até as órbitas e para manobras pelo espaço, mas cada grama que uma espaçonave carrega é uma massa que um engenheiro não pode carregar outros componentes, incluindo instrumentos científicos.

Leia também: Cientistas descobriram exoplaneta ‘habitável’ como a Terra

O cálculo é especialmente complicado para naves compactas como a Dapper, que seria aproximadamente do tamanho de um microondas, já que há (literalmente) menos margem de erro.

Diante do desafio extra de tentar pilotar a Dapper com um orçamento relativamente pequeno de US$ 150 milhões do programa Exploradores da NASA, a equipe por trás do conceito da missão percebeu que não poderia comprar seu próprio foguete.

“Esta trajetória até a Lua surgiu por necessidade, como estas coisas normalmente acontecem”, disse Jack Burns, um astrofísico da Universidade do Colorado Boulder e líder da missão Dapper, ao Business Insider. “Precisávamos manter os custos de lançamento baixos e encontrar uma maneira barata de chegar à Lua”.

Um projeto mais que inovador

Eles começaram com um voo que sabiam que podiam pagar: um para a órbita geossíncrona ou alta da Terra, uma região a cerca de 22.236 milhas (35.785,37 km) do Equador da Terra (cerca de um décimo do caminho para a Lua). É um destino comum para também para outros satélites construídos pairar sobre um ponto do planeta. O Dapper é pequeno o suficiente para se manter em tais missões.

“Se pudéssemos fazer um lançamento em órbita terrestre alta, órbita geossíncrona, então poderíamos chegar até lá com apenas um tanque  de combustível”, disse Burns.

Depois de trabalhar com os números, a equipe encontrou uma nova trajetória para a Lua, que sua patente descreve como um “método para transferir uma nave espacial da órbita de transferência geossíncrona para a órbita lunar”.

A NASA tem agora um jeito mais rápido e barato de chegar à Lua
Foto: (reprodução/NASA)

Ele conta com a ajuda da gravidade da Terra e da Lua para acelerar e desacelerar o Dapper nos momentos certos, reduzindo a quantidade de propulsor necessária.  

A NASA diz que este novo giro sobre a ajuda da gravidade mantém o tempo de voo em cerca de 2 meses e meio, enquanto opções similares podem levar seis meses.

A trajetória também vem com inúmeras opções para colocar uma nave espacial em uma órbita de qualquer ângulo ao redor da Lua, praticamente a qualquer momento. E evita uma zona de radiação ao redor da Terra chamada de correias Van Allen, que pode danificar a eletrônica sensível.

Por que a NASA está patenteando maneiras de chegar à Lua

Pode parecer estranho patentear viagens lunares, mas Burns disse que realmente não é diferente de qualquer outra invenção.

“É uma criação que foi o resultado de fazer a modelagem numérica das trajetórias planetárias, disse ele. “Portanto, é propriedade intelectual”.

Patentes e licenças de invenções da NASA para alcançar a “mais ampla distribuição” de uma tecnologia, disse Dan Lockney, um executivo da NASA, à IPWatchdog em 2018.

“Proteger patentes e licenciar as tecnologias é um método que a NASA e outras agências governamentais utilizam para garantir o acesso a inovações financiadas pelo governo”, disse Clare Skelly, uma representante da NASA, ao Business Insider em um e-mail.

A agência cobra até $US50.000 para licenciar suas patentes, mas normalmente pede de $US5.000 a $US10.000, (R$26.484,00 e R$53.000,00, respectivamente) mais royalties.

“É através dos royalties iniciais que a NASA procura recuperar parte de seu investimento nos custos de registro e manutenção de patentes”, diz o site de licenciamento da agência.

Em outras palavras, o site de licenciamento da agência diz: Patentear e depois cobrar um mínimo por esse trabalho é uma prática formal e compatível com a indústria de divulgar os resultados dos trabalhos da NASA.

Não oficialmente, o esquema da NASA também impede empresas privadas e nações estrangeiras de estocar tecnologias espaciais importantes para somas exorbitantes, e isso ajuda a fomentar missões americanas e colaborações internacionais. (Ocasionalmente, a agência libera patentes para o domínio público).

Burns disse que não acreditava que a NASA “alguma vez ganharia dinheiro” com a nova patente de trajetória, uma vez que muitas vezes é uma questão de manutenção de registros históricos.

“É apenas um marcador que estabelece que esta foi sua propriedade intelectual – você fez isto, e você foi o criador dela – de modo que pelo menos quando as pessoas a usam, elas dão crédito”, disse ele.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Science Alert, IPWatchdog, Business Insider

ANÚNCIO