A longa e interminável luta do Facebook contra a desinformação

ANÚNCIO

O Facebook está enfrentando seu desafio mais difícil até agora: uma eleição complicada por uma pandemia, uma nação profundamente dividida, atraída por teorias conspiratórias e versões alternativas da realidade. Será que o Facebook está pronto? Aqui estão alguns dos maiores esforços e erros na luta contra a desinformação desde 2016.

A longa e interminável luta do Facebook contra a desinformação
Foto: (reprodução/internet)

10 de novembro de 2016: Dias após a eleição do Presidente Donald Trump, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, chama a ideia de que “notícias falsas” no Facebook haviam influenciado a eleição como ” uma ideia bastante louca”. Mais tarde, ele recua o comentário.

ANÚNCIO

Dezembro de 2016: O Facebook diz que vai contratar verificadores de fatos de terceiros para combater a desinformação.

27 de abril de 2017: O Facebook reconhece publicamente que os governos ou outros atores maliciosos não estatais estão usando sua rede social para influenciar as eleições nacionais, de acordo com as descobertas do governo dos Estados Unidos sobre a interferência russa.

Outubro de 2017: O Facebook diz que anúncios ligados a uma agência russa na internet foram vistos por cerca de 10 milhões de pessoas antes e depois das eleições de 2016.

ANÚNCIO

Novembro de 2017: Antes das audiências do Congresso dos Estados Unidos sobre a interferência eleitoral, o Facebook aumenta a estimativa, dizendo que os anúncios russos que fomentam a divisão política potencialmente atingiram até 126 milhões de usuários.

2018

4 de janeiro de 2018: Zuckerberg declara que sua resolução de 2018 é a de “consertar” o Facebook.

Março de 2018: Crescem as evidências de que as campanhas do Facebook foram usadas para direcionar o Reino Unido para Brexit.

Abril de 2018: Zuckerberg testemunha perante o Congresso e pede desculpas pelos erros da empresa, assim como notícias falsas, discurso de ódio, falta de privacidade de dados e interferência estrangeira nas eleições de 2016 em sua plataforma.

Maio de 2018: Democratas no comitê de inteligência da Câmara divulgam mais de 3.500 anúncios no Facebook criados ou promovidos por uma agência de internet russa antes e depois das eleições de 2016.

Julho de 2018: Legisladores britânicos pedem uma maior supervisão do Facebook e de outras plataformas.

Julho de 2018: Depois que o Facebook adverte sobre as despesas que disparam devido em parte ao aumento da segurança e à contratação de mais moderadores, seu preço de ações sofre a pior queda em sua história. Suas ações não se recuperam até janeiro de 2020.

5 de setembro de 2018: Os executivos do Facebook e do Twitter se comprometem perante o Congresso a se defender contra a intrusão estrangeira.

Outubro de 2018: Facebook convida a imprensa a percorrer uma “sala de guerra” recém-criada para combater a desinformação eleitoral no que em grande parte é visto como um movimento de relações públicas.

Outubro-Novembro de 2018: Antes das eleições americanas de 2018, o Facebook remove centenas de contas, páginas e grupos por suspeita de links para interferências eleitorais estrangeiras.

A saga continua em 2019

18 de fevereiro de 2019: Em um relatório mordaz, legisladores britânicos pedem um código de ética obrigatório e supervisores independentes para plataformas de mídia social, chamando especificamente o Facebook para um projeto técnico que parece “ocultar o conhecimento e a responsabilidade por decisões específicas”.

Maio de 2019: o Facebook se recusa a remover um vídeo manipulado para mostrar a porta-voz da Câmara, Nancy Pelosi, dizendo suas palavras. O clipe alterado é compartilhado milhões de vezes.

Outubro de 2019: o Facebook revela novos sistemas de segurança destinados a evitar interferências estrangeiras nas eleições.

Novembro de 2019: Facebook abre uma nova “sala de guerra” de desinformação antes de eleições parlamentares no Reino Unido.

2020, algo mudou?

Maio-Junho de 2020: O Facebook se recusa a remover os posts do presidente Trump que sugerem que os manifestantes que apoiavam a reforma policial e o movimento Black Lives Matters em Minneapolis, nos EUA, poderiam ser fuzilados. 

Zuckerberg defende sua decisão em um post do Facebook. O Facebook também se recusa a tomar medidas em dois posts do Trump espalhando informações errôneas sobre a votação por correio. Alguns funcionários do Facebook se demitem em protesto.

Junho de 2020: O Facebook diz que adicionará rótulos a todos os posts sobre votação que direcionem os usuários a informações confiáveis de autoridades eleitorais estaduais e locais. Isto inclui postagens do presidente.

8 de julho de 2020: Uma auditoria quase independente dos direitos civis critica as “decisões irritantes e desoladoras” do Facebook com relação aos direitos civis e à desinformação eleitoral, incluindo os tweets do Trump sobre a votação por correio.

Leia também: Facebook busca excluir informações enganosas de sua plataforma

Agosto de 2020: Após anos de uma abordagem livre, o Facebook restringe o movimento conspiratório QAnon, mas não o proíbe totalmente.

3 de setembro de 2020: O Facebook restringe os anúncios políticos, embora apenas por sete dias antes das eleições nos EUA.

6 de out. de 2020: Facebook proíbe todos os grupos que apoiam a QAnon.

7 de outubro de 2020: O Facebook restringe ainda mais os anúncios políticos, disponibiliza mais rótulos para posts de candidatos que declarem vitória prematuramente ou contestem resultados oficiais, e proíbe o uso de “linguagem militarizada” em conexão com chamadas para observação de pesquisas.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fonte: AP News

ANÚNCIO