Facebook vai proibir grupos que apoiam teoria de conspiração QAnon

ANÚNCIO

O Facebook disse que proibirá grupos que apoiam abertamente QAnon, a teoria da conspiração sem fundamento que retrata o Presidente Donald Trump como um guerreiro secreto contra uma suposta rede de tráfico de crianças dirigida por celebridades e funcionários do governo de “estado profundo”.

Facebook vai proibir grupos que apoiam teoria de conspiração QAnon
Foto: (reprodução/internet)

A empresa disse na terça-feira que removerá as páginas do Facebook, grupos e contas da Instagram que apoiam abertamente a teoria QAnon – mesmo que eles não promovam a violência.

ANÚNCIO

A rede social disse que considerará uma variedade de fatores para decidir se um grupo cumpre seus critérios para uma proibição, incluindo seu nome, a biografia ou seção “sobre” da página, e discussões dentro da página, grupo ou Instagram.

Menções de QAnon em um grupo focado em um assunto diferente não necessariamente serão probidos, disse o Facebook. Os administradores de grupos proibidos também terão suas contas pessoais desativadas.

Há menos de dois meses, o Facebook disse que deixaria de promover grupos que apoiassem a teoria, embora tenha demorado mais que o esperado. 

ANÚNCIO

Disse que só removeria os grupos de QAnon se eles promovessem a violência. Esse não é mais o caso.

As ações atrasadas do Facebook

A empresa disse que começou a aplicar a política na terça-feira (06), mas advertiu que “levará tempo e continuará nos próximos dias e semanas”.

Os críticos a chamaram de uma mudança muito necessária, embora tardia, feita pelo Facebook.

“Agora que eles anunciaram que vão tratar a ideologia QAnon como a ameaça muito real que ela é, esperamos que eles sigam com algumas poucas provas mostrando como a proibição está sendo aplicada e se ela é totalmente efetiva”, disse Jonathan A. Greenblatt, CEO da Liga Anti-Defamação.

Jonathan também é um dos fundadores da campanha Stop Hate for Profit, que organizou um boicote no Facebook pelos anunciantes.

Mas a teoria da conspiração já se infiltrou na política geral. Vários republicanos que concorrem ao Congresso este ano são favoráveis à QAnon.

Quando o Facebook e outras empresas de mídia social começaram a aplicar – por mais limitada que seja – as políticas contra a QAnon, os críticos disseram que já era tarde demais.

O site Reddit, que começou a proibir os grupos de QAnon em 2018, estava bem à frente, e até hoje tem evitado em grande parte ter uma presença notável de QAnon em sua plataforma.

Os grupos QANon

“Vimos várias questões que levaram à atualização de hoje”, disse o Facebook em um post

“Embora tenhamos removido o conteúdo de QAnon que celebra e apoia a violência, vimos outros conteúdos de QAnon ligados a diferentes formas de danos do mundo real, incluindo afirmações recentes de que os incêndios florestais na costa oeste foram iniciados por certos grupos, o que desviou a atenção das autoridades locais do combate aos incêndios e da proteção do público”.

Leia também: Facebook diz restringir o conteúdo para acabar com violência nas Eleições nos EUA

Também na terça-feira (06), o Citigroup Inc. teria demitido um gerente em seu departamento de tecnologia depois que uma investigação descobriu que ele operava um site dedicado a QAnon.

De acordo com a Bloomberg, Jason Gelinas havia sido colocado em licença remunerada após ter sido identificado em 10 de setembro por um site de verificação de fatos, o QMap.pub e seus aplicativos associados.

Em uma declaração, o Citi confirmou que Gelinas não está mais com a empresa e acrescentou que os funcionários são obrigados a respeitar seu código de conduta. Isto inclui a divulgação e obtenção de permissão para atividades comerciais externas.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: AP News, About.fb, Bloomberg, QMap.pub

ANÚNCIO