Honda abandona F1 para se concentrar em tecnologia de emissão zero

ANÚNCIO

A Honda Motors do Japão encerrará sua participação como fornecedora de motores no Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA no final da temporada 2021 para se concentrar na tecnologia de emissão zero, disse na sexta-feira (02).

Honda abandona F1 para se concentrar em tecnologia de emissão zero
Foto: (reprodução/internet)

A decisão foi tomada no final de setembro e a empresa não pretende voltar à F1, disse o Chefe Executivo Takahiro Hachigo em uma conferência de imprensa online.

ANÚNCIO

“Isto não é um resultado da pandemia do coronavírus, mas por causa de nosso objetivo de longo prazo de não emissão de carbono“, disse ele.

Como outras montadoras, a Honda está correndo para construir veículos de nova energia em uma mudança industrial que a Hachigo descreveu na sexta-feira como “uma vez em um século”. 

Essa decisão se espalhe entre as empresas, e está se acelerando em meio ao surto do coronavírus, à medida que as montadoras revisam os planos de produção para conquistar participação no mercado com novos modelos, incluindo veículos com baixas ou zero emissões.

ANÚNCIO

Leia também: Facebook reforça compromissos climáticos para reduzir gases de efeito estufa

A Honda, que voltou à F1 em 2015 em parceria com a equipe da Red Bull Racing, disse que vai desviar os recursos que usou para construir motores F1 para os esforços para acelerar o desenvolvimento de tecnologias de emissão zero, tais como células de combustível e baterias.

“Entendemos como tem sido difícil para a Honda Motor Company chegar a essa decisão”. Entendemos e respeitamos o raciocínio por trás disso”, disse o diretor da Red Bull Team, Christian Horner, em uma declaração.

A Honda está lançando seu primeiro carro totalmente elétrico este mês – o Honda e – e anunciou planos para que dois terços da produção da empresa sejam veículos de energia renovável até 2030.

A rival Toyota Motor Corp disse na semana passada que espera que as vendas anuais de veículos elétricos atinjam 5,5 milhões em 2025, cinco anos antes do inicialmente planejado.

Traduzido e adaptado pela equipe Revolução.etc.br

Fonte: Reuters, Honda

ANÚNCIO