Milhares dormem ao ar livre depois que o campo de refugiados é incendiado na Grécia

ANÚNCIO

Milhares de refugiados e migrantes passaram uma terceira noite ao ar livre na ilha grega de Lesbos, após duas noites consecutivas de incêndios no superlotado acampamento de Moria, que os deixou desabrigados.

Milhares dormem ao ar livre depois que o campo de refugiados é incendiado na Grécia
Foto: (reprodução/Petros Giannakouris)

Alguns acordaram na sexta-feira depois de dormir à beira da estrada, tendo cortado canas e usado cobertores  para fazer abrigos para protegê-los do frio e do sol escaldante do dia. Outros usavam barracas  tinham apenas sacos de dormir para protegê-los.

ANÚNCIO

As autoridades gregas disseram que os incêndios de terça e quarta-feira à noite foram deliberadamente ateados por alguns residentes do acampamento indignados por ordens de isolamento emitidas para evitar a propagação do coronavírus depois que 35 residentes foram encontrados infectados.

O acampamento esteve sob um bloqueio que durou até meados de setembro depois que o primeiro caso de vírus foi identificado em um homem somali a quem foi concedido asilo e que deixou o acampamento, mas que depois retornou de Atenas para Moria.

Uma realidade não documentada

“Passamos três dias aqui sem comer, sem beber.”

ANÚNCIO

“Estamos em condições realmente, realmente não muito boas”, Freddy Musamba, um ex-residente do campo de refugiados que veio da Gâmbia, que denunciou a situação na Grécia e as condições em que ele vivia.

“Quero falar da União Europeia, que nos abandonou, que nos deixou aqui desta maneira”, disse Musamba. 

Ele pediu que a UE “venha e nos apoie, não nos deixe. Somos como crianças abandonadas”. Temos suportado coisas que não sabíamos que poderiam acontecer”.

As organizações de ajuda humanitária há muito alertaram sobre as condições terríveis no campo, que tem uma capacidade de pouco mais de 2.750 pessoas, mas estava abrigando mais de 12.500 em seu interior em uma ‘’cidade de barracas”.

A situação levou a uma espiral de tensão, tanto entre migrantes e refugiados dentro do campo como com os residentes locais que há muito pedem o fechamento de Moria.

Moria abriga pessoas da África, Ásia e Oriente Médio que chegaram à ilha vindas da costa turca vizinha fugindo da pobreza ou do conflito em sua terra natal. 

Sob um acordo de 2016 entre a União Europeia e a Turquia, aqueles que chegassem às ilhas gregas permaneceriam lá enquanto aguardassem seu pedido de asilo bem sucedido, ou a deportação de volta para a Turquia.

Mas um acúmulo de pedidos de asilo, combinado com chegadas contínuas e poucas deportações, levou a uma superlotação maciça em Moria e outros campos nas ilhas do leste do Mar Egeu.

A decisão da União Europeia

O acampamento superlotado e suas condições terríveis têm sido sustentados por críticos como um símbolo de falhas na política de migração e refugiados da UE.

“Moria é um lembrete agudo para todos nós do que precisamos mudar na Europa“, disse a vice-presidente da Comissão Europeia Margaritis Schinas, que também lida com a migração para o grupo dos 27 países.

“O prazo de quanto tempo a Europa pode viver sem uma política de migração se esgotou”, disse Schinas, que estava na Grécia para discutir o incêndio de Moria com as autoridades gregas. A comissão executiva da UE planeja apresentar um novo “pacto de migração e asilo” em 30 de setembro, disse ele.

Milhares dormem ao ar livre depois que o campo de refugiados é incendiado na Grécia
Foto: (reprodução/Petros Giannakouris)

Segundo Schinas, o pacto prevê acordos com os países de origem e trânsito dos migrantes para persuadir as pessoas a não embarcar para a Europa, bem como um sistema “robusto” para administrar as fronteiras externas da UE, incluindo “uma nova fronteira e guarda costeira europeia, com muito mais pessoal, barcos, instrumentos e ferramentas”.

Também incluirá “um sistema de solidariedade permanente e eficaz para assumir a responsabilidade de asilo” entre os países da UE, disse Schinas.

Ele disse que após o incêndio que eviscerou Moria, as autoridades gregas terão que “montar uma nova instalação mais moderna”.

“A União Europeia está pronta não apenas para financiar e apoiar a construção desta nova instalação, mas também estamos prontos para considerar qualquer pedido da Grécia para um papel mais ativo na gestão desta nova instalação”, disse Schinas.

O que acontecerá com os residentes do campo?

Na quinta-feira, o presidente francês Emanuel Macron anunciou que a França e a Alemanha estavam em negociações para acolher algumas das crianças que haviam vivido em Moria.

O Ministro do Interior alemão Horst Seehofer disse na sexta-feira que 10 países da UE  haviam concordado em participar do acolhimento das crianças desacompanhadas de Moria e que as discussões estavam em andamento com outros.

Ele disse que a Alemanha e a França ficariam com a maior parte, “cerca de dois terços” dos 406 adolescentes e crianças que haviam vivido no acampamento sem pais ou tutores.

Leia mais: Campo de refugiados lotado em quarentena após o caso COVID-19

As autoridades alemãs identificaram os outros países que ajudariam a acolher as crianças desacompanhadas como Finlândia, Luxemburgo, Eslovênia, Croácia, Holanda, Portugal, Bélgica e Suíça.

Um programa já estava em andamento antes do incêndio para que vários países europeus acolhessem alguns dos milhares de menores desacompanhados, a maioria adolescentes, que estavam hospedados em instalações para refugiados e migrantes em toda a Grécia.

O primeiro incêndio em Moria na noite de terça-feira deixou cerca de 3.500 dos habitantes do campo desabrigados, disse o ministro da migração da Grécia.

Tendas foram levadas de avião, uma balsa e dois navios da marinha deveriam fornecer acomodações de emergência. Mas os remanescentes do acampamento foram queimados na quarta-feira à noite, deixando os habitantes restantes sem nenhum lugar para ficar.

Na quarta-feira, o porta-voz do governo, Stelios Petsas, enfatizou que nenhum dos residentes do acampamento, exceto as crianças desacompanhadas que lá viviam, seria autorizado a deixar a ilha. Os menores desacompanhados foram levados para o continente e alojados temporariamente em hotéis na noite de quarta-feira.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: AP News

ANÚNCIO