Memorando confidencial da Amazon revela software para rastrear sindicatos

ANÚNCIO

A Amazon há muito se opõe à ideia de seus funcionários formarem um sindicato, embora muitas de suas estratégias anti-sindicalistas tenham permanecido em segredo. 

Memorando confidencial da Amazon revela software para rastrear sindicatos
Foto: (reprodução/internet)

Mas um memorando interno confidencial da Amazon visto pelo site Recode revela como a empresa está fazendo investimentos significativos em tecnologia para rastrear e combater a ameaça da sindicalização.

ANÚNCIO

O documento de 11 páginas, datado de fevereiro de 2020, descreve os planos da Amazon de gastar centenas de milhares de dólares para melhor analisar e visualizar dados sobre sindicatos em todo o mundo, com outras “ameaças” não sindicais à empresa relacionadas a fatores como crime e clima. 

Dos cerca de 40 pontos de dados listados no memorando, cerca da metade deles eram relacionados a sindicatos ou relacionados a questões de funcionários, como horas extras obrigatórias e incidentes de segurança. 

O novo software da Amazon

O memorando solicitava pessoal e fundos para adquirir software que ajudasse especificamente a consolidar e mapear visualmente os dados de três grupos diferentes da Amazon, liderados pelas relações dos funcionários (que fazem parte dos recursos humanos), com a Unidade de Inteligência Global da Amazon e o Programa de Inteligência Global.

ANÚNCIO

O novo sistema tecnológico – chamado de Console Operacional geoSPatial, ou SPOC – ajudaria a empresa a analisar e visualizar pelo menos cerca de 40 conjuntos de dados diferentes, diz o memorando.

 Entre eles estão muitos relacionados a sindicatos, além disso, um dos casos de uso potencial da ferramenta é descrito no memorando como “O Mapa de Relacionamento Sindical”, embora nenhum outro detalhe seja fornecido.

O que diz o memorando

O memorando oferece evidências de como a Amazon está dedicando tempo e recursos significativos para reduzir a probabilidade de sindicalização entre sua força de trabalho da linha de frente, que totalizou quase 1,4 milhões de pessoas na Amazon e Whole Foods de março a 19 de setembro, contando cada funcionário que trabalhou para as empresas por qualquer período de tempo.

 A Amazon é agora o segundo maior empregador do setor privado nos EUA, apenas atrás do Walmart, e os questionamentos sobre suas práticas trabalhistas aumentou à medida que expandiu rapidamente sua rede de armazenagem, mesmo durante a pandemia de Covid-19.

“Na minha opinião, é definitivamente uma estratégia parcial de evasão sindical”, disse um ex-gerente sênior de RH da Amazon familiarizado com as táticas de evasão sindical de empresas, e com quem a Recode compartilhou o memorando.

 O ex-gerente pediu anonimato por medo de represálias

A resposta da Amazon

O porta-voz da Amazon, Jaci Anderson, disse em uma declaração que a Amazon respeita “o direito dos funcionários de aderir, formar ou não um sindicato, ou outra organização legal de sua própria escolha, sem medo de retaliação, intimidação ou assédio”.

“Em toda a Amazon, inclusive em nossos centros de atendimento, damos enorme valor a conversas diárias com cada associado e trabalho [para] garantir que o envolvimento direto com nossos funcionários seja uma parte forte de nossa cultura de trabalho”.

As reais condições trabalhistas da Amazon

Enquanto alguns funcionários pertencem a sindicatos em países europeus como Alemanha e Itália, nenhum sindicato jamais teve sucesso em organizar qualquer força de trabalho da Amazon nos Estados Unidos. 

A Amazon fechou um call center em 2001 que foi o foco de uma tentativa de sindicalização, e um pequeno grupo de técnicos em Delaware encenou uma votação sindical em 2014, mas a maioria dos funcionários votou contra.

Mais recentemente, a Amazon enfrentou um questionamento de grupos de ativistas trabalhistas, políticos progressistas, e um punhado de organizadores de funcionários sinceros sobre o tratamento dado pela empresa à sua força de trabalho. 

Durante a pandemia, alguns funcionários argumentaram que as medidas de segurança da Amazon chegaram tarde demais, ou foram aplicadas de forma inconsistente. A Amazon demitiu vários deles, citando violações das políticas da empresa. 

Leia também: Em meio a pressão, Amazon revela quase 20.000 funcionários com COVID-19

Todos os funcionários acreditam que foram demitidos por terem se manifestado. A Amazon disse na quinta-feira que quase 20.000 de seus funcionários da Amazon e da Whole Foods contrataram a Covid-19, que representa 1,44% de seus funcionários da linha de frente. 

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: The Verge, Recode

ANÚNCIO