O Twitter contra fake news: A plataforma já sofre mudanças

ANÚNCIO

O Twitter está repensando como as etiquetas que aplica à desinformação parecem e funcionam, seu chefe de integridade do site disse à Reuters em uma entrevista, enquanto a empresa de mídia social tenta tornar essas intervenções mais óbvias e cortar seus tempos de reação.

O Twitter contra fake news: A plataforma já sofre mudanças
Foto: (reprodução/internet)

Yoel Roth, do Twitter, disse que a empresa está explorando as mudanças nos pequenos avisos azuis que ela atribui a certos tweets falsos ou enganosos, para tornar esses sinais mais ‘evidentes’ e ser mais ‘diretos’ ao dar informações aos usuários.

ANÚNCIO

Mas ele não disse se alguma nova versão estaria pronta antes das eleições nos EUA nas próximas quatro semanas, um período que os especialistas dizem que poderia estar repleto de conteúdo on-line falso e enganoso.

Roth disse que os novos esforços no Twitter incluem testar uma cor de magenta-avermelhada mais visível, e trabalhar para saber se os usuários que consistentemente postam informações falsas devem ser sinalizados.

“Nós definitivamente ouvimos o feedback de que seria útil ver se uma conta é um infrator reincidente ou se foi rotulada repetidamente, e estamos pensando sobre as opções lá”, disse Roth.

ANÚNCIO

O trabalho do Twitter

O Twitter começou a rotular mídia manipulada ou fabricada no início de 2020, após um feedback público. 

Ele expandiu seus rótulos para a desinformação do coronavírus e depois para tweets enganosos sobre eleições e processos cívicos.

O Twitter diz que agora tem rotulado milhares de posts, embora a maior parte da atenção tenha estado nos rótulos aplicados aos tweets pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

Em setembro, o Twitter anunciou que rotularia ou removeria os posts que alegassem vitória eleitoral antes que os resultados fossem certificados.

Roth disse que a pesquisa minando a ideia de que as correções podem fortalecer as crenças das pessoas na desinformação – conhecido como o “efeito de backfire” – contribuiu para que o Twitter repensasse como seus rótulos poderiam ser mais óbvios. 

O risco é que os rótulos “viram distintivos de honra” que os usuários buscam ativamente por atenção, disse Roth.

Uma mudança lenta e atrasada

Embora os rótulos do Twitter tenham sido elogiados por alguns especialistas em desinformação como uma intervenção há muito esperada, sua execução tem provocado críticas de pesquisadores como sendo muito lenta.

“A maioria das coisas decola tão rápido que se você esperar 20 ou 30 minutos… a maior parte da divulgação para alguém com um grande público já aconteceu”, disse Kate Starbird, professora associada da Universidade de Washington que tem analisado as respostas dos rótulos do Twitter.

O Twitter levou cerca de oito horas para adicionar rótulos aos tweets de Donald Trump sobre a votação por correspondência na primeira vez em que foi rotulado em maio, embora a Starbird tenha dito que o Twitter estava ficando mais rápido.

Dois tweets de Trump em setembro pareciam ter sido etiquetados em duas horas.

Leia também: Facebook busca excluir informações enganosas de sua plataforma

Roth disse que o Twitter reduz o alcance de todos os tweets rotulados por desinformação, limitando sua visibilidade e não os recomendando em lugares como resultados de busca. A empresa se recusou a compartilhar quaisquer dados sobre a eficácia destas etapas.

Em agosto, os pesquisadores da Election Integrity Partnership disseram que o Twitter desativou os retweets em um tweet do Trump que violou suas regras teve um efeito claro em sua difusão, mas foi “muito pouco, muito tarde”. 

Os algorítimos do Twitter

Roth disse que o Twitter leva em conta o número de retweets, engajamento e pontos de vista para priorizar o conteúdo viral. 

Mas ele disse que o Twitter estava explorando como prever quais tweets se tornariam virais e conduzindo exercícios sobre as prováveis novas alegações eleitorais de 2020 para se tornar mais rápido.

Vários pesquisadores disseram à Reuters que era difícil avaliar a eficácia das intervenções do Twitter sem saber quais ações ele estava tomando e quando.

A empresa não mantém listas públicas de quando aplicou rótulos e não compartilhou dados para permitir que pessoas de fora pudessem avaliar como seus rótulos afetam a disseminação de um tweet ou como os usuários interagem com eles.

 “As plataformas precisam explicar que hipóteses estão testando, como estão testando, quais são os resultados e ser transparentes”, disse Tommy Shane, chefe da política e do impacto da organização sem fins lucrativos anti-desinformação, a First Draft.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fonte: Reuters

ANÚNCIO