Tailandeses protestam e exigem o fim da monarquia

ANÚNCIO

Um comício de dois dias planejado para este fim de semana está causando nervosismo nos moradores de Bangkok, com apreensão sobre até onde os manifestantes irão ao pressionar as exigências de reforma da monarquia tailandesa e como as autoridades poderão reagir.

Tailandeses protestam e exigem o fim da monarquia
Foto: (reprodução/internet)

Estima-se que pelo menos 10.000 pessoas participaram de um grande protesto em 16 de agosto, e espera-se uma participação maior desta vez. Em uma escalada de táticas, os organizadores planejam marchar até a Casa do Governo, os escritórios do primeiro-ministro, para entregar as petições.

ANÚNCIO

As exigências iniciais dos grupos responsáveis por uma série de manifestações anti-governamentais eram a dissolução do Parlamento com novas eleições, uma nova constituição e o fim da intimidação dos ativistas políticos.

Mas os principais organizadores por trás do comício deste fim de semana têm promovido um outro argumento. Eles querem restrições ao poder da monarquia, uma instituição há muito apresentada como a pedra angular da nação e intocável.

Estes opositores consideram a monarquia como ambígua e inexplicável. Em um comício no mês passado fora de Bangkok, eles publicaram um manifesto de 10 pontos para sua reforma.

ANÚNCIO

Leia mais: Barbados vai tirar Rainha Elizabeth II do cargo de Chefe de Estado e declarar uma República

Sublinhando seu desafio, eles planejam fazer uma manifestação neste fim de semana, levando seus apoiadores a ocupar um campo adjacente ao local do comício.

Durante gerações o estado promoveu incessantemente a monarquia, apresentando-se como a alma sagrada da nação. Sua posição é protegida por um exército que lhe jura fidelidade pessoal. Muitos tailandeses a amam incondicionalmente; outros são impedidos de criticá-la por uma lei que manda de três a 15 anos de prisão por difamar a instituição.

A resposta do governo

Até agora, as autoridades mantiveram a calma. Perguntado esta semana sobre o próximo comício, a resposta do Primeiro Ministro, Prayuth Chan-ocha,foi cuidadosamente avaliada.

“Eu gostaria de expressar minha preocupação”, disse ele. “Eu me preocupo com meus filhos e você se preocupa com os seus”. 

“Como primeiro-ministro, eu também me preocupo com seus filhos. É meu dever cuidar deles. Peço a todos que ajudem a resolver a situação”.

Na quinta-feira à noite, ele sugeriu em um discurso sobre o coronavírus, que a reunião não deveria ser realizada por causa de um risco de propagação da doença.

Leia também: Manifestantes forçam o Nepal a administrar melhor a crise de COVID-19

“Quando você se reúne em multidões, está criando um enorme risco de novas infecções”, disse Prayuth. “E com isso, você também cria um enorme risco para as dezenas de milhões de tailandeses”.

Há algum medo, entretanto, de que o Estado possa se sentir forçado a reprimir duramente, se o comício do fim de semana empurrar a questão da monarquia com muita força.

Seja agora ou mais tarde, um acadêmico acredita que o abismo entre os dois lados torna os problemas quase inevitáveis.

“Havia vários grupos de elites reformistas (que) tentam se comprometer, tentam convencer as autoridades a fim de entender os estudantes, mas não vi nenhum sinal de compromisso”, disse Kanokrat Lertchoosakul, professor assistente da Universidade de Chulalongkorn.

“Portanto, sem este sinal eu ainda não sei como podemos evitar a violência física”.

Há muitos precedentes para isso na Tailândia. Os militares usaram a força letal para anular as manifestações políticas de massa em 1992 e 2010. 

Em 1976, as forças de segurança e os vigilantes de direita reprimiram um comício estudantil na Universidade de Thammasat, o local planejado para a manifestação deste fim de semana.

Traduzido e adaptado por equipe Revolucao.etc.br

Fontes: AP News

ANÚNCIO