Startup arrecada $80M para desenvolver ‘LinkedIn’ universitário

ANÚNCIO

Os universitários têm procurado trabalho no que é um dos mercados de trabalho mais desafiadores em uma década devido ao coronavírus e seus impactos na economia e como as pessoas podem interagir umas com as outras. 

Startup arrecada $80M para desenvolver 'LinkedIn' universitário
Foto: (reprodução/internet)

Hoje, uma startup que os está ajudando com esse processo de procura de emprego está anunciando uma grande rodada de financiamento para fazer crescer seus negócios.

ANÚNCIO

A startup chamada Handshake, que fornece uma plataforma para estudantes universitários registrarem seus interesses e habilidades e procurarem trabalho adequado, e para recrutadores procurarem candidatos e anunciarem vagas de nível básico, arrecadou 80 milhões de dólares em financiamento.

A Handshake não está divulgando sua avaliação, mas uma fonte confiável próxima à empresa inicial disse que a avaliação mais do que dobrou desde sua última rodada. Isso foi de US$ 275 milhões, colocando a avaliação provável agora entre US$ 550 milhões e US$ 600 milhões.

Handshake, o futuro dos universitários

A empresa existe desde 2014 e construiu seu perfil em parte como uma versão mais inclusiva do LinkedIn destinada às pessoas que só começam no mercado de trabalho, e está usando o financiamento para dobrar sobre isso.

ANÚNCIO

Agora cobre 17 milhões de pessoas em busca de emprego, 1.000 instituições de ensino superior e quase 500.000 empregadores, com parcerias com cerca de 120 instituições de serviço a minorias, que incluem faculdades e universidades historicamente negras, e instituições de serviço hispânicas nos EUA.

O objetivo é ajudar as empresas e estudantes a enfrentarem melhor o mercado de busca de emprego e recrutamento.

E neste ano, a Handshake tem usado seus últimos financiamentos – que na verdade fecharam em novembro de 2019 – para expandir e incluir também faculdades comunitárias em sua rede, e expandir seus serviços de eventos virtuais.

COVID-19 e o impacto no mercado

Garrett Lord, CEO da Handshake que co-fundou a empresa com Scott Ringwelski (CTO) e Ben Christensen (um membro da diretoria), disse que o coronavírus não só teve impacto no mercado de trabalho, mas também no mercado de ‘caça’ ao emprego.

“A pandemia, como você pode imaginar, realmente reformulou a economia de contratação”, disse ele. 

“As empresas não podem mais ir ao campus para recrutar” – tradicionalmente uma grande parte de como as empresas se conectam com aqueles que acabam de entrar no mercado de trabalho, por meio de eventos onde podem encontrar muitas pessoas em massa – “por isso temos visto uma mudança sem precedentes para o recrutamento virtual”.

Eventos virtuais em 2020

Os eventos virtuais, ele acrescentou, estavam ganhando mais popularidade “antes do Covid”, mas de repente se tornou o único recurso na cidade.

Leia também: Startup desenvolve Android com ferramenta para identificar autenticidade de fotos

Ele disse que atualmente cerca de 20.000 empregadores gerenciaram eventos de recrutamento virtual em instituições usando a plataforma Handshake.

Estes assumem a forma de bate-papos e feiras on-line, onde são realizadas cinco reuniões de grupo de 30 minutos com até 50 estudantes em cada, com os recrutadores fazendo apresentações e conversando com os estudantes; e/ou reuniões de 10 minutos de 1:1 com estudantes com até 15 recrutadores.

“Eles precisam do aperto de mão mais do que nunca, para substituir a experiência presencial por experiências digitais e imersivas“, disse Lord.

Os desafios no mercado

Enquanto gerenciava a contração macroeconômica, a expansão este ano para incluir faculdades comunitárias no Handshake é um grande negócio.

Há muito se percebeu que há uma divisão de prestígio e especialização entre instituições, mas como o conceito de educação superior continua a evoluir, com muitos estudantes renunciando completamente à faculdade, ou optando por diplomas que não se estendem até quatro anos de estudo em uma universidade ou faculdade.

A faculdade se torna cada vez mais cara, já é hora de que plataformas que estão ajudando um nível de estudantes também ajudem os outros.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fonte: Tech Crunch

ANÚNCIO