Startup anuncia veículos sem motorista para transporte autônomo de carga

ANÚNCIO

Os protótipos sem cabine da empresa estão programados para começarem os trabalhos nas estradas em 2021.

Startup anuncia veículos sem motorista para transporte autônomo de carga
Foto: (reprodução/internet)

Einride, a empresa sueca autônoma de caminhões, revelou um novo tipo de veículo que a empresa espera ter na estrada entregando cargas a partir de 2021. 

ANÚNCIO

Os veículos, denominados Transporte Elétrico Autônomo (AET), vieram em quatro variações diferentes. E assim como os protótipos anteriores da Einride, eles vêm sem volantes, pedais, para-brisas e, em geral, sem cabine.

A Einride e seus projetos

A Einride está no ramo de lançamento de protótipos de veículos interessantes e cativantes desde a sua fundação em 2016. Houve o T-Pod sem cabine, lançado em 2017, quatro dos quais operam nas vias públicas de transporte de carga para o Oatly, o produtor sueco de alimentos. 

Um ano depois, a empresa revelou o T-Log, construído para ser mais poderoso que seu predecessor para o trabalho de transportar toneladas de madeira. Agora ela tem um veículo de última geração que espera poder colocar em produção.

ANÚNCIO

A Einride também está envolvida com a parte menos glamorosa do trabalho, que é testar, validar e buscar aprovação regulatória para seus veículos, todos elétricos e que podem ser controlados remotamente por um operador humano, além de operar de forma autônoma sem intervenção humana. 

A empresa ainda tem que revelar seus planos de produção e fabricação.

Os novos veículos da Einride

Os novos veículos da AET vêm em quatro níveis.

Os dois primeiros – AET 1 e AET 2 – têm velocidades máximas de 30 km/h, pesam 26 toneladas, têm cargas úteis de 16 toneladas e uma autonomia de bateria de 130-180 km. AET 3 e AET 4 têm peso e capacidade de carga útil similares, com velocidades máximas de 45 km/h e 85 km/h, respectivamente.

A principal diferença entre as quatro variantes é seu domínio operacional, ou condições sob as quais o carro pode dirigir de forma autônoma. A AET 1 é projetada para operar dentro de uma geofence, ou uma área geográfica definida, enquanto a AET 2 é autorizada a viajar fora de uma geofensa utilizando a teleoperação. 

Leia mais: O “carro voador” do Japão levanta voo, com uma pessoa a bordo

AET 3 é projetada para ambientes rurais, e AET 4 para a condução em rodovias. Ou, como diz Falck, o CEO da Einride:

A próxima geração de Pod é um veículo singular, mas opera em até quatro domínios operacionais diferentes (níveis de AET). 

Assim, por exemplo, se um cliente solicitar uma POD com capacidade AET 3, ela é capaz de operar em instalações fechadas (AET 1 – Cercado), em rotas de entrega próximas (AET 2 – Próximo), e em estradas secundárias entre destinos a velocidades de até 45 km/h (AET 3 – Rural). 

A tecnologia sustentável

Cada POD, independentemente do nível AET, é capaz de acionamento autônomo SAE nível 4 e pode ser operado remotamente quando necessário.

Em termos de características técnicas, cada POD será quase idêntico, com algumas configurações diferentes de hardware e software, dependendo tanto das necessidades exclusivas do cliente quanto das exigências do domínio operacional.

Leia também: Empresa revela protótipo de jato supersônico comercial

Isso significa uma transmissão elétrica, hardware telemático proprietário que faz interface com a plataforma de mobilidade de carga, e hardware de acionamento autônomo como LIDAR, câmeras e sensores em cada POD.

A Einride afirma que seus novos veículos “reduzirão os custos de transporte em até 60% e as emissões de CO2 em 90%” – uma afirmação ousada, mas impossível de ser comprovada, já que a empresa ainda não tem um negócio totalmente escalonado.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: The Verge, Tech Crunch

ANÚNCIO