Os seres humanos ainda estão evoluindo? Os cientistas entram em discussão

ANÚNCIO

Como espécie, os seres humanos povoaram quase todos os cantos da Terra. Temos desenvolvido tecnologias e culturas que moldam o mundo em que vivemos.

Os seres humanos ainda estão evoluindo? Os cientistas entram em discussão
Foto: (reprodução/internet)

A ideia de “seleção natural” ou “sobrevivência do mais forte” parece fazer sentido nos tempos da Idade da Pedra, quando lutávamos por restos de carne, mas será que ainda se aplica agora?

ANÚNCIO

Perguntamos a 12 especialistas se os seres humanos ainda estão evoluindo. De acordo dos especialistas a resposta é ‘sim’, entretanto os cientistas dizem que podemos ter a ideia errada do que é realmente a evolução.

Evolução não é o mesmo que a seleção natural

A evolução é muitas vezes usada intercambiável com as frases “sobrevivência do mais apto” ou “seleção natural”. Na verdade, estas não são exatamente a mesma coisa.

A ‘evolução’ significa simplesmente a mudança gradual de uma população ao longo do tempo.

ANÚNCIO

A ‘seleção natural’ é um mecanismo pelo qual a evolução pode ocorrer. Nossos antepassados da Idade da Pedra que eram corredores mais rápidos, evitavam ser pisoteados por mamutes e tinham maior probabilidade de ter filhos. Isto é ‘seleção natural’.

Com o passar do tempo, a população humana se tornou mais rápida na corrida. Isso é evolução.

A evolução pode acontecer sem a seleção natural

Isso faz sentido para os humanos da Idade da Pedra, mas e nos dias de hoje? Não precisamos fugir dos mamutes, temos remédios para quando estamos doentes e podemos ir às lojas para conseguir comida.

A seleção natural precisa de uma “pressão de seleção” (por exemplo, perigosos mamutes pisoteadores), então se não tivermos mais estes, isto significa que paramos de evoluir?

Mesmo sem pressão de seleção, os especialistas dizem que a evolução ainda ocorre por outros mecanismos.

O professor Stanley Ambrose, antropólogo da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, explica que “qualquer mudança nas proporções dos genes ou variantes gênicas ao longo do tempo também é considerada evolução”. As variantes podem ser funcionalmente equivalentes, de modo que a evolução não se equipara automaticamente a ‘melhoria'”.

Leia mais: Análises de DNA de centenas de vikings revelam que eles não eram quem pensávamos

Enquanto alguns genes podem ser afetados pela seleção natural (por exemplo, genes que nos ajudam a correr mais rápido), outras mudanças em nosso DNA podem não ter nenhum efeito óbvio sobre nós. As variações ‘neutras’ também podem se espalhar por uma população através de um mecanismo diferente chamado ‘derivação genética’.

A variação genética funciona por acaso: alguns indivíduos podem ter azar e morrer por razões que nada têm a ver com seus genes. Suas variações genéticas únicas não serão transmitidas para a próxima geração, e assim a população mudará.

A variação genética não precisa de nenhuma pressão de seleção, e isso ainda está acontecendo hoje.

A seleção natural ainda está acontecendo nos seres humanos.

Por mais que tenhamos facilitado as coisas para nós mesmos, ainda há pressões de seleção ao nosso redor, o que significa que a seleção natural ainda está acontecendo.

Como todos os mamíferos, os humanos perdem a capacidade de digerir o leite quando param de amamentar. Isto porque deixamos de fazer uma enzima chamada lactase. Em alguns países, a população adquiriu a “persistência da lactase”, o que significa que as pessoas produzem lactase ao longo de suas vidas.

Há sempre pressões seletivas ao nosso redor, mesmo aquelas que nós mesmos criamos.

Como diz o Dr. Benjamin Hunt da Universidade de Birmingham: “Nossas mudanças tecnológicas e culturais alteram a força e a composição das pressões de seleção dentro de nosso ambiente, mas as pressões de seleção ainda existem”.

A evolução não pode ser detida

Portanto, a evolução pode acontecer por diferentes mecanismos como a seleção natural e a deriva genética. Como nosso ambiente está sempre mudando, a seleção natural está sempre acontecendo. E mesmo que nosso ambiente fosse “justo” para nós, nós evoluiríamos de qualquer forma!

O Dr. Alywyn Scally, um especialista em evolução e genética da Universidade de Cambridge, explica: 

“Enquanto a reprodução humana envolver aleatoriedade e mutação genética (e as leis do Universo praticamente garantem que isso sempre será o caso em algum nível), continuarão a existir diferenças de uma geração para outra, o que significa que o processo de evolução nunca poderá ser verdadeiramente interrompido”.

Evolução significa mudança em uma população. Isso inclui tanto mudanças fáceis de serem observadas para se adaptar a um ambiente, quanto mudanças genéticas mais sutis.

Os seres humanos ainda estão evoluindo, e isso é improvável de mudar no futuro.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Science Alert, Metafact, The Royal Society Publishing, Science Mag,  

ANÚNCIO