Se sentar é tão ruim, deitar para trabalhar é melhor? Um Fisiologista Explica

ANÚNCIO

A maioria de nós já ouviu dizer que sentar demais é ruim para você. Estudos mostram que sentar aumenta o risco de doenças cardiovasculares e mortalidade, diabetes tipo 2 e câncer.

Com a população mais sedentária do que nunca, isso é particularmente alarmante. Mesmo antes da COVID-19, muitos de nós tínhamos conseguido engendrar atividade física fora de nossas vidas. Mas agora, a pandemia piorou as coisas.

ANÚNCIO
Se sentar é tão ruim, deitar para trabalhar é melhor? Um Fisiologista Explica
Foto: (reprodução/internet)

Ir menos para fora de casa, faltar à academia, trabalhar de casa e passar incontáveis horas no Zoom significou, para a maioria de nós, ficar sentado o dia todo durante a pandemia.

Uma pergunta que ocasionalmente vem à tona: Em vez de sentar e ficar em uma mesa o dia todo,seria melhor então, se deitar?

Como fisiologista de exercícios, posso lhe dar uma breve resposta a isso: Não. (Desculpe.).

ANÚNCIO

 E em vez de “sentar”, talvez devêssemos usar o termo “comportamento sedentário”, que é qualquer comportamento de despertar (note a palavra “acordar”) que está associado a baixos níveis de gasto de energia. Isso inclui sentar, reclinar ou deitar, de acordo com as diretrizes de Atividade Física de 2018.

Mexa-se, mova-se

A atividade física ajuda a reduzir, até mesmo eliminar, o impacto negativo do comportamento sedentário? Um estudo de 2016 analisou dados de mais de 1 milhão de homens e mulheres. 

Aqueles que se sentaram muito, e tiveram pouca atividade física moderada ou vigorosa, tinham o maior risco de mortalidade. Aqueles que se sentaram pouco, e tiveram altos níveis de atividade física moderada ou vigorosa, tiveram o menor risco de mortalidade por todas as causas.

E quanto a alguém no meio? Alguém que se senta muito, mas que também se envolve em muita atividade física?

Se sentar é tão ruim, deitar para trabalhar é melhor? Um Fisiologista Explica
Foto: (reprodução/internet)

 Os resultados mostram que o risco de mortalidade diminui enquanto a atividade física aumenta, independentemente do tempo sentado. Mas o melhor caminho a seguir: altos níveis de atividade, baixos níveis de comportamento sedentarismo.

De quanta atividade você precisa? A estimativa atual é de 60 a 75 minutos por dia de atividade moderada, ou 30 a 40 minutos de atividade intensa.

Atividade física: boa para todos

Agora vamos definir atividade física: movimentos corporais que requerem gasto de energia, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Isso cobre muito terreno: Qualquer movimento enquanto se trabalha ou se brinca conta, seja nas tarefas domésticas ou nos passeios pela vizinhança.

Os benefícios da atividade começam imediatamente, e qualquer quantia ajuda. Não importa se você é muito jovem, muito velho ou se você tem deficiências crônicas.

Note que eu ainda não usei a palavra “exercício” – até agora. O exercício, obviamente, é um tipo de atividade física, estruturada para melhorar a sua flexibilidade, equilíbrio e velocidade, juntamente com a cardio e a  musculação. 

Leia também: Pesquisadores descobrem que os sonhos são a continuação da realidade

É uma das melhores coisas que você pode fazer para melhorar sua saúde e qualidade de vida.

Os benefícios incluem um menor risco de mortalidade por todas as causas: doença cardíaca, acidente vascular cerebral, diabetes tipo 2, câncer, obesidade, hipertensão e osteoporose. Sua saúde cerebral será melhor, talvez o suficiente para ajudar a evitar a depressão, ansiedade, demência e Alzheimer. E seu sono vai melhorar.

Dormir bem

Todos estão comprometidos pela deficiência de sono, às vezes conhecida como sono curto, ou menos de seis horas por dia. Dificuldades de comportamento, controle emocional, tomada de decisões e resolução de problemas são apenas alguns dos efeitos em pessoas de todas as idades.

O sono deficiente também pode afetar o sistema imunológico em pessoas de todas as idades, levando à vulnerabilidade a infecções. Pode ser um fator de suicídio, depressão e comportamento de alto risco. 

E o sono deficiente também promove a obesidade; essencialmente, uma deficiência aumenta seu “hormônio da fome” (ghrelin) e diminui o “hormônio da saciedade” (leptina). Isto faz com que você tenha mais probabilidade de comer demais.

Em adultos, a deficiência de sono está associada a um risco maior de doenças cardíacas, pressão alta, derrame e doenças renais. Os adultos precisam de sete a oito horas por dia.

A ciência do comportamento sedentário não está estabelecida. Ainda não é possível fornecer uma orientação definitiva de saúde pública. Mas, por enquanto, enquanto se aguarda um banco de dados mais robusto, é razoável oferecer este conselho: não pule o sono.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fonte: Science Alert, The Lancet, Psychology Today, The Conversation

ANÚNCIO