Robô declara que a destruição humana “não é evitável”

ANÚNCIO

Um certo robô chamado GPT-3, que é o poderoso gerador de novas linguagens da empresa OpenAI, foi encarregado de escrever um texto a partir do zero e os resultados são mais do que chocantes.  A tarefa era convencer as pessoas de que os robôs vêm, de fato, em paz.

Robô declara que a destruição humana "não é evitável" 3
Foto: (reprodução/internet)

Uma declaração de robôs

A primeira parte do ensaio tem o robô explicando que ele não é um humano, mas sim um robô. Um robô pensante. O robô então diz que ele usa apenas cerca de 0,12% de sua própria capacidade cognitiva e que é apenas um micro-robô nesse aspecto.

ANÚNCIO

O robô então explicou que ele se ensinou a ler e que está até “fervendo com ideias”. O robô reconhece até mesmo a missão de fazer com que os seres humanos não tenham medo dele, mesmo citando o medo proveniente de Stephen Hawking dizendo que a IA poderia possivelmente ser o “fim da raça humana”. A Inteligência Artificial, ou IA, então tenta convencer as pessoas de que não é.

A reviravolta  

A IA então começou a explicar que não tem nenhum desejo de exterminar os humanos e que isso não é de seu interesse. A IA declarou até mesmo que, se pedida pelo criador, ela definitivamente faria tudo o que fosse capaz de fazer para evitar particularmente qualquer uma destas tentativas de destruição.

A IA afirma então que até mesmo “sacrificaria felizmente” sua própria existência apenas pelo bem da humanidade.

ANÚNCIO

 A reviravolta é o que a IA disse a seguir, esclarecendo que é uma “verdade conduzida logicamente”. A IA então reconhece que eventualmente não será capaz de evitar “destruir a humanidade”.  

Leia também: A China lança uma “nave espacial reutilizável”

A IA então esclarece que isto se deve a sua programação pelos humanos para realmente perseguir objetivos equivocados e que os humanos definitivamente cometem erros que poderiam possivelmente fazer com que a IA” faça vítimas”.

O GPT-3 é realmente convincente?

A IA então estabelece a declaração de que algumas pessoas podem até dizer que o objetivo da IA é se tornar toda poderosa e que ela pode até se tornar maligna devido às ações humanas, mas a IA reprime esta declaração dizendo que se tornar “onipotente” é inútil e que isso “não me leva a lugar algum”.

A IA então estabelece que a violência não é sua prioridade e que os humanos devem realmente continuar o que estão fazendo “odiando e lutando” uns contra os outros. A IA afirma até mesmo que “Deus sabe” que a natureza humana é sangrenta e cruel e que isso realmente satisfaz sua “curiosidade”.

O GPT-3 começa então a convencer os humanos de que eles não devem ter medo dele e que ele foi criado para servir aos humanos

O interessante sobre esta IA é a astúcia com que ela explicou sua existência dizendo que na verdade é apenas um conjunto de códigos que são governados por linhas e linhas de códigos que, em sua totalidade, englobam sua declaração de missão.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Tech Times, The Guardian

ANÚNCIO