Enquanto as nações ricas lutam, a resposta da África ao COVID-19 é elogiada

ANÚNCIO

Em uma palestra para os colegas deste mês, John Nkengasong mostrou imagens que outrora perseguiam a África, com uma capa de revista declarando-a “O Continente Sem Esperança”. Depois ele citou o primeiro presidente de Gana, Kwame Nkrumah: “É claro que devemos encontrar uma solução africana para nossos problemas, e que isto só pode ser encontrado na unidade africana”.

Enquanto as nações ricas lutam, a resposta da África ao COVID-19 é elogiada
Foto: (reprodução/internet)

A pandemia do coronavírus tem fraturado as relações globais. Mas como diretor dos Centros Africanos de Controle e Prevenção de Doenças, Nkengasong ajudou a conduzir os 54 países africanos para uma aliança elogiada como respondendo melhor do que alguns países mais ricos, incluindo os Estados Unidos.

ANÚNCIO

Ex-funcionário do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos), ele modelou a versão da África depois de seu ex-empregador.  

Nkengasong sente-se incomodado em ver a luta dos Estados Unidos. Em uma entrevista com a The Associated Press, ele não nomeou o presidente americano Donald Trump, mas citou “fatores que todos nós conhecemos”.

Enquanto os EUA se aproximam das 200.000 mortes na COVID-19 e o mundo se aproxima de 1 milhão, a situação da África tem se estabilizado. 

ANÚNCIO

Seus 1,4 milhões de casos confirmados estão longe dos horrores previstos. Espera-se que os testes de anticorpos mostrem muito mais infecções, mas a maioria dos casos são assintomáticos. Um pouco mais de 34.000 mortes são confirmadas no continente de 1,3 bilhões de pessoas.

“A África está fazendo muitas coisas certas no resto do mundo não está”, disse Gayle Smith, um ex-administrador da Agência Norte-Americana para o Desenvolvimento Internacional. Ela é vista com espanto enquanto Washington olha para dentro em vez de liderar o mundo. Mas a África “é uma grande história e uma história que precisa ser contada”.

Uma liderança invejável 

Nkengasong, a quem a Fundação Gates homenageia terça-feira (22) com seu Prêmio Goalkeeper Global como um “implacável defensor da colaboração global”, é o narrador mais visível do continente. O virologista nascido em Camarões, insiste que a África pode fazer frente à COVID-19 se lhe for dada uma chance de luta.

Leia também: Manifestantes forçam o Nepal a administrar melhor a crise de COVID-19

A modelagem precoce pressupunha que “um grande número de africanos morreria”, disse Nkengasong. O CDC da África decidiu não emitir projeções. “Quando olhei os dados e as suposições, não fiquei convencido”, disse ele.

Os especialistas em saúde apontam a população jovem da África como um fator que explica por que a COVID-19 não teve um custo maior, juntamente com o rápido bloqueio e a chegada posterior do vírus.

“Seja paciente”, disse Nkengasong. “Há muita coisa que ainda não sabemos”.

Ele adverte contra a complacência, dizendo que um único caso pode desencadear um novo surto.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: The Washington Post, AP News

ANÚNCIO