Estudos mostram que molécula em veneno de abelha destrói células de câncer de mama

ANÚNCIO

Embora muitos de nós tenhamos vivenciado encontros dolorosos com a pontinha de uma abelha, suas armas podem ser mais do que um simples incômodo. Um novo estudo de laboratório mostra que uma molécula encontrada no veneno da abelha pode suprimir o crescimento de células cancerosas.

Estudos mostram que molécula em veneno de abelha destrói células de câncer de mama
Foto: (reprodução/internet)

O estudo focalizou certos subtipos de câncer de mama, incluindo o câncer de mama tri-negativo (TNBC), que é uma condição extremamente agressiva com opções de tratamento limitadas.

ANÚNCIO

O TNBC é responsável por até 15% de todos os cânceres de mama. Em muitos casos, suas células produzem mais de uma molécula chamada EGFR, do que a observada nas células normais. As tentativas anteriores de desenvolver tratamentos que visavam especificamente esta molécula não funcionaram, pois também afetariam negativamente as células saudáveis.

O veneno da abelha (Apis mellifera) tem mostrado potencial em outras terapias médicas, como o tratamento de eczema, e é conhecido há algum tempo por ter propriedades antitumorais, incluindo o melanoma. Mas como ele funciona contra tumores a nível molecular não é totalmente compreendido. Agora, demos um enorme passo para nos aproximarmos da resposta.

As abelhas realmente usam melitina – a molécula que compõe metade de seu veneno e torna suas picadas realmente dolorosas – para lutar contra seus próprios patógenos. Os insetos produzem este peptídeo não apenas em seu veneno, mas também em outros tecidos, onde ele é manifestado em resposta a infecções.

ANÚNCIO

O que uma pesquisa pode fazer pela humanidade

Com sua visão sobre esta poderosa molécula, os pesquisadores submeteram células cancerosas cultivadas em laboratório e células normais ao veneno das abelhas da Irlanda, Inglaterra e Austrália, e ao veneno das abelhas (Bombus terrestris) da Inglaterra.

Eles encontraram o veneno da abelha – que não contém melitina, mas tem outros potenciais assassinos de células – teve pouco efeito sobre as células cancerosas da mama, mas o veneno da abelha de todos os locais fez a diferença.

“O veneno era extremamente potente”, disse a pesquisadora médica Ciara Duffy do Instituto Harry Perkins de Pesquisa Médica. “Descobrimos que a melitina pode destruir completamente as membranas das células cancerígenas em 60 minutos”.

Quando a melitina foi bloqueada com um anticorpo, as células cancerígenas expostas ao veneno da abelha sobreviveram – mostrando que a melitina era de fato o componente venenoso responsável pelos resultados dos testes anteriores.

Estudos mostram que molécula em veneno de abelha destrói células de câncer de mama
Foto: (reprodução/ Getty Images/Science Photo Library)

A melhor parte: a melitina teve pouco impacto nas células normais, visando especificamente as células que produziram muito EGFR e HER2 (outra molécula excessivamente produzida por alguns tipos de câncer de mama); ela até mexeu com a capacidade de replicação das células cancerígenas.

“Este estudo demonstra como a melitina interfere nas vias de sinalização dentro das células cancerígenas da mama para reduzir a replicação celular”, disse o cientista chefe da Austrália Ocidental Peter Klinken, que não estava envolvido neste estudo.

Uma descoberta esperançosa

Levando suas conclusões ainda mais longe, a equipe de pesquisa também produziu uma versão sintética da melitina, para ver como ela se comportaria em comparação com o negócio real.

“Descobrimos que o produto sintético espelhava a maioria dos efeitos anticancerígenos do veneno das abelhas”, disse Duffy.

Duffy e sua equipe testaram então a ação da melitina emparelhada com os medicamentos de quimioterapia em ratos. O tratamento experimental reduziu os níveis de uma molécula que as células cancerosas usam para evitar a detecção pelo sistema imunológico.

Leia também: Alimentos processados aceleram envelhecimento celular

“Descobrimos que a melitina pode ser usada com pequenas moléculas ou quimioterápicos, como o docetaxel, para tratar tipos altamente agressivos de câncer de mama”, explicou Duffy. “A combinação de melitina e docetaxel foi extremamente eficiente na redução do crescimento do tumor em camundongos”.

A hiperexpressão de EGFR e HER2 também é observada em outros tipos de cânceres, como o câncer de pulmão, e estes resultados sugerem que eles também podem ser alvos potenciais para a melitina.

É claro que muitas coisas podem matar uma célula cancerígena em uma placa de Petri, e os pesquisadores advertem que ainda há um longo caminho a percorrer antes que esta molécula de veneno de abelha possa ser potencialmente usada como tratamento em humanos.

“Estudos futuros para avaliar formalmente as toxidades e doses máximas toleradas destes peptídeos serão necessários antes dos testes em humanos”, escreveram eles em seu artigo.

Mas esta arma fornece outro incrível exemplo de produtos químicos encontrados na natureza que poderiam se revelar úteis também para doenças humanas. Entretanto, devemos lembrar que – como tantas outras criaturas – as abelhas estão enfrentando ameaças significativas à sua própria saúde, com um risco de extinção.

Esta pesquisa foi publicada na Nature Precision Oncology.

Traduzido e adaptado por equipe Revolucao.etc.br

Fontes: Science Alert, Nature Precision Oncology, Harry Perkins Institute of Medical Research

 

ANÚNCIO