A indústria de viagens não sobreviverá à COVID-19 sem uma mudança radical

ANÚNCIO

“As viagens, portanto, moldaram profundamente a moderna economia no mundo todo. No entanto, para muitos agentes e operadores turísticos, a situação poderá em breve provar ser pior que aparenta.”, diz Ali Shah ,CEO do site de viagens TravelUp.

A indústria de viagens não sobreviverá à COVID-19 sem uma mudança radical
Foto: (reprodução/Felipe Menezes Fotografia)

“Para muitos agentes e operadores turísticos, a situação pode em breve se tornar terminal. A Associação Internacional de Transporte Aéreo já revisou sua previsão de recuperação por mais um ano, até 2024, e mais de 90.000 trabalhadores de viagens perderam seus empregos ou correm o risco de serem demitidos.”

ANÚNCIO

 “As regras de quarentena stop-start, combinadas com o baixo número de passageiros, inevitavelmente gerarão mais dezenas de milhares de perdas.”

“Naturalmente, administrar uma pandemia não é tarefa fácil para o governo, e a indústria de viagens deve assumir alguma responsabilidade na adaptação à nova realidade. Muitas empresas têm enfrentado esta missão de maneira antecipada, reestruturando drasticamente seus negócios e proporcionando aos clientes mais apoio e flexibilidade.”

“No entanto, até agora isto não provou ser suficiente para preservar a indústria de viagens em dificuldade. Muitos passageiros ainda estão enfrentando atrasos frustrantes com reembolsos, e os agentes de viagem têm se encontrado em uma batalha contínua tentando recuperar o dinheiro dos clientes por voos cancelados.”

ANÚNCIO

Soluções possíveis, prejuízo inestimável 

“Mais de 100 companhias aéreas impediram os agentes de solicitar reembolsos da maneira normal – e introduziram processos mais difíceis e demorados. Muitos desses reembolsos mais complicados ainda estão pendentes e permanecem à mercê das companhias aéreas.”

Se quisermos recuperar a confiança do consumidor em viajar, é hora de os passageiros sentirem que o governo, as empresas de viagem e as companhias aéreas estão do seu lado.”

“Além de avisos e orientações mais claras sobre regras de quarentena e direitos do consumidor, os ministros do governo e a Autoridade de Aviação Civil (CAA), precisam considerar uma reformulação drástica da maneira como o setor opera. Precisamos oferecer flexibilidade como nunca e confiar que as pessoas manterão a fé nas viagens.”

Leia também: COVID-19 devasta a indústria do turismo e prejuízo é estimado em bilhões

“A proposta da CAA introduzir um novo sistema, em associação com a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), pelo qual o dinheiro só é transferido para a companhia aérea relevante uma vez que o voo tenha partido. Isto permitiria que o dinheiro fosse devolvido facilmente se o voo não partisse.”

“Este novo sistema replicaria o que acontece em outras áreas do setor, e esquemas similares têm mostrado funcionar para consórcios de viagens.”

O lockdown deu a cada setor uma chance de reavaliar como funciona com um momento de pausa. Quando se trata de viagens, devemos continuar fazendo campanha pela mudança necessária para que possamos nos adaptar e aprender a viver com este vírus, e talvez deixar alguma mudança positiva duradoura no setor de viagens.”

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fonte: Independent

 

 

 

ANÚNCIO