Finlândia coloca cães farejadores de coronavírus no aeroporto

ANÚNCIO

A Finlândia colocou cães farejadores de coronavírus no principal aeroporto internacional do país, em um teste de quatro meses de um método de teste alternativo que poderia se tornar uma maneira rápida e econômica de identificar os viajantes infectados.

Finlândia coloca cães farejadores de coronavírus no aeroporto
Foto:(reprodução/Antti Aimo-Koivisto)

Quatro cães de diferentes raças treinados pela Associação Finlandesa de Detecção do Odor começaram a trabalhar na quarta-feira (23) no aeroporto de Helsinki como parte do teste financiado pelo governo.

ANÚNCIO

“É um método muito promissor”. Os cães são muito bons em farejar”, disse Anna Hielm-Bjorkman, professora de medicina equina e de pequenos animais da Universidade de Helsinki.

“Se funcionar, será um bom método de triagem (coronavírus) em qualquer outro lugar”, disse ela, listando hospitais, portos, lares de idosos, locais esportivos e eventos culturais entre os possíveis locais onde cães treinados poderiam colocar seus focinhos para trabalhar.

Enquanto pesquisadores em vários países, incluindo Austrália, França, Alemanha e Estados Unidos, também estão estudando os caninos como detectores de coronavírus, o teste finlandês está entre os maiores até agora.

ANÚNCIO

Hielm-Bjorkman disse à The Associated Press que a Finlândia é o segundo país após os Emirados Árabes Unidos – e o primeiro na Europa – a designar cães para farejar o coronavírus. Um programa semelhante teve início no Aeroporto Internacional de Dubai durante o verão.

Como o método funciona

Os passageiros que concordam em fazer um teste gratuito sob o programa voluntário em Helsinque não têm contato físico direto com um cão.

Eles são solicitados a passar a pele com uma toalha que depois é colocada em um frasco e dada a um cão que espera em um estande separado. Os animais participantes – ET, Kossi, Miina e Valo – foram previamente submetidos a treinamento para detectar câncer, diabetes ou outras doenças.

O cão leva apenas 10 segundos para farejar as amostras do vírus antes de dar o resultado do teste, coçando uma pata, deitando, ladrando ou fazendo com que sua conclusão seja conhecida. 

O processo deve ser concluído em um minuto, de acordo com Hielm-Bjorkman.

Leia também: Enquanto as nações ricas lutam, a resposta da África ao COVID-19 é elogiada

Se o resultado for positivo, o passageiro é instado a tomar uma reação padrão de polimerase em cadeia, ou PCR, teste de coronavírus, para verificar a precisão do cão.

Timo Aronkyto, o vice-prefeito de Vantaa, a capital da região onde o aeroporto está localizado, disse que o programa está custando 300.000 euros (1.943 milhões de reais) – uma quantia que ele chamou de “notavelmente menor” do que para outros métodos de testes em massa que chegam passageiros.

Os quatro cães farejadores estão prontos para trabalhar no aeroporto em turnos, com dois de plantão de cada vez, enquanto os outros dois têm uma pausa.

“Os cães precisam descansar de vez em quando. Se o cheiro for fácil, não desgastará muito o cão. Mas se houver muitos cheiros novos ao redor, os cães se cansam mais facilmente”, disse Anette Kare, da Associação Finlandesa de Detecção de Cheiro.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: AP News, Twitter

ANÚNCIO