O Facebook vai proibir anúncios que alegam vitória eleitoral nos EUA

ANÚNCIO

A plataforma social já disse que rejeitaria anúncios políticos alegando uma vitória prematura.

O Facebook vai proibir anúncios que alegam vitória eleitoral nos EUA
Foto: (reprodução/internet)

O Facebook proibirá os anúncios que alegam erroneamente a vitória na corrida presidencial dos EUA. A notícia chega uma semana depois que a empresa anunciou que rejeitaria anúncios de Donald Trump ou Joe Biden alegando uma vitória prematura no dia 3 de novembro.

ANÚNCIO

A política abrange anúncios que reivindicam formas legais de votação – como a votação por correio – corromperá o resultado da eleição. Ela também proíbe anúncios que alegam fraude eleitoral desenfreada poderia alterar os resultados da eleição.

Esta é uma preocupação real para a corrida eleitoral de 2020. Devido à votação por correio, espera-se que o processo eleitoral demore mais do que em anos passados, e os resultados oficiais provavelmente não serão anunciados em 3 de novembro. 

Leia também: Facebook diz restringir o conteúdo para acabar com violência nas Eleições nos EUA

ANÚNCIO

Os especialistas se preocupam que, como se espera que mais democratas votem por correio do que republicanos, Trump poderia declarar uma vitória antecipada e, em seguida, semear dúvidas sobre os resultados à medida que mais votos de Biden forem entrando no sistema.

O Google provavelmente tinha isto em mente na semana passada quando anunciou que proibiria anúncios eleitorais após o encerramento das urnas em 3 de novembro.

Da mesma forma, o Facebook está procurando limitar a disseminação de informações errôneas sobre o voto com políticas de anúncios visando as eleições de 2020. Ele já proibiu novos anúncios políticos na semana anterior às eleições. Agora também está olhando para além das eleições.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: The Verge, The New York Times

ANÚNCIO