Facebook entra no mundo dos jogos – e em outra disputa com a Apple

ANÚNCIO

O Facebook logo será o último gigante tecnológico a entrar no mundo dos jogos nas nuvens.  Sua abordagem é diferente do que a Microsoft ou o Google construíram, mas o Facebook destaca um desafio central compartilhado: lidar com a Apple.

Facebook entra no mundo dos jogos - e em outra disputa com a Apple
Foto: (reprodução/internet)

O Facebook não está construindo um console de jogos concorrente para competir com Stadia ou xCloud, em vez disso, o foco está totalmente nos jogos. Por que fazer jogos em nuvem que seu dispositivo já é capaz de rodar?

ANÚNCIO

O objetivo do Facebook é colocar os usuários em jogos mais rapidamente e colocar menos atrito entre um usuário que vê um anúncio de um jogo e o joga de fato. Os usuários podem acessar rapidamente o título sem baixar nada e, se eventualmente optarem por baixar o título de uma loja de aplicativos móveis, eles serão capazes de retomar de onde pararam.

O serviço do Facebook será lançado na web desktop e Android, mas não no iOS, já que o Facebook enquadra como restrições de usabilidade descritas nos termos e condições da loja de aplicativos da Apple.

Embora a Apple tenha sofrido uma série de críticas em 2020 por parte dos desenvolvedores de aplicativos importantes como Spotify, Tinder e Fortnite por quanto dinheiro eles recebem como um corte nas receitas dos aplicativos baixados da App Store.

ANÚNCIO

As dificuldades das empresas que pretendem construir plataformas de jogos em nuvem têm sido mais matizadas e estão ligadas à forma como essas plataformas são fundamentalmente autorizadas a operar nos dispositivos Apple.

A saga Apple

A Apple foi inicialmente lenta em fornecer um caminho para os aplicativos de jogos em nuvem do Google e da Microsoft, que anteriormente tinham sido proibidos na App Store.

O fabricante do iPhone atualizou recentemente suas políticas para permitir que estes aplicativos existissem, mas em uma capacidade mais complicada do que os fabricantes da plataforma esperavam, forçando-os a enviar os usuários primeiro para a App Store antes de serem capazes de transmitir um título de jogo em nuvem em sua plataforma.

Leia também: Facebook Reality Labs: Nova tecnologia que permite ‘detectar’ as mãos na realidade virtual

Para um usuário que faz o download de um longo épico de console para um único jogador, o curto ‘pitstop’ é um inconveniente, mas o executivo de jogos do Facebook Jason Rubin diz que as estipulações são um não iniciante para o que a plataforma do Facebook prevê, uma forma de começar a jogar jogos móveis imediatamente sem fazer o download de nada.

“É uma série de obstáculos que, juntos, fazem uma má experiência para o consumidor”, diz Rubin à TechCrunch.

A Apple diz ao site TechCrunch que eles continuaram a se envolver com o Facebook para colocar seus esforços de jogos sob suas diretrizes e que as plataformas podem chegar ao iOS, submetendo cada jogo à App Store para revisão ou operando seu serviço no Safari.

Facebook assumindo o mercado?

Em termos de construção da nova plataforma na web móvel, Rubin diz que sem poder apontar os usuários de seu aplicativo iOS para experiências baseadas em navegador, como as regras atuais proíbem, o Facebook não vê empurrar seus bilhões de usuários para acessar o serviço principalmente a partir de um navegador como uma alternativa razoável.

Leia mais: Facebook Dating: App de namoro do Facebook chega após meses de atraso

Em uma chamada Zoom, Rubin demonstra como isto poderia operar no iOS, com usuários tocando um anúncio dentro do aplicativo e sendo redirecionado para uma experiência de jogo no Safari.

“Mas se eu clicar nisso, não posso ir para a web. A Apple diz: ‘Não, não, não, não, não, você não pode fazer isso’, Rubin diz em entrevista com a Tech Crunch.

“A Apple pode dizer que é uma web livre e aberta, mas o que você pode realmente construir sobre essa web é ditado pelo que eles decidem colocar em sua funcionalidade principal”.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fonte: Tech Crunch

ANÚNCIO