Escândalo com o HSBC revela 2 trilhões de dólares de dinheiro ilegal em seus sistemas

ANÚNCIO

Cinco dos maiores bancos do mundo estão envolvidos num enorme escândalo que questiona sua integridade e possível envolvimento nos 2 trilhões de dólares que serão movimentados em seus sistemas, ilegalmente, liderados por criminosos e fraudadores que envolvem até mesmo alguns bilionários em todo o mundo. 

Escândalo com o HSBC revela 2 trilhões de dólares de dinheiro ilegal em seus sistemas
Foto: (reprodução/internet)

A investigação liderada por organizações internacionais é chamada de “histórica” e considerada um relatório tardio por vários desses bancos.

ANÚNCIO

O maior banco do Reino Unido, HSBC, juntamente com Barclays, Deutsche Bank, Standard Chartered, JP Morgan e Bank of New York Mellon, são os notórios cinco que permitiram que dinheiro sujo e ilegal passasse e ficasse em seus sistemas.

O Daily Mail informa que estes bancos estão até mesmo cientes da situação e das atividades ilegais, mas foram muito lentos para lidar com o caso e agir de acordo para parar as transações. As transações resultaram em um valor de dois trilhões de dólares em transações ilegais das quais os criminosos se aproveitaram.

O Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo (ICIJ), juntamente com o BuzzFeed News, divulgou pela primeira vez os dossiês e documentos bancários que relataram as atividades criminosas. O vazamento foi distribuído a 108 empresas e organizações de notícias, o que depois levou ao conhecimento público.

ANÚNCIO

Os arquivos do FinCEN (Rede de Combate a Crimes Financeiros) do governo dos EUA também fizeram parte do vazamento que desvendou o enorme escândalo dentro dos cinco bancos, incluindo várias empresas bancárias sediadas nos Estados Unidos. 

Os bancos supostamente permitem as transações sujas e os lucros delas decorrentes, apesar da ilegalidade do ato.

O FinCEN relaciona cinco bancos em um escândalo ilegal

O HSBC está no lugar mais destacado entre os cinco bancos por causa de sua participação maciça e atividade nas transações ilegais, que funcionaram dentro dos sistemas da empresa. 

O banco sediado no Reino Unido continuou a transferir fundos para Hong Kong apesar do aviso do governo de um esquema de pirâmide Ponzi em potencial no valor de mais de 80 milhões de dólares.

A ação que o HSBC tomou já levou a perdas significativas de milhões para a empresa. O HSBC também diz que a reivindicação e o relatório do ICIJ são todos “históricos” e uma questão passada, implicando que não se aplica mais à empresa. Apesar disso, o HSBC ainda enfrenta uma enorme questão quanto à sua integridade e imagem como uma empresa bancária.

Por outro lado, o ICIJ relata que o maior banco dos Estados Unidos, o JP Morgan, se vinculou a um escândalo de lavagem em massa que movimentou dinheiro para pessoas e empresas que saquearam fundos públicos na Malásia, Venezuela e Ucrânia.

Os arquivos do FinCEN revelam várias personalidades conhecidas na lista que participaram do escândalo de lavagem de dinheiro

O amigo íntimo de Vladimir Putin, o bilionário Arkady Rotenberg, chega a fazer a lista, usando o Barclays London como banco escolhido para movimentar ilegalmente seu dinheiro.

Por que as autoridades não podem perseguir os grandes bancos?

Os cinco bancos, com duas empresas sendo as maiores de seus países, estão enfrentando controvérsias e escândalos que questionam a legitimidade de suas operações e sua participação no dinheiro público. Apesar das enormes questões que surgem, vem à mente a pergunta sobre as medidas que as autoridades tomam.

As autoridades dos Estados Unidos que monitoram e aplicam a lei sobre esta questão raramente vão atrás de bancos tão conhecidos e poderosos como os cinco bancos da lista. 

Leia também: Reino Unido exige investigação sobre eleições na Bielorrússia

As ações e perseguições das autoridades de aplicação da lei têm um pequeno efeito sobre os danos e a quantidade de dinheiro perdido nas transações.

O HSBC, o JP Morgan, juntamente com os outros cinco bancos, estiveram envolvidos em escândalos consideráveis no passado, onde prometeram melhorar suas ações e operações.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Tech Times, ICIJ, Buzznews

ANÚNCIO