Eleitores querem ” bloqueio das mídias sociais”, antes das eleições de 2020

ANÚNCIO

Uma semana antes das eleições americanas de 3 de novembro de 2020, a pesquisa diz que a maioria dos americanos quer um “apagão total da mídia social”. Isso se deve a vários casos de notícias falsas e desinformação na maioria das plataformas de mídia.

Eleitores querem
Foto: (reprodução/internet)

Uma nova pesquisa da GQR mostra que 52% dos eleitores americanos apoiam o fechamento das plataformas de mídia social mais utilizadas em todo o país, uma semana antes do início das eleições americanas de 2020.

ANÚNCIO

Eleições dos EUA em 2020: O que acontecerá com as mídias sociais?

Isto inclui o Facebook, Twitter, Instagram e outras plataformas. A pesquisa questionou pelo menos 1.000 eleitores registrados em setembro, incluindo 54% de democratas e 51% de republicanos.

Como diz a pesquisa, 62% não estão confiantes de que as plataformas de mídia social possam evitar a desinformação. Enquanto isso, 91% acham que as plataformas de mídia social deveriam fazer mais para evitar sua disseminação.

“Há um nível bastante assombroso de preocupação com o quão mal preparadas as plataformas de mídia social estão para esta eleição”. 

ANÚNCIO

A maioria dos eleitores disse : “Não me importo, bloqueie tudo”. Isso não quer dizer que devamos fazer isso, mas envia uma mensagem clara ao Vale do Silício de que eles precisam dar um passo à frente”, Jesse Lehrich, fundador da Accountable Tech, plataforma de pesquisas.

Além das técnicas de sinalização das plataformas, 82% dos comissários de pesquisas também apoiam a colocação de etiquetas de advertência nas contas espalhando informações falsas sobre o voto, e 85% apoiam o bloqueio de posts que exijam violência ou a divulgação de informações errôneas sobre as eleições.

Facebook – a plataforma mais duvidosa?

Curiosamente, o Facebook tem as opiniões mais desfavoráveis do que outras plataformas de mídia social, com uma taxa de 52%. A maioria dos participantes da pesquisa expressou seu desânimo com a plataforma, dizendo que ela é a fonte de notícias menos confiável de todas elas.

Um estudo de 2018 também sugere que o Facebook estava “entre os três sites anteriores visitados pelos entrevistados nos 30 segundos anteriores para 22,1% dos artigos de sites de notícias falsas que observamos em nossos dados da web”. Apenas 6% dos artigos de notícias reais foram vistos na plataforma.

Leia mais: Facebook diz restringir o conteúdo para acabar com violência nas Eleições nos EUA

Em relação às Eleições Presidenciais anteriores, The Guardian também escreveu um artigo intitulado “O fracasso do Facebook”: Notícias falsas e políticas polarizadas elegeram Trump”, sugerindo que o alcance da plataforma se tornou a arma secreta de Trump para vencer.

O CEO do Facebook Mark Zuckerberg, no entanto, apenas disse que sua empresa fará mais ajustes no futuro sobre as acusações. 

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Tech Times, The Guardian, NPR, Axios

ANÚNCIO