Coréia do Norte vai “atirar em qualquer um para impedir a propagação de COVID-19”

ANÚNCIO

A nova política de segurança diz que as tropas norte-coreanas podem atirar “para matar qualquer um perto da fronteira chinesa para impedir a propagação da Covid-19”.

Coréia do Norte vai "atirar em qualquer um para impedir a propagação de COVID-19" 5
Foto: (reprodução/internet)

Até recentemente, as autoridades da Coréia do Norte negavam ter qualquer caso de COVID-19 no país, mas em uma reviravolta no mês passado, o ditador Kim Jong-un admitiu que “poderia ter entrado” no país mesmo assim.

ANÚNCIO

Ao que se sabe, o implacável Kim Jong-un ordenou às tropas norte-coreanas que atirassem em qualquer pessoa que se aproxime da fronteira do país com a China para evitar a propagação do coronavírus.

Isso vem depois que o ditador recuou nas alegações de que seu país está totalmente preservado pelo surto global que já matou milhares de pessoas no mundo todo.

Foram enviadas instruções para atirar em qualquer pessoa que vá a um quilômetro da fronteira com a China, de acordo com relatórios.

ANÚNCIO

O movimento draconiano foi feito apesar de Jong-un afirmar anteriormente que a Coréia do Norte está livre da COVID-19 – e ele não está preocupado com a pandemia.

Mas ele aceitou no mês passado que “poderia ter entrado” no país apesar de tudo.

A “segurança” na Coréia do Norte

Notícias sobre a política supostamente adotada foram relatadas pela Radio Free Asia de várias fontes dentro da Coréia do Norte.

Um residente da província de Hamgyong do país disse que lhes foi dito que a política “estará em vigor ao longo de toda a fronteira da Coréia do Norte-China até o fim da pandemia de coronavírus”.

Eles explicaram: “A polícia da cidade de Hoeryong emitiu um aviso de emergência do Ministério da Segurança Social, dizendo que matariam qualquer pessoa dentro de um quilômetro da fronteira entre a Coréia do Norte e a China, independentemente de sua razão de estar lá.

“Depois de anunciar a declaração, o departamento de polícia disse ao público, ‘O coronavírus se espalhou por todos os lugares, exceto em nosso país, portanto o inimigo está tentando se infiltrar na fronteira, enviando o vírus através dela’.

“Eles enfatizaram a necessidade de conscientizar os residentes da área de fronteira e estabelecer um sistema para denunciar os estranhos e as atividades do inimigo”.

A proibição se aplica a toda a fronteira norte-coreana/chinesa de 1416,22km que se estende por quatro províncias.

Declarações suspeitas e uma decisão radical

Enquanto a Coréia do Norte não declarou oficialmente nenhum caso Covid-19 no mês passado, a cidade de Kaesong, na Coréia do Norte, foi isolada por três semanas após um caso suspeito ter sido detectado.

Kim Jong-un declarou uma emergência nacional e proibiu as viagens entre províncias.

Mais medidas de isolamento foram impostas em todo o país depois que um homem alegou ter sintomas de coronavírus, mas de acordo com a Organização Mundial da Saúde, seus resultados foram inconclusivos.

Coréia do Norte vai "atirar em qualquer um para impedir a propagação de COVID-19" 6
Foto: (reprodução/internet)

De acordo com a fonte policial, perto da fronteira, foram enviadas munições adicionais para ajudar a aplicar a nova política.

A fonte também acrescentou: “Eles estão até mesmo dizendo que ninguém será responsabilizado por mortes por tiros que ocorram dentro de um quilômetro da área da fronteira”.

Uma fonte militar norte-coreana também confirmou a nova política para a Radio Free Asia.

Eles disseram: “Por volta das 17h do dia 25, um telegrama urgente do Comando Supremo chegou dizendo aos militares para matar qualquer pessoa dentro de um quilômetro da fronteira, independentemente do motivo.

“A mensagem de emergência entra em vigor a partir da meia-noite do dia 26”, disse a segunda fonte.

“A ordem de emergência estipula que os soldados em serviço na fronteira deixarão para trás suas balas de festim e carregarão apenas munições verdadeiras”.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Mirror.co.uk, Radio Free Asia

 

ANÚNCIO