Cientistas da Universidade de Hong Kong desmantem alegações que COVID-19 foi “feita pelo homem”

ANÚNCIO

Em um artigo da SCMP  de 12 de julho de 2020, a própria universidade de Hong Kong já havia sido descartada como “rumor” e também se distanciou das alegações feitas por uma virologista que anteriormente  afirmou que Pequim realmente encobriu todo o surto de coronavírus em dezembro.

Cientistas da Universidade de Hong Kong desmantem alegações que COVID-19 foi "feita pelo homem" 3
Foto: (reprodução/internet)

Li-MengYan , que estava trabalhando como pós-doutoranda na  faculdade de saúde pública da Universidade de Hong Kong, deu a notícia em uma entrevista à Fox News de que a própria HKU havia falhado em agir de acordo com suas declarações anteriores de que o vírus poderia eventualmente se espalhar entre humanos.

ANÚNCIO

A virologista tinha afirmações antes que a pandemia eclodisse

A virologista disse então que ela havia descoberto certas evidências de que as próprias autoridades chinesas estavam bem cientes da transmissão de humano para humano do conhecido coronavírus no final de dezembro, o que ela disse anteriormente que havia passado para seus superiores na universidade, mas foi então solicitada a manter esse conhecimento em segredo

A HKU porém, confirmou que Yan era uma pós-doutoranda que havia anteriormente saído da universidade.

De acordo com a notícia, HKU notou que o conteúdo da reportagem não está de acordo com todos os fatos, como eles entenderam. 

ANÚNCIO

Também foi declarado que eles observaram que o que ela poderia ter enfatizado na entrevista relatada anteriormente na verdade não tem base científica real, mas assemelha-se muito a rumores.

A HKU também esclareceu que Yan não conduziu pesquisas sobre este tópico na universidade de dezembro a janeiro.

A descoberta perigosa foi pedida para ser mantida em segredo

Yan declarou recentemente que ela foi uma das primeiras cientistas do mundo a estudar o recente vírus desde o final de dezembro, quando seu próprio supervisor, o professor Leo Poom Lit-man, o conhecido chefe de departamento da faculdade HKU, lhe pediu para investigar secretamente os desenvolvimentos em toda a China continental.

Ela obteve anteriormente em 31 de dezembro o que então chamou de informações particulares em primeira mão de um conhecido amigo cientista que trabalhava para o Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, que na verdade afirmava que de fato havia uma transição de humano para humano devido à existência conhecida de grupos dentro de diferentes famílias.

Leia também: China força residentes com medicina tradicional e repreende minorias

Yan alegou então que quando ela realmente contou à Poon sobre a possível transmissão de humano para humano, ele então procedeu para pedir que ela ficasse em silêncio e também tivesse cuidado. 

A professora Yuen Kwok-yung informou então a ministra da saúde conhecida como Sophia Chan Siu-chee sobre o surto em Wuhan.

A declaração incluía um aviso de que seu potencial pandêmico poderia ser bastante semelhante ao de Sars, que também foi transmitido entre seres humanos. A possibilidade desta transmissão entre seres humanos já havia sido discutida anteriormente por pesquisadores do outro lado da fronteira até então, mas ainda não havia confirmação oficial.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fontes: Tech Times, Fox News, HKU News, SCMP,

ANÚNCIO