China promete chocante meta de emissão de carbono zero

ANÚNCIO

O Presidente Xi Jinping pegou de surpresa a Assembléia Geral das Nações Unidas na terça-feira com uma promessa ambiciosa.

China promete chocante meta de emissão de carbono zero
Foto: (reprodução/CGTN)

“Nosso objetivo é atingir o pico de emissões de CO2 antes de 2030 e atingir a neutralidade de carbono antes de 2060”, disse ele aos líderes na reunião anual, que está ocorrendo em grande parte praticamente devido à pandemia do coronavírus.

ANÚNCIO

“A humanidade não pode mais ignorar os repetidos avisos da natureza”, disse Xi.

Sua promessa pode vir a ser um momento decisivo na crise climática global: A primeira vez que a China, o maior emissor do mundo, se comprometeu a parar de acrescentar ao aquecimento global que está empurrando o planeta para uma catástrofe irreversível.

“É profundamente significativo que o líder do maior país do mundo, e também o maior emissor de gases de efeito estufa, tenha colocado um fim à era do petróleo, carvão e gás”, disse ao The Independent o ex-governador da Califórnia Jerry Brown, presidente do Instituto do Clima Califórnia-China.

ANÚNCIO

“Este é um marco para outras nações considerarem, e tentarem não só emular, mas ir além”.

A chocante decisão da China

Os comentários de Xi pareceram após o discurso do Presidente Trump, onde ele criticou o histórico ambiental da China, e pediu que a ONU “os responsabilizasse” pelo surto da Covid-19

Trump também afirmou que os EUA reduziram suas emissões de carbono mais do que qualquer outro país do Acordo Climático de Paris.

Os EUA, como alguns outros grandes poluidores, Índia, Rússia, Irã, Arábia Saudita, Brasil e Austrália, não têm nenhuma meta de emissões desse tipo. O Sr. Trump, que chamou a mudança climática de “embuste”, está decidido a retirar-se do acordo de Paris se ganhar a reeleição em novembro.

Leia também: China força residentes com medicina tradicional e repreende minorias

Com a China, 30 países têm agora compromissos variáveis de neutralidade de carbono – o que significa a não liberação de carbono adicional para a atmosfera. No total, ele representa cerca de 43% das emissões mundiais de dióxido de carbono (CO2) provenientes da queima de combustíveis fósseis.

O compromisso de carbono de Xi também gerou alguma publicidade positiva para a China em um momento de crescente indignação internacional pela severa restrição dos direitos civis em Hong Kong, seguindo a lei de segurança nacional de Pequim, e as acusações generalizadas de detenções em massa e genocídio cultural contra muçulmanos na região de Xinjiang.

No passado, a China argumentou que, como uma economia em desenvolvimento, não deveria ser obrigada aos mesmos compromissos de redução que as nações desenvolvidas, como os Estados Unidos, Reino Unido e Europa, cujas décadas de poluição desenfreada impulsionaram o aquecimento global no século 20.

Mas a pressão internacional tem se desenvolvido sobre a China, que se comprometeu, sob o Acordo de Paris de 2016, a ter seu pico de emissões por volta de 2030. 

Leia mais: Facebook reforça compromissos climáticos para reduzir gases de efeito estufa

Os líderes da UE, que está se comprometendo com a neutralidade de carbono até 2050, instaram a China no início deste mês a apontar para 2060 ou enfrentar as tarifas de emissão de carbono.

A China queima cerca da metade do carvão utilizado globalmente a cada ano. Entre 2000 e 2018, suas emissões anuais de carbono quase triplicaram, e representa cerca de um terço do total mundial

O país também enfrentou uma desaceleração econômica, não atingindo uma meta de crescimento recente no início deste ano, observou o Bloomberg, e colocando a conservação de energia em segundo plano. 

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fonte: The Independent.uk, Bloomberg

ANÚNCIO