Califórnia registra uma das maiores temperaturas desde 1913

ANÚNCIO

Nesse último domingo (16) , o termômetro na cidade de Furnace Creek, localizada no estado americano da Califórnia, no Condado de Inyo no Vale da Morte, localizado nos desertos do sul da Califórnia, chegou aos 54 graus Celsius, de acordo com o Centro de Previsão do Tempo da NOAA.

Se confirmado, seria a temperatura mais quente registrada nos Estados Unidos desde 1913, e talvez a temperatura mais quente já registrada no mundo.

ANÚNCIO
Califórnia registra uma das maiores temperaturas desde 1913 1
Foto: (reprodução/internet)

A análise é apenas uma pequena parte de uma enorme, intensa e duradoura onda de calor que sufoca a Costa Oeste dos Estados Unidos e que continuará a piorar até terça-feira, segundo previsão.

A temperatura mais alta já registrada na Terra também foi observada no Vale da Morte – 56 graus Celsius em 1913. Entretanto, muitos especialistas afirmam que a leitura da temperatura, com várias outras temperaturas registradas naquele verão, foi provavelmente um erro do observador.

Em 1931, uma temperatura recorde para a África foi registrada na Tunísia, com 55 graus Celsius. No entanto, segundo o site Weather Undergroud, este registro, e muitos outros no continente africano, tem “sérios problemas de veracidade”.

ANÚNCIO

Devido a estas diferenças, os especialistas dizem que a temperatura mais quente jamais “confiável” registrada na Terra é de 54 graus Celsius, desde 2013 no Vale da Morte. Isto é, até agora.

Leia também: Incêndios na Califórnia provocam a COVID-19

Supondo que nenhuma irregularidade esteja aparente, essa análise de domingo provavelmente será aceita. Ao que parece, a previsão não é suspeita, mas se houver motivo para desconfiança, o Serviço Meteorológico Nacional ou a Sociedade Meteorológica Mundial podem escolher fazer uma reavaliação.

Califórnia registra uma das maiores temperaturas desde 1913 2
Foto: (reprodução/internet)

Onda de calor nos Estados Unidos

A atual onda de calor certamente não está limitada aos desertos. O calor que bate recordes se estende do Arizona ao estado de Washington.

Durante a próxima semana, espera-se que mais de 100 recordes de temperatura sejam ultrapassados. No sábado, várias cidades registraram as temperaturas mais altas de todos os tempos em agosto.

O pico da onda de calor será entre segunda e terça-feira, e então o calor diminuirá um pouco à medida que voltar para o sudoeste. Mas enquanto as temperaturas podem cair apenas alguns graus, o calor abrasador provavelmente continuará na Califórnia e no Sudoeste do país durante os próximos 10 dias.

Mapa das tendências de temperatura do verão nos EUA desde 1970
Foto: (reprodução/internet)

A cidade de Phoenix, no Arizona, está bem no meio desta onda de calor atual, mas mesmo antes disso estava excessivamente quente. Este verão já é o mais quente de que há registro para a cidade desértica. Até quinta-feira, espera-se que Phoenix veja seu 44º dia deste ano com pelo menos 44 graus Celsius. Isso quebra o recorde de 33 dias em 2011.

O aumento na temperatura ao longo dos anos

O calor abrasador está ajudando a acender e a espalhar vários incêndios no Ocidente. O tempo quente seca o ar e a escova, facilitando a ignição e a propagação dos incêndios. Desde 1972, houve um aumento de 8 vezes na extensão dos incêndios florestais de verão.

Um estudo recente da Universidade de Columbia, também nos Estados Unidos, descobriu que as condições secas no Ocidente também contribuíram para uma grande seca que vem ocorrendo desde o ano 2000, o que talvez seja uma das piores nos últimos 1200 anos.

Nas últimas décadas, as ondas de calor se tornaram mais intensas, de acordo com vários estudos.

Um estudo divulgado no início deste verão descobriu que desde 1950, as ondas de calor estão se tornando significativamente mais intensas, durando mais tempo e produzindo mais calor cumulativo – tornando as populações mais vulneráveis ao estresse térmico.

De acordo com a Climate Central, o oeste dos Estados Unidos está aquecendo, e hoje é a região mais quente de todas as regiões do país.

Algumas áreas aqueceram de 3 a 5 graus durante o verão apenas desde 1970 devido à mudança climática causada pelo homem. Isso significa que as ondas de calor começam em uma linha de base mais alta e as ondas de calor têm mais calor acumulado, empurrando as ondas de calor para território não cartografado.

Leia também: Google usa telefones Android para prevenir terremotos

Como resultado, Palm Springs, na Califórnia, agora tem em média 14 dias extras por verão com temperaturas elevadas de pelo menos 43 graus Celsius.

Os cientistas dizem que esta tendência de aquecimento continuará a se tornar mais intensa enquanto os gases de efeito estufa que retêm o calor continuarem a ser liberados através da queima de combustíveis fósseis.

De fato, os modelos computadorizados projetam que os dias de índice de calor acima de 100 graus no Texas triplicarão de 40 dias antes do ano 2000, para 130 dias até o final desse século.

 

Traduzido e adaptado por Revolução.etc.br

Fontes: CBS News, Wunderground, Twitter.

ANÚNCIO