Brasil sofre com tentativas de ataques cibernéticos em 2019

Em três meses, foram 15 bilhões de tentativas de ataques massivos aos brasileiros, segundo a Fortinet.

A Fortinet, empresa especialista em segurança cibernética, fez um estudo que colheu como resultado 15 milhões de tentativas de ataques cibernéticos a brasileiros. O dado mais assustador é que esse massivo volume de ataques ocorreu em apenas três meses, entre março e junho de 2019.

Brasil sofre com tentativas de ataques cibernéticos em 2019
Foto: (reprodução/internet)

Quais foram os tipos de ataque?

Durante esses três meses, o Brasil recebeu uma série de ataques cibernéticos dos mais diversos tipos. Os resultados coletados pela empresa foram divulgados e discutidos no Fortinet CiberSecurity Summit (FSC19), que é um evento que reuniu especialistas da segurança cibernética de São Paulo para traçar meios de proteger a população e as instituições de mais ataques assim.

O estudo, feito por meio do Fortiguard — serviço de inteligência da Fortinet contra ameaças cibernéticas —, detectou a prevalência de vários tipos de ataques antigos, como os que causaram uma epidemia em 2017 — basta pesquisar “epidemia de ataques ransomware Wannacry em 2017” e os resultados aparecem — e os que aconteceram no Chile e no México em 2018, um ato grave de violação dos bancos.

Detalhes sobre resultados

As pessoas mais ligadas ao mundo cibernético e às ameaças presentes nele, provavelmente, já ouviram falar do Cavalo de Troia, que é um dos vírus mais prejudiciais. Essa ameaça foi uma das três mais detectadas pela Fortinet, no segundo trimestre de 2019 no Brasil.

A mesma ameaça foi usada em 2017 nos ataques ransomware Wannacry e, também, em 2018 para o ataque a bancos importantes do Chile e do México. O trojan DoublePulsar, entretanto, não foi a única ameaça importante detectada pela Fortinet.

O CoinHive é a segunda maior ameaça cibernética detectada entre março e junho deste ano, atingindo, em sua maior parte, PCs com sistemas Windows. Do estudo realizado pela empresa, 33% das ameaças eram compostas pelo CoinHive.

A ameaça que ocupa o primeiro lugar na lista é a ameaça do botnet Mirai, que é do tipo de intrusão. Quando essa ameaça consegue invadir um computador pode assumir o controle do dispositivo. Atualmente, essas invasões ainda acontecem, de modo que muitos dispositivos estão sob o poder desses ataques cibernéticos.

Quais são os alvos dos ataques?

Qualquer dispositivo pode ser uma vítima de uma tentativa de ataque cibernético, mas há aqueles aparelhos que, por terem mais chances de ser atingidos, tendem a “levar um alvo sobre eles”, por assim dizer. São os equipamentos que não foram atualizados para sua última versão ou aqueles com sistemas operacionais que tiveram não corrigidas suas brechas de segurança.

E quais são as conclusões disso?

O estudo da Fortinet reuniu os resultados aos debates sobre como fazer para os brasileiros conseguirem se proteger das ameaças cibernéticas.

Essa solução ainda está sendo pensada e, no momento, nenhuma atualização foi dada, mas Frederico Tostes, da Fortinet no Brasil, afirma que atualmente a população precisa se preocupar não com o que fará se sofrer ameaças cibernéticas, mas que fará quando sofrer esses tipos de ataques. De fato, é uma situação complicada que tende a se agravar — como tem se agravado — se novas medidas de segurança não forem implementadas.