Qual o seu nível de conhecimento de Web Standards?

São várias pessoas que passam por aqui no Revolução Etc todos os dias, vindas do Google, do Tableless, do Webinsider e por aí vai. Muitos me escrevem sugerindo textos, pedindo dicas e/ou elogiando os artigos e participando da discussão nos comentários. Inspirado em um post do Roger Johansson sobre o nível de conhecimento de XHTML, resolvi fazer uma versão em português e contextualizada para saber mais ou menos qual o nível de conhecimento de web standards que os leitores que por aqui passam possuem. Para participar, após ler meu artigo, basta deixar um comentário falando em qual nível você se encontra (se quiser deixar outros comentários também serão bem vindos). E é importante que você seja sincero na sua resposta.

Lembre-se que o fato de estar em um nível e não em outro pode muitas vezes estar relacionado a atividade que você ocupa. Um programador apenas que não está acostumado a implementar XHTML e nem CSS mas tem um bom conhecimento de padrões web corresponde a uma realidade bem diferente de quem tem por obrigação fazer este tipo de implementação sozinho todos os dias. Cada contexto justifica um nível. Vamos então aos níveis.

Nível 0

Este nível corresponde a maioria das pessoas que utilizam a web todos os dias. Se chegaram a ver alguma folha de estilos ou códigos de XHTML um dia foi por puro engano. Estas pessoas provavelmente nunca vão trabalhar com web standards e o conhecimento delas é limitado apenas a como utilizar a web e nunca como “construí-la”.

Nível 1

O nível 1 é o das pessoas que sabem um pouquinho mais que as do nível anterior ao saber que HTML existe e que com ele é possível publicar páginas na web. As vezes já até publiou alguma página web na vida por diversão utilizando algum editor WYSIWYG como o Frontpage, Microsoft Word ou algo do gênero. Este nível também pode ser daqueles designers que se dão muito bem com os editores WYSIWYG ao ponto de quase nunca nem dar uma espiada no código fonte para ver como é. Tudo é feito em um modo visual. No final eles até conseguem desenvolver sites com um visual legal mas completamente distante dos web standards.

Nível 2

Este é o nível daqueles que trabalham no modo WYSIWYG em um editor de sites visual e vez ou outra alteram alguma coisa direto no HTML. Este nível pode ser de designers que não se importam com código ou pode ser o nível de programadores que acham que o HTML é tão simples (limita-se apenas a apresentação de alguma coisa) e não vêem razão para se aprofundar em conhecimentos relacionados a web standards. Eles preferem ir direto para o Visual Studio, ou outro programa similar, fazer a coisa toda funcionar logo com a programação do que se preocupar com padrões. Este também é o nível de desenvolvimento de vários sistemas web e CMS disponíveis no mercado.

Nível 3

Este nível corresponde a daquelas pessoas que aprenderam a trabalhar com HTML na mão, aprenderam a usar gifs transparentes para criar deslocamentos, aninhar tabelas etc. Alguns aprenderam a trabalhar assim antes mesmo da popularização dos editores WYSIWYG. E depois da chegada destes tipos de editores, eles não encontraram mais nenhum razão para adquirir mais conhecimento sobre web standards, considerando que praticamente tudo que precisam pode ser feito em um modo visual. Geralmente os profissionais deste nível conseguem se virar bem no modo de código para implementar algum JavaScript, colocar easter eggs por diversão, mas lá não há nada realmente que os atraia.

Nível 4

Este é o nível das pessoas que colocam um doctype em seus documentos intencionalmente. Também é o nível daqueles que querem utilizar o XHTML 1.1 ao invés do HTML 4 simplesmente porque acreditam que se existe uma versão superior do HTML ela deve ser de alguma maneira melhor. Os profissionais deste nível pararam de utilizar tabelas mas mantem a mesma estrutura lógica que as tabelas só que as trocaram por divs. Alguns deles até se gabam de conseguir renderizar alguns dados tabulares no browser em formato de “tabela” escritos utilizando divs. Os documentos da W3C ainda são uma incógnita e as “referências normativas” nada mais são do que um conjunto de palavras desconhecidas. Os que estão neste nível demonstram ter interesse maior em querer aprender cada vez mais e é provável que estejam no caminho certo. Eu espero que estejam.

Nível 5

A maioria dos profissionais bem sucedidos por utilizar os web standards podem se encontrar aqui neste nível. São as pessoas que pensam em semântica e na estrutura primeiro ao invés de considerar a apresentação. São os profissionais que estão realmente procupados com o progresso da web e se interessam em seguir os web standards à risca, e seus dilemas diários estão mais relacionados a escolher qual o melhor tipo de listagem a ser escolhida do que “como fazer” alguma coisa. São aqueles que entendem que até os nomes de classes podem possuir valores “semânticos” no lugar de nomes presentacionais. São aqueles que possuem ótimo conhecimento de CSS e de semântica, e a arquitetura da informação é minuciosamente considerada em um projeto web antes de sentar e já ir codificando alguma coisa. Os documentos da W3C são a referência normativa diária e conseguem se virar nestes documentos.

Nível 6

Este é o nível dos profissionais que tem um interesse pelas especificações da W3C além de simplesmente entender como se faz. Estes são os desenvolvedores que não se contentam apenas com semântica de XHTML e se interessam por outras linguagens de marcação como XML, RDF e compounds. São também aqueles que vêem nos microformats e nos diferentes formatos de syndication parte do futuro da web semântica. Eles tem uma tendência de utilizar certas coisas mesmo que não possua nenhuma aplicação muito prática hoje e sim no futuro, simplesmente por que relamente sabem o que estão fazendo ao contrário da maioria das pessoas.

Estas são as minhas considerações somadas as do Roger Johansson. Você pode deixar sua contribuição me informado em qual nível você acha que você se encontra deixando seus comentários.