Inglês pra que?

Me lembro de ter ouvido algumas pessoas conversando meses atrás em um shopping e se perguntando para que precisavam saber inglês. Eram profissionais de uma empresa de TI. No caso era um pequeno grupo de pessoas que realmente não sabiam e questionavam as vagas para profissionais de TI de algumas empresas por colocarem como pré-requisito para a entrevista o maldito inglês. Os argumentos eram que, a empresa não possuía nenhum único cliente estrangeiro, pelo tamanho da empresa um contato verbal não iria ocorrer em nenhuma hipótese em outro idioma e todo o trabalho que seria realizado pela vaga disponível, não iria lidar com nada em inglês diretamente. O contexto seria apenas o trabalho de cada dia que estavam acostumados à fazer. O argumento deles está certo ou não?

Alguém que quer se tornar um expert em alguma área de TI nunca chegará lá sem o inglês. Nunca. Poderá ser um excelente profissional? Sim, claro. Poderá ser muito esforçado, dinâmico e pró-ativo? Com certeza. Mas nunca será um expert por excelência! Definir um expert? Aquele profissional que sabe COMO procurar uma solução e não fica limitado por falta de inglês. Ah e também não significa o simples fato de saber inglês que todo o conteúdo que precisava saber vai entrar na sua cabeça por osmose! E nem significa que você é um expert só por saber inglês. São outras características somadas que vão te levar a ser um expert. Isso ocorre porque basicamente em todas as áreas de TI a maioria das soluções criativas, as grandes sacadas e as grandes obras são publicadas originalmente em inglês. O inglês está além da nacionalidade. Isso é um fato social global, não há o que discutir. Não adianta argumentar em prol da falta de identidade da nação ou que isso é um tipo de dominação etc.

Em português existem muitas obras com certeza e eu não estou dizendo que um profissional não pode ser ótimo sem inglês antes que alguém grite daí. Não é isso. Mas haverá limitações na busca por novas soluções. Sedeparar-se com um problema nunca visto antes e for para web procurar uma solução, em MUITOS casos não haverá ela documentada em português. Você terá que recorrer a outro profissional que tenha experiência suficiente pra te ajudar, caso contrário você fica na mão ou passa a bola pra frente. Se tiver um bom inglês isso será suficiente para você conseguir encontrar uma resposta no Google 60 vezes mais do que em português (ou seria mais do que 60?)! Se uma nova linguagem ou nova solução surgir hoje, você terá que esperar a boa vontade de alguém traduzir?Terá que esperar 1 ano até que seja publicado algum livro em inglês? Em tecnologias as coisas surgem muito rápido e as publicações em português não conseguem acompanhar o ritmo nunca.

Em equipes de desenvolvimento grande, talvez a ausência do inglês pode passar despercebido em circunstâncias em que as pessoas aprendem muito uma com as outras. Em salas com 5, 10 ou 20 profissionais, pode haver (ou não) contextos em que as soluções vão surgir da interação da equipe à priore, mas você não terá sua equipe por perto a vida inteira. Ou vai? O inglês na manga é a oportunidade que o profissional de TI tem de encontrar soluções de forma mais efetiva e rápida, sem limitações. E no futuro, daqui 50 anos, se a economia mundial mudar completamente e o mandarim for a língua da vez, as linguagens de programação, os livros e a maioria de tudo aquilo que você lida estiver em chinês, então é isso que os profissionais deverão estudar. O que está esperando pra estudar chinês?