Ilustração para entender a necessidade de Microformats

Trecho extraído do curso de microformats da Visie:

Observe uma pilha de livros amontoados sobre uma mesa gigantesca de todos os tipos. Cerca de 15.000 mil livros. Eles trazem informações sobre todos os tipos e diferentes áreas do conhecimento humano. Os livros não estão organizados mas sabemos que as informações estão ali. Se você precisasse encontrar um livro específico de biologia chamado “Cavalos Marinhos”, você teria que ir varrendo cada um dos 15.000 livros até encontrá-lo. Agora imagine que estes livros agora estejam separados por grandes áreas do conhecimento humano somente. Eles não estão classificados nem por ordem alfabética e nem por autor, mas dentre os 15.000 livros, há 4.568 deles que passaram a ser classificados como “biologia”. Ainda assim seria difícil encontrar o livro “Cavalos Marinhos”. Por que não foram organizados nem por ordem alfabética, nem por autor e nem por ramo específico da biologia. Ou seja, você terá que procurar o livro entre 4.568 outras obras.

Imagine um passo à frente onde agora os livros classificados como “biologia” passaram a ser reorganizados em áreas específicas como botânica, anatomia humana e vida marinha por exemplo. Nesta melhora na classificação dos livros, há 838 livros de biologia classificados na categoria de “vida marinha” mas ainda assim seria difícil encontrar o livro “Cavalos Marinhos” em uma sessão de 838 livros que não estão organizados em ordem alfabética. É possível encontrá-lo assim mesmo? É claro que sim, mas com um certo trabalho que seria desnecessário se tivéssemos pensado em organizá-los melhor. Agora coloque todos os livros da sessão em ordem alfabética e peça para alguém encontrá-lo. Não seria infinitamente mais fácil?

A Web é como o exemplo acima só que multiplicado milhões e milhões de vezes. O que classifica o conteúdo na web são as tags, que foram criadas para dar sentido a informação e hoje permite aos mecanismos de buscas criar relacionamentos de relevância baseado nas tags e na informação que compartilhamos. Uma frase como “cavalos marinho” presente dentro de um <h1> tem maior probabilidade de ser mais relevante do que dentro de um <p> ou <span>.

Há cerca de 80 elementos no HTML, mas a quantidade de informações específicas que compartilhamos é muito maior que isso. Ou seja, a quantidade de tags disponíveis no HTML em relação aos tipos de informação que compartilhamos é o mesmo que ter uma biblioteca divida em grandes áreas, sem muitas sub classificações e sem estar em ordem alfabética. Utilizar microformats é a oportunidade de colocar ordem e classificar a informação de forma mais precisa HOJE e não amanhã.

Veja abaixo um diagrama que eu criei baseado no que está no site microformats.org.

Diagrama

Esta ilustração e este diagrama fazem parte do curso de microformats que eu escrevi para a Visie e acabou de sair do forno! Se está interessado em estudar à fundo microformats, veja mais detalhes aqui!