Brincando com o XO e o Classmate PC, os laptops do projeto "Um Computador Por Aluno"

Sempre fiquei curioso em poder ter o famoso XO nas mãos, o notebook da OLPC criado por Negroponte, e tive esta grande oportunidade no Campus Party no stand do SERPRO (Serviço Federal de Processamento de Dados). Acabei brincando também com o Classmate PC, versão da Intel e concorrente direto do XO no projeto do governo federal “Um Computador Por Aluno” (UCA). Como escrever tudo o que eu gostaria de lá foi impossível, o máximo que eu consegui foi fazer foram algumas anotações e tirar fotos para, somente agora, poder escrever a respeito dos dois laptops com mais calma.

XO, o laptop de 100 dólares

Foto do XO da OLPC tirada no Campus Party 2008

O XO, também conhecido como “o laptop de 100 dólares de Negroponte” é um projeto de inclusão digital criado por Nicholas Negroponte, pela OLPC, juntamente com especialistas do MIT, com o objetivo de criar um notebook barato para ser utilizados por crianças de baixa renda do mundo todo. A OLPC é uma organização sem fins lucrativos dedicada a pesquisa do laptop e que foi anunciada pela primeira vez no Fórum Econômico Mundial, em Davos na Suiça em 2005. O objetivo do laptop não é ser vendido e sim distribuído gratuitamente em escolas do mundo todo por governos e instituições interessadas.

Brincando com o XO e o Classmate PC, os laptops do projeto "Um Computador Por Aluno" O laptop terá 500MHz e 128MB de RAM com 512 MB de memória flash, processador AMD, câmera de vídeo, não terá disco rígido mas terá 4 portas USB. Terá capacidade de conexão em redes wireless de banda larga e rodará uma distribuição do Fedora Linux. Ele pesa menos de 1,5 kilo, possui tela de LCD de 7,5 polegadas (19cm diagonal) com resolução de 1200×900px. Todas estas características estarão sujeitas a alterações de configuração quando ele começar a ser produzido em massa. Só esperando mesmo pra ver.

Classmate PC da Intel

Brincando com o XO e o Classmate PC, os laptops do projeto "Um Computador Por Aluno"

Já o Classmate PC parece ter uma filosofia diferente. No Brasil a Intel pretende sim focar em estudantes mas o laptop poderá ser comprado também por consumidores interessados. A CCE e a Positivo são os responsáveis por montar e distribuí-lo aqui no brasil.

Brincando com o XO e o Classmate PC, os laptops do projeto "Um Computador Por Aluno" O Classmate PC ainda não possui uma configuração oficial divulgada (pelo menos eu não encontrei nenhum, se alguém souber e quiser me atualizar, eu agradeço), mas até agora ele pesa cerca de 1,3 kilo, possui uma capa de couro e uma alça para ser carregado, que dá até um aspecto de “lancheira” escolar. Utiliza memória flash e uma tela de LCD de 7 polegadas, possui conexão wireless e processador Intel Celeron M com clock de 900MHz. Ele já chegou até a ser testado em escolas no Tocantins e parece que teve um retorno positivo. E o custo de produção do Classmate PC chegou a ficar superior se comparado ao custo do XO.

SERPRO

Logo do SERPRO O Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO), é o responsável pelos testes com ambos os laptops, que ainda estão em análise, e que fazem parte do projeto do governo federal “Um Computador Por Aluno” (UCA). Segundo o SERPRO “o objetivo do programa é explorar o uso intensivo da informática como ferramenta para potencializar o processo educacional. O Serpro, como Empresa Pública de Tecnologia da Informação e Comunicações, integra esta iniciativa.”

E agora José?

Sinceramente não me acho competente o suficiente para tomar partido entre um e outro. Prefiro deixar este trabalho ao pessoal do SERPRO. Os 40 minutos que eu fiquei com cada um, me fez quer ter um de cada. Eu acho até que quanto mais concorrência existir entre empresas para produzirem laptops baratos para o ensino de crianças, melhor. As únicas coisas óbvias que eu penso é que o PC deve ser barato, o esquema de fiscalização para que não haja desvio de laptops da rede pública (comprado pelo governo) deverá ser muito bem planejado (porque isso vai existir, infelizmente), e que seja escolhido uma versão que utilize software livre.

De qualquer maneira acho um sonho lindo um dia ver estas máquinas nas mãos de crianças no Brasil e ao redor do mundo. O desafio governamental é absurdo de grande na minha opinião, que deverá envolver treinamento de professores da rede pública, fiscalizar desvios de verbas e de laptops, desenvolvimento de aplicativos educacionais e muito mais. Vamos esperar e ver quais portas serão abertas para estes dois laptops.