Acusado de matar duas pessoas nos Estados Unidos luta contra extradição

ANÚNCIO

Um jovem de 17 anos em Illinois, acusado de matar dois manifestantes, dias depois que Jacob Blake foi baleado pela polícia em Kenosha, Wisconsin, nos Estados Unidos, retornou a Wisconsin para enfrentar acusações de homicídio que poderiam colocá-lo na prisão por toda a vida.

Acusado de matar duas pessoas nos Estados Unidos luta contra extradição
Foto: (reprodução/internet)

Kyle Rittenhouse rendeu-se à polícia em sua casa em Antioch, Illinois, um dia depois que os promotores disseram que ele atirou e matou dois manifestantes e feriu um terceiro nas ruas de Kenosha, nos Estados Unidos em 25 de agosto. 

ANÚNCIO

Seus advogados disseram que Rittenhouse agiu em autodefesa e o retrataram como um patriota corajoso que estava exercendo seu direito de portar armas durante a revolta sobre o tiroteio policial de Blake.

O julgamento de Rittenhouse

O advogado de Rittenhouse, John Pierce, disse durante uma audiência na sexta-feira que pretende combater a extradição

O juiz Paul Novak deu à defesa 14 dias para rever os papéis e apresentar as alegações antes de uma audiência de 9 de outubro.

ANÚNCIO

Pierce pediu um mês para preparar argumentos desafiando a extradição que ele disse envolver “questões de alguma complexidade, francamente que não têm surgido no país há algum tempo”.

“Pretendemos contestar a extradição através de um habeas corpus”, disse Pierce.

Ele não forneceu mais detalhes na audiência sobre a base para a contestação. O atraso no retorno de Rittenhouse ao Wisconsin é o segundo no caso.

As acusações contra Rittenhouse

Rittenhouse é acusado de homicídio intencional de primeiro grau na morte de dois manifestantes  e tentativa de homicídio intencional na ferida de um terceiro. Ele também enfrenta uma acusação de posse de arma de fogo por menor de idade por empunhar um fuzil semi-automático.

Leia também: Governo Trump propõe punir sites por ‘censurar discursos oficiais’

Se condenado por homicídio de primeiro grau, Rittenhouse enfrenta uma pena de prisão perpétua.

Para alguns, Rittenhouse é um terrorista doméstico cuja própria presença com um fuzil incitou os manifestantes em Kenosha. 

Para outros – que ficaram frustrados com manifestações e tumultos em todo o país – ele é visto como um herói que pegou armas para proteger empresas, inclusive algumas que foram danificadas durante os tumultos das duas noites anteriores.

O que aconteceu em Kenosha?

De acordo com promotores e documentos do tribunal, Rittenhouse atirou e matou Joseph Rosenbaum, de 36 anos, de Kenosha, depois que Rosenbaum atirou um saco de plástico em Rittenhouse,  e tentou arrancar o rifle de suas mãos.

Enquanto tentava fugir, Rittenhouse foi capturado em um vídeo dizendo “Acabei de matar alguém”. De acordo com a queixa apresentada pelos promotores, alguém na multidão disse: “Bata nele!” e outro gritou: “Pegue-o! Apanhem esse cara!”

O vídeo mostra que Rittenhouse tropeçou na rua. Enquanto ele estava no chão, Anthony Huber, de 26 anos, bateu nele com um skate e tentou tirar-lhe o rifle.

 Rittenhouse abriu fogo, matando Huber e ferindo Gaige Grosskreutz.

Leia também: Ação judicial pede que o Facebook exclua as milícias

 Ele voltou para sua casa em Illinois e se entregou logo em seguida. Mais tarde, a polícia responsabilizou as condições caóticas pelo fato de não prender Rittenhouse no local.

As mortes aconteceram dois dias depois que um policial branco atirou em Blake sete vezes nas costas, deixando-o paralisado da cintura para baixo e provocando indignação depois que o vídeo do tiroteio foi postado online. 

Uma investigação do Departamento de Justiça de Wisconsin sobre esse tiroteio está em andamento. Os três oficiais que responderam estão em licença administrativa.

Traduzido e adaptado por equipe Revolução.etc.br

Fonte: AP News

ANÚNCIO