Web 2.0 não significa nada. Me desculpe!

As vezes pronunciar-se contra um conflito em que todos estão com as armas nas mãos preparados para o ataque, pode tranformar o conflito em guerra. Mas me desculpem, Web 2.0 não significa nada! Não significa nada mesmo.

Há diversos caras aí muito famosos e conhecidos falando sobre Web 2.0 em todos os lugares que conseguirem alguns trocados para falar sobre isso. Andando nas ruas esta semana pude ver em uma banca várias revistas com o “Web 2.0” bem destacado na capa. Pensei comigo mesmo, “isto está vendendo”! Todos querem ler sobre Web 2.0 até meio receiosos ou envergonhados de ainda não saberem nada a respeito. Meu conselho é: esqueçam isso, este conceito não significa nada.

Devo admitir que por alguns dias eu achei que isso realmente tinha algum significado. A “web como plataforma”, todos diziam! As coisas se comunicando e se relacionando! Isso, e aquilo, e blá blá blá. Por um ou dois meses eu esqueci isso. Mas com o tempo você acaba se esbarrando com uma coisa ou outra e me dei conta de que isso não significa nada na prática. Me empolguei até começar a tentar entender como as pessoas estavam definindo “isso”. Conclusão “buzzword” ou “frase de efeito sem muito significado para impressionar o leitor”. Nada mais que isso.

Na verdade se você está todo assustado comigo falando sobre web 2.0, admire-se, eu cheguei até tarde. Não estou nem querendo ser original. Só estou espalhando a notícia. Até o Bruno Torres em meados de outubro de 2005 já tinha dado um “chega pra lá” de mansinho e parece que ficou meio despercebido. O Élcio recentemente também te convidou a colocar os pés no chão e até eu meio tímido fiz isso no Designing for Web 2. E confesso que estou escrevendo este texto para ficar com a consciência limpa!

As pessoas estão falando de Web 2 como se fosse mágica, mas não há nada de diferente acontecendo lá fora. O Google está mais rico, alguns asiáticos estão mais pobres, a Nike continua fazendo tênis na China, a web está crescendo e o brasileiro não está mais inteligente! Tudo normal. Li um texto escrito por Jeffrey Zeldman no A List Apart chamado Web 3.0. Foi o estímulo de que precisava para escrever meu desabafo. Zeldman disse uma coisa muito interessante sobre isso. Falar de “web 2.0” é lucrativo. Só isso. E aínda diz, que é isso é um pouquinho ignorante, burro. Leia lá antes de me criticar.

Quando eu comecei a ouvir sobre este termo e a navegar muito para tentar entendê-lo, percebi que as pessoas estavam fazendo um alvoroço por causa de coisas que já estávam “aí” e por causa de um “jeito” que já estava caminhando para onde nós já “estamos”. Muitas pessoas citam AJAX como uma revolução. Pra começar é algo velho que está ficando popular agora. AJAX é JavaScript, não é tecnologia, é um jeito. Em segundo lugar, AJAX não é pra ser usado em qualquer lugar. Quem sabe um pouquinho vai entender que usá-lo significa obstrução e em um momento em que se fala muito sobre acessibilidade. Muito se fala sobre como fazer isso ou aquilo em AJAX, mas pouco se discute qual é o melhor lugar pra fazê-lo. E este é só um exemplo.

Não se sinta culpado por ter acreditado nisso. Eu também cheguei a acreditar. Como eu escrevi em Designing for Web 2, Se você está preocupado com Web2, esqueça o termo completamente e estude web standards, acessibilidade e Microformats. Espalhe a notícia.

Leia

110 thoughts on “Web 2.0 não significa nada. Me desculpe!”

  1. Acho que com toda essa moda de praticar webstandards e implementar metodologia AJAX para construção de aplicações web, temperado ao gosto google e com o som bonito dos dinossauros da web, os espertinhos de plantão recolheram muito mais do que precisavam para lançar um termo que fizesse com que todos entusiastas e aprendizes se sentissem incapazes.

    Conseguiram, em grande parte.

    Isso rendeu várias publicações virtuais e impressas, vendeu o que tinha que vender e a tendência agora é cair em desuso.

    Só não vamos fazer disso mais uma moda.

  2. O artigo do Zeldman é realmente fantástico. Ele fala justamente desse boom que cresceu com essa denominação de 2.0.

    Daqui a pouco essa moda pega, e qualquer nova tecnologia que "exploda", vão querer mudar o motor da Web, 3.0, 4.0… Como assim?

    Gostei do teu ponto de vista Henrique, e tenho que admitir, que também já falei besteira por aí.

    Acho que o que está mudando por aí é a filosofia de desenvolvimento. Algo mais centrado no usuário, participação, etc.

    Muito bom o desabafo! 🙂

  3. Henrique, concordo com o Ciro, o nome web2.0 é apenas marketing, nada mais que isso, o que estamos vendo são apenas novas tecnologias surgindo, uma evolução natural, nada mais que isso.
    Muito bom, e corajoso texto.
    Parabéns.

  4. A Web 2.0 existe e está aí a mais de 2 anos. Isto é fato! A questão é que muitos profissionais, empresas e corporações usam o nome e/ou conceito como "Marketing para vender" e não como realmente deveriam usar. Resultados: Revolta de muitos e Felicidade de poucos!

    A internet está em constante evolução, todos os dias, e sabemos que "mudanças significativas" realmente aconteceram de alguns tempos para cá. Se você tem mais de 5 anos de internet sabe disso.
    Existia uma preocupação muito grande dos desenvolvedores em relação à venda de produtos e serviços na Web e só. Hoje, existe uma preocupação muito maior à cerca dos usuários que compram estes produtos e serviços. Lembrando que a distância do seu site para o site do seu concorrente é de apenas um clique!
    Saber vender na web não é um diferencial e sim uma exigência!

    Acho que não devíamos discutir muito sobre conceitos, ou mesmo se a Web 2.0 ou 3.0 existe. O que deve ser discutido é como fazer web, e como fazer bem feito! Enquanto discutimos o nome da evolução que a web vem sofrendo corporações que investem neste conceito, ficam bilhões de dólares mais ricas, inventam novas soluções que agradam à todos os usuários e nós apenas ganhamos o pão de cada dia.

    Parabéns Henrique pelo post e continue fazendo este excelente trabalho no Revolução Etc.

  5. Henrique meu veio como sempre vc ta antenado com tudo o q se passa nesse vasto meio que é a internet, ou seria plataforma?? concordo com vc, pontuou como sempre claramente os fatos e como disse vc é um vanguardista []' continue assim irmão e boa sorte!

  6. A primeira vez que ouvi o termo Web 2.0 logo, e felizmente imediatamente, me veio a seguinte palavra na cabeça: "Marketing"
    O termo Web 2.0 é uma tentativa desesperada de alguns para tornar as páginas Web padronizadas.
    As WebStandards, infelizmente, ainda é uma utopia, mas fico feliz em ver que o perfil do profissional Web está mudando para melhor, e que o desenvolvimento das páginas não está sendo feita mais pelo "sobrinho do vizinho do ap. 208".

  7. Concordo plenamente que essa mania que temos de rotularizar tudo o que é novo ( ou achamos que é ), muitas vezes só ajuda a vender ou confundir quem está chegando. Já vi gente se vangloriar por ser um dos primeiros a fazer um site em "Ajax" sem saber que muita gente já fazia isso sem se preocupar a dar um nome aquilo.
    Pra que dar nome a algo que já existe e só está mudando um pouco o jeito de ser feita ?
    Pra quê dizer que Machado de Assis teve uma fase romancista e outra realista ? É tudo literatura, é tudo historinha!
    Pra que dizer que Da Vinci era Renascentista e que Picasso foi Cubista ?
    É tudo Arte, é tudo tinta num quadro.
    Pra que dizer que fazer web pensando no usuário é web 2.0 ? É tudo web, é só um punhado de sites …

  8. Ao meu ver há muita confusão sobre o que realmente está sendo referenciado como web 2.0.

    O verdadeiro benefício da utilização de tecnologias como o Ajax é a melhor responsividade, o que possibilita a utilização de aplicações web como substituto para aplicações tradicionais no desktop. Isso sim pode ser considerado como uma mudança em relação aos paradigmas anteriores, ou pelo menos aqueles adotados pela maioria, de que a web é apenas uma mídia de comunicação de massa, voltada única e exclusivamente para a criação de websites.

    A medida em que as pessoas deixam de usar aplicativos instalados em seus computadores pessoais e passam a usar aplicações web isso cria um impacto direto no modelo computacional de maior adoção hoje, viabilizando a utilização de equipamentos com poder de processamento menor e possibilitando transparência total na transição do conceito de criação e armazenamento de informação em arquivos para o conceito de criação e armazenamento de conteúdos.

    Se é um termo comercial ou não é pouco importante, o que interessa é que a forma como a internet se integra com a computação pessoal está em plena mudança e as duas coisas estão se tornando indissolúveis. Esse processo talvez possa ser chamado de web 2.0 ou quiça de computação 2.0 🙂

  9. Pessoal. Não sejamos tão árduos com estes modismos. Aliás, a moda é um tipo de “Revolução e etc”. (entendeu o trocadilho, Henrique? Revolução, etc….rs). Tenha certeza que o IBOPE do seu blog cresceu devido à procura deste contexto. Tenha certeza que muitos equiparam suas máquinas, devido à necessidade por parte de um OS ou pelos Games. Tenha certeza que com o lançamento do Windows Live o usuário se sentirá obrigado a comprar um pouco mais de memória, ou até trocar o processador por um de 64 bits. É importante entendermos que esse marketing é necessário e que haja um BOOM nas técnicas aplicadas, para que então possamos subir mais um degrau. Pensem nisso.

  10. putz, pensei que era só eu que não acreditava nessa coisa de web 2.0.

    Agora só falta vocês esquecerem esse negócio de microformatos que não tem utilidade alguma além de complicar o desenvolvimento e engessar cada vez mais o código.

  11. Não sou nenhum expert no assunto, mas tenho dedicado um pouco do meu tempo para tentar aprender. E penso que se trata muito mais de uma questão "Darwiniana" (Evolução) do que uma "Henriqueana" (Revolução). Como todos sabem a evolução é um processo natural dos seres vivos e de qualquer área do conhecimento. Que nome venha a ter é de menor importância. No entanto concordo com o Emerson que o marketing e necessário para divulgar essa evolução.

  12. Desde quando eu comecei a estudar os documentos da W3C e ler artigos das mais diversas fontes, sempre pensei em web como se fosse esse "Web 2.0". Na minha opinião, a mídia está denominando web da mesma forma que a finada Macromedia definia apenas o Flash como "RIA". Entretanto, talvez algumas empresas comecem a trabalhar com aplicações para web, em vez de ficarem centradas apenas em programação orientada a negócios.
    Se a Microsoft fez o Windows Live, em breve a IBM e outras empresas poderão se interessar por projetos semelhantes, mesmo que o objeto seja apenas o lucro e não uma comunicação com o usuário como o termo marketeiro sugere.

    Bom, só conferi o novo visual agora, gostei de algumas mudanças mas, ainda há muitos tons de vermelho. Conforme o conteúdo aumenta e os links da esquerda ficam no topo, o único contraste para não cansar a vista fica por conta do amarelo nos links do texto e dos comentários. Embora verde com vermelho aparenta estranho por serem cores opostas, sugiro que você coloque mais tons de amarelo ou verde. XD

  13. Concordo que há um certo exagero em tudo isso. Mas acho também que é necessário fazer um alvoroço para encaixar as coisas que realmente valem a pena. Quanta coisa interessante já morreu por falta de um super marketing como esse. Web 2.0 (o nome não é muito apropriado mesmo) ajuda inclusive a disseminar ainda mais os padrões, semântica, interação do usuário e principalmente a idéia de que não se pode ficar acomodado. Admiro a sinceridade do Henrique mas não acho que o movimento está errado não. E espero ver coisas como "SVG… a novidade fantástica da Internet", "PNG, o futuro da Imagem na Internet" e coisas assim. Eles também já existem, mas e a popularidade? Dá pra acreditar que essas maravilhas ainda não estão com tudo? Tá precisando de um marketing pesado como o da WEB 2.0.

  14. Olá a todos,

    Fiquei empolgado ao ler este teu artigo. Henrique.

    Já tinha lido o artigo do Zeldman (sempre leio os artigos dele, pois me mato sempre de rir e apreendo muito).

    Mas, voltando à web 2.0. Concordo plenamente contigo Henrique, em número, ordem e gráu.

    A web2.0 é um grande negócio. Só.

    Quando, não muito tempo atrás, comecei a voltar-me para a web e os web standards comecei uma viagem maravilhosa em um mundo fantástico onde um cara chamado Tim Berner-Lee havia imaginado, muito tempo atrás, um mundo interconectado onde, graças ao XML e às linguagens baseadas nele, as máquinas podiam conversar entre elas e com os humanos!!!

    Fantástico, pensei. Cheguei no mundo que eu sonhava quando garoto. Porém a realidade das pessoas é muito diferente.

    Aqui no Brasil (não sou brasileiro), infelizmente, a maioria da população têm outros problemas para resolver, muito mais importantes do que pensar à internet. Digo infelizmente, porque a internet, se usada bem, poderia resolver os problemas de muitas pessoas, porém os que detêm o uso e o quase total monopôlio dos meios de comunicação de massa (que todo mundo chama de mídia, não sei porque) não quer largar o osso e tenta afastar sempre mais a população da tecnologia.

    É claro que não vão conseguir, no longo prazo, entretanto neste momento estão conseguindo a fazer com que as pessoas, em sua maioria, veja a internet como um brinquedo ou algo que não tem muito valor, Bom para brincar ou mandar e-mails, mas ganhar dinheiro com isso é outra coisa.

    Claro, não estou falando de grandes corporações, nem de bancos ou jornais e televisões, pois eles já entenderam o poder da web.

    Lá fora a situação não é muito diferente. Há muita gente, é verdade, que trabalha e usa os web standards. Existem leis (aqui também) que obrigam a pública administração a fazer sites de acordo com estes padrões. Mas a maioria da população, mesmo tendo um acesso mais facilitado à web, não está acostumada ao computador como um eletrodoméstico, por assim dizer. Esta deveria ser a chave. Quando o computador será tão normal de ser usado como uma máquina de lavar roupa, aí sim que será fácil falar de web standards.

    Até lá vai ser divertido, pois, ser um desbravador sempre foi divertido, mesmo que um pouco perigoso.

    Um abraço

  15. Até bem pouco tempo atrás você falava da Web 2.0 com entusiasmo, e aprendi muito com seus artigos.

    Agora, só porque o termo ficou popular, de uma hora pra outra, a Web 2.0 não vale mais. Té me parecendo a velha Síndrome de Carne-de-vaca. Enquanto o termo é meio desconhecido e debatido somente na rodinha dos desenvolvedores, é cult. Virou capa de revista, pronto, não vale mais. Acho que não é por aí, Henrique.

    Continue com seus excelentes artigos, que de brazuca é o melhor sem dúvida sobre o assunto. Mas não deixe se enganar só porque um termo ou uma tecnologia é objeto de hype ou não.

  16. Como vender o AJAX, o movimento entuasiasta dos blogs, flogs, flicks e blá blá blá de uma só vez?
    Criando um nome para isso!
    Web 2.0!
    Pronto!!!
    Agora tentem usar o web 2.0 com modem 54kbps e me digam que são felizes depois.

    Um grande BAH! para esses inventores muderninhos!

  17. Creio que Web 2.0, é apenas marketing mesmo (webstandards, Javascript, XML, Server-Side, Banco de Dados… nada muito além ).. algo para vender… o conceito já está sendo usado há algum tempo…
    Acho também que o uso do AJAX é revolucionário para os usuários (que ainda não estão acostumados), mas não para os programadores, mas ele deveria ser utilizado para aplicações WEB mais complexas (como sistemas,um mercado que vem aumentando muito, não em sites de conteudo simples)….

    Bom, essa é minha humilde opinião…

  18. AJAX também é buzzword na minha opnião.

    Por mais que web 2.0 não exista, e eu já via o Zeldman falando sobre isso há algum tempo, foi essa buzzword que chamou a atenção de muitos desesnvolvedores desatualizados para as "novas" maneiras de se desenvolver para a web.

    Realmente AJAX não é assim a 8ª maravilha, principalmente se não for bem feito… ela cria quase tantas barreiras quanto o Flash… e isso é complicado… mas com o tempo a coisa vai melhorando e cada vez mais pessoas vão se conscientizar e diferenciar buzzwords de termos técnicos

    aliás, li um artigo muito engraçado, esses dias, procure no url sinistras sobre Web 4.0 hahahahha

  19. Pingback: davis.zc » Blog Archive » Seleções #1
  20. Na minha opinião, a web2.0 está aí puramente como marketing (concordando com algumas partes do texto e alguns comentários), da mesma forma que o termo/conceito tableless também está (agora, causando polêmica).

    (Obs: Não sou contra o termo/conceito tableless, gosto e adoto, mas na minha opinião também é marketing, como muitas outras coisas na web.)

    Um marketing bem aceito pelo público alvo (aqui os desenvolvedores web) vale mais do que centenas de termos técnicos. E queira ou não, a web2.0 está sendo bastante difundida (e o tableless, ainda mais) e até, se possível, sendo utilizada.

    Mas como assim sendo utilizado, se todo mundo por aí tá dizendo que ele não existe? […] Pode até não existir ou ter morrido (quem sabe?), mas os conceitos deixados pela passagem dela são interessantes, como os conceitos que o tableless carrega, e até podem ser utilizados como príncipio básico para qualquer sistema web ou site de grande porte (é claro, levando em consideração o público que querem alcançar). Por exemplo, a interação com usuário (experiência com usuário – Livros interessantes que abordam também, entre outras coisas, a experiência com usuário: The Design of Everyday Things de Donald A. Norman e User Interface Design for Programmers de Joel Spolsky) deve ser levada em consideração em pouco mais de 99,9% do desenvolvimento de um site – lembre-se que é o usuário que vai acessar o site -, a usabilidade posta em questão na web2.0 é uma das principais metas que deve ser alcançada (novamente, leve sempre em consideração o público alvo do site), como também a disponibilização da informação em si (arquitetura da informação).

    Uma pergunta, qual o fotolog que você usa? e Porque? […] O quanto o Flickr está ligado com a web2.0, o quanto o Google está ligado, o quanto o basecamp está? Não sei a resposta, mas tenho certeza que estes são famosos, não por sua ligação com a web2.0, mas sim por serem os melhores nas suas categorias usando a técnologia com precisão e onde precisa, você pode perceber que o Google na maioria de suas páginas não usa os Web Standards nem Ajax, o Flick tem erros na sintaxe de suas páginas, mas eles atingem quem eles querem atingir, eles conseguem, sem web2.0 e muitas vezes com design arcaíco, mas com uma interface muito bem pensada.

    Outras considerações. […] Acho que a web2.0 (no contexto atual) está muito parecida com o dilema do XP (Extreme Programming), será que a aplicação nos projetos vai ajudar de alguma forma? Isso não vai se transformar em uma problema no final? […] Para estas perguntas também não sei as respostas, mas posso garantir que a utilização de conceitos básicos em alguns casos, vale muito a pena (como citei anteriormente).

    Conclusão. […] A significatividade da web2.0 para os desenvolvedores e apreciadores da web de qualidade é enorme, porque só assim, poderemos enchertar os padrões nas cabeças de outras pessoas e com isso ganhar muito espaço no mercado atual que infelizmente ainda é muito pequeno (pelo menos aqui no brasil). A web2.0 fica também como um agregador de conceitos úteis a qualquer web, use e abuse dela da forma que mais lhe agradar, porque você não estará perdendo nada, só não vá abusar da maquiagem e esquecer os princípios básicos, assim a web2.0 pra você não valerá de nada.

    Desculpe se atingi alguém com meu texto, mas é isso que penso.

  21. o que importa é q tudo caminha p/ a perfeição.. sem alcança-la .. é claro.. hahaha

    a web mudou.. de fato…isso é natural…

  22. Bruno falou tudo. Acho que o conceito é tão complicado que algumas pessoas ainda não entenderam. Web 2.0 é sobre uma transformação tecnológica/social que deflagra a "Arquitetura de Participação", blogs, Aplicações Web, etc. Ajax !? hã !? Quem falou que web 2.0 = Ajax ???

  23. Henrique,

    Excelente artigo meu caro, este é o problema quando se satura um tópico da forma que fizeram com a Web 2.0.

    Mas por favor, não nos esqueçamos que toda este confetti e serpentina ao redor de algumas tecnologias sequestradas pela Web 2.0 ainda são válidas como você citou: microformatos, padrões web e o resto que é o básico para se fazer um bom serviço ao redor do usuário brasileiro.

    Gostaria de convidá-lo a ler e comentar o número 2 de Webalorixá que traz um especial acerca da Web 2.0, dividido em duas partes.

    Um abraço para todos,

    Luis

  24. Devo estar bêbado, o que eu queria dizer foi:

    Mas por favor, não nos esqueçamos que todo este confetti e serpentina ao redor de algumas tecnologias sequestradas pela Web 2.0 [CORREÇÃO]não desgastam o valor de tecnologias que [CORREÇÃO]ainda são válidas como você citou: microformatos, padrões web e o resto que é o básico para se fazer um bom serviço ao redor do usuário brasileiro.

  25. Porque dar versões a algo tão presente em nossas mediocres vodas, e tão onipotente, mas ao mesmo tempo excuso?
    Web existe, sempre em constante mudanças, modificações, coisas novas, e dar o nome de web 2.0, 3.0 8.90.1 beta xfree86 decolando, não adianta nada disso.

    Vamos voltar aos tempos antigos, do htmlzão brabo, no começo era só isso certo? surgiram php, asp, hoje tem plataforma .net, frameworks que fazem da produção de websites/aplicações uma maravilha divina.
    Fazemos um trato? De não usar a 2.0 pra não causar impacto! (by musica de alguém que não me lembro!).

    Abraços e que a verdade seja dita, web é uma metamorfose ambulante!

  26. Notamente este artigo se encaixa no nível de ignorância 2 ("lack of awareness").
    Concordo com o fato de que web apps no brasil serem algo 1.0 (levando em consideração a existência de uma web 2.0). Serviçoes interessantes estão sob esta bandeira. Novamente estamos bastante atrasados em relação ao que ocorre no resto de mundo. Não é sobre ajax ou rails. É sobre pessoas. O brasil possui people 1.0. Um dia vamos dar conta que indiferente ao fato da web ser ou não 2.0 (agora) nós perdemos oportunidades valiosas (no presente) e vamos perder (no futuro).

  27. Poxa Bruce, eu até poderia aceitar tranquilamente sua opinião, a despeito do linguajar pedante, mas desculpável quando se tem pelo menos a cara e a corajem de se identificar. O fato de não se identificar em si ou não colocar seu e-mail pode significar que você não tem convicção das sua opiniões, é covarde e até se parece com Troll. De fato retrucando aqui eu acabei te alimentando. E pra dar exemplo aos outros trolls que porventura possam vir parar aqui vou deixar seu comentário e o meu logo abaixo.

    Qualquer outro comentário que for inserido aqui alimentando isso (leia-se comentários de trolls) serão excluídos. E peço aos demais que não os alimente!

  28. Pingback: Carlos Soler » Ultimate Web 2.0 Websites List
  29. Muita veemência, mas não me convenceu. Antes não havia folcsonomia, aplicativos sociais, não é só ajax. Essas coisas são tendências. Houve uma mudança, algum nome essa mudança teria que ter.

  30. Pingback: As melhores aplicações Web 2.0 ou Ajax ? at ValdeciBarbosa
  31. Web 2.0 é marketing. Ponto. O que deve ser motivo de preocupação por todos os webdesigners é a padronização. A W3C tem se esforçado bastante para que não se tenha que codificar de um jeito para que sua página funcione no IE, de outro para funcionar nos Mozilla e de um terceiro para funcionar no Opera. Não podemos fazer vistas grossas a todo esse esforço e deixá-lo perecer no limbo. Quem quiser realmente estar atualizado, deve ler as normas da W3C e aplicá-las. XHTML, DOM, CSS, SVG, tudo está surgindo para que seu site funcione em qualquer lugar, o que já deveria acontecer. Essa é a próxima Web: a dos padrões (de verdade!).

  32. Acredito que dentro de pouco tempo o próprio conceito da internet (e não só da web em si) será considerado redundante, já que praticamente tudo trabalhará sobre a mesma plataforma, sobre o mesmo padrão de software, em qualquer hardware.

    O termo Web 2.0, além de apenas um marketing, significa nada mais do que algo que já vimos acontecendo há pelo menos uns 2 anos: sites que interagem com seus usuários diretamente.

  33. Não vejo nada demais com esta nova forma de fazer as coisas. O Flash por exemplo, pode fazer muita coisa ou talvez tudo e mais um pouco que um monte de javascript.

    Uma coisa é certa. As pessoas enchem a boca para falar da Web 2.0, mas nem comentam a quantidade de memória que o processo do navegador consome para executar a aplicação.

    Recomendo que os usuários tomem muito cuidado com estas aplicações, pois a mais simples que testei por 5 minutos levou meu navegador a consumir miseros 90 Mb de memória. Isto é bem perto que os 119 Mb que todo o sistema operacional estava consumindo.

  34. Pingback: Andrey Pedro Lefkum » WEB 2.0 não significa nada…
  35. Me desculpa, concordo em dizer que AJAX não é uma plataforma e sim um conceito e que não é tão novo assim, mas dizer que isso não tem utilidade é demais.

    Um tendencia que está dando bastante certo e tranformar os sistemas de automação, de desktop para web, com isso muitas vezes trabalhamos com uma grande quantidade de dados e ai entra o AJAX, por exemplo para possibilitar que se popule selects com base em outros campos, sem ter que recarregar telas, e diversas outras coisas.

  36. Pingback: rogeriobrum.com » Blog Archive » Acessibilidade e Usabilidade: Os Gêmeos Siameses
  37. Me doi muito ver vcs citarem simplesmente o AJAX como "A Web 2.0"
    Ao meu ver Web 2.0 (o tal rótulo) é o que nós entendemos dela, descartem AJAX, Tableless, Microformats, RSS ou Podcasts e pensem nela como a Web colaborativa, onde o informação não está mais centralizada somente no administrador. Blogs, Wikis e afins.

  38. Bom…. eu acredito sim q existe uma evolução na Internet… como chego alguem e disse q seria a WEB 2.0, pq naum aceitá-la… É visível as mudanças que ocorreram na Internet nos últimos anos, talvez muito mais acentuadas do que nas três décadas de evolução anteriores. Novas ferramentas foram desenvolvidas dando aos usuários uma incrível interação e acessibilidade nunca antes presenciadas em aplicações na internet.
    Então com certeza estamos sim numa INTERNET versão 2.0
    flw….

  39. Gostei muito do artigo, porém discordo dele.
    Na minha opinião, existe sim um certo marketing ao se nomear as evoluções na Internet. Mas estas mudanças existem. Muitos sites utilizam estes serviços, tecnicas, metodos, ou apenas "novos jeitos". Independente de ter um nome para isso ou não, vimos muitos sites diferentes dos usuais. Sobre o fato da Internet ser uma plataforma ao invés de um container de informações… Já escrevi textos no writely, utilizei o google spreadsheets!
    Pronto. Os serviços que o Tim O'Reilly descreve no modelo mental sobre web2.0 estão disponíveis por aí. Agora basta sua opinião: Alguma inovação ou apenas marketing?
    Reflitam…
    []'s

  40. Olá,

    Eu concordo em parte com o que você escreveu. A Web 2.0 realmente não é "nada" palpável, nada de tecnologicamente novo, mas é uma nomenclatura dada à uma evolução no modo de usar a internet.

    Não são só os aplicativos online que definem a Web 2.0, mas sim a tendência (e essa é a principal palavra: TENDÊNCIA) de compartilhamentos, conteúdo criado pelos usuários, etc.

    Essa tendência foi chamada de Web 2.0, só isso. E na minha opinião, se esse nome consegue trazer mais atenção a isto, é melhor, pois fomenta mais o desenvolvimento destas ferramentas, e a tecnologia vai se desenvolvendo mais rápido.

    De qualquer modo, concordo que pelo modo como é falado, parece algo diferente do que é.

    Abraço!
    Freitas
    http://web2br.blogspot.com

  41. Henrique,

    Realmente concordo com TUDO o que você disse. Em primeiro lugar é um absurdo "VERSIONAR" paradigma. Ou você muda ele para uma coisa nada a ver com a antiga ou você o mantém. É o caso da Web… Web 1, Web 2.0 , Web 5000 continua sendo Web a mesma coisa !!!! não mudou o paradigma em nada.

    Acredito que para mudar realmente a Web, é necessário uma revolução muito grande. Para mim, mudar web é mudar tudo o que se diz REDE, NETWORK.

    Um exemplo disso:

    Pense em qualquer desenvolvedor, Java, C#, C++, Ruby e de qualquer outra plataforma. Imagine que ele queira fazer uma aplicação Web… infelizmente ele vai ter que lidar com TAGS !!!! isso é ridículo e VELHO !

    Eu penso que a Web só revolucionará, no momento em que se criar um órgão regulamentador que revolucione o HTTP que é um protocolo PODRE para recursos gráficos e todo mundo sabe. Por exemplo, eu costumo trabalhar com algumas coisas de computação gráfica em OpenGL que enfia qualquer flash no bolso. Se eu quiser colocar o meu objeto no Browser dá um trabalho desgraçado.

    Acredito que a Web é muito trabalhosa e o pior, na web não se tem mais SITES !!! e sim aplicações muitas vezes completas e essas aplicações são construídas por muitas vezes pessoas que não sabem nada de Engenharia de Software, de Interação Humano-Computador. Quer ver um exemplo: Outro dia estava lendo um artigo sobre acessibilidade. O cara nem sabe o que era isso direito e o Pior…. no final do artigo para comentar tinha um tira teima (aquelas figurinhas… ) HAHAHAAHAH como faz então para o deficiente visual comentar o artigo de acessibilidade de ele não enxerga o que tem na figura !!!!

    Então eu acredito que muito se fala sobre esse negócio de Web 2.0 QUE NÃO EXISTE !!!

    Outro problema: O pessoal de Web, precisa realmente saber o que é engenharia de software, principalmente a maioria de usuários de Apple que odeiam java por exemplo. Web não é galeria de arte… e sim de aplicações !!!!

    Um abraço a todos,

    Mateus.

  42. Sou programdor desde muito cedo (Basic) e conheço a Internet desde 94.
    Posso falar tranquilamente sobre a WEB 2.0 justificando o autor sobre o simples marketing.
    Já desenvolvia soluções baseadas em padrões, restrições de conteúdo ha muito tempo.
    Acredito que a internet só existe porque ela é como está aí.
    Liberdade de desenvolvimento.
    Abraços,

  43. Web 2.0 é apenas uma evolução! Porém vendida agora, mas ja existe a muito tempo.

    Pare para pensar, antigamente os sites eram atualizados pelos próprios desenvolvedores, poucos atualizados, sistemas precários, a comunicação era quase feita por e-mail, depois guestbook, foruns, etc.
    Web 2.0, seria o que temos hoje e o que já tínhamos a muito tempo, sites que são mantidos pelos próprios usuários e aperfeiçoados pelos desenvolvedores.

    Concordo firmamente com o Henrique, web 2.0, foi uma idéia antiga vendida pelas revistas. E pra quem gastou, desculpe e prepare-se, web 3.0 está próxima.
    Ajax e o novo sistema em flash.

  44. EXISTE SIM, WEB 2.0 !!!

    Na verdade a web 2.0 é a mudança de conceito da internet pois de Grande rede de computadores, para grande rede de SERVIÇOS, se pensarmos desta forma podemos discutir melhor a web 2.0 sim a alteração de webstandarts, acessibilidade, ajax, xml possibilitaram isto.

    Há sim uma revolução, e logico que entre um site de informações estática e um outro que lhe ofereça SERVIÇOS vc irá aos serviços de preferencia serviços que sejam PERSONALIZADOS a você.

    A tecnologia evoluiu hj podemos contactar via telefone um fornecedor atraves do proprio site de busca de produtos parece que isso se chama web 2.0 podemos usar XML para conectar nosso site a nossa base de dados de ERP dentro da empresa enfim eu acredito sim na revolução e logico que a tecnologia vai evoluir se acharmos que é só onda não iremos navegar para o futuro.

    a matemática é simples XML + WEBSTANDARDS + VOIP = SERVIÇOS WEB 2.0 (O Nome da tecnologia tanto faz, o que importa é o que vc pode oferecer com isso)

    E assim que cansarmos destes serviços webs o mercado inventará a web 3.0 e assim por diante de acordo com a NECESSIDADE das empresas…

  45. Pingback: E a tal da Web 2.0? « JulioGreff
  46. Henrique,

    gostei do seu post, apesar de não concordar com algumas colocações. É uma importante leitura para quem quer uma segunda opinião em relação a web 2.0. Discussões a parte, é um interessante artigo.

    saudações,

  47. Pingback: Techbits
  48. Sou analista de sistemas e trabalho em informática desde 1975 quando os Mainframes dominavam o mercado (cobol), e alguns poucos profissionais atuavam na área.Passei por várias mudanças no mercado de informática e com os conhecimentos que fui acumulando, notei que como dizia Lavousier
    " na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma", só que nesse mercado altamente lucrativo de Hardware e Software, hoje se faz a s mesmas coisas que eram feitas em 1975, só que com "roupa nova" e com mais fácilidade.A diferença em relação aos dias de hoje é que a toda hora são lançadas modas para induzir as pessoas a gastarem mais para beneficiar uma ou outra empresa emergente.O lado negro desse modismo é que antigamente existiam empresas sérias e competentes como a Unisys e a IBM, que tem hardware e software de qualidade, e exelentes profissionais bem treinados para resolver qualquer problema das empresas.Hoje temos PC's Montados com peças duvidosas, sistemas operacionais bonitinhos que travam e provocam todo tipo de erros, que no final propocionam um resultado não tão confiável como antes.
    Enfim eu acho que Lavousier é que tem razão, tudo o mais é pura perfumaria.

    Ricardo Henrique de Paula Barroso
    Analista de Sistemas
    [email protected]

  49. Pingback: Techbits
  50. Pingback: humano 2.0 | Cabala 1001 Gatos de Schrödinger
  51. Concordo plenamente que toda tecnologia que se convém chamar de "web 2.0" realmente já existia. Tudo estava lá…

    Então o que mudou? O que mudou foram os conceitos. A web passou a ser pensada como um meio colaborativo. A produção de conteúdo passou de vertical (um x muitos) para horizontal (muitos x muitos), onde o interator passou a participar de sua construção, através de ferramentas elaboradas para tal.

    O conteúdo é filtrado e organizado através da inteligência coletiva (usuários) e não por "robots".

    Com um nível mais participativo, o usuário (interator), pôde experimentar o que convém também se chamar de "experiência rica", ou seja, um aumento no grau de satisfação, próximo ao sentimento de felicidade em executar tarefas com êxito na vida real.

    Aproveitando-se da "onda", as empresas sentiram o poder do novo jeito de se pensar a web e passaram a centralizar seus projetos no usuário, atendendo às suas expectativas e consequentemente, aumentando o volume de novos negócios a serem alavancados.

    Como já foi dito aqui, não há milagres na técnica ou algo parecido que passou a permitir tal proeza, mas sim apenas, a própria evolução da teia, utilizando-se amplamente de seu poder de conexão "muitos x muitos" entre seus "hubs" e "nós".

  52. Pingback: pedrorafa.com
  53. Pingback: eroticr concentra o erotismo do Flickr e do Youtube no BlogueIsso!
  54. Agente pode classificar o termo "WEB 2.0" como comercial, para vender, que as tecnologias empregadas são antigas e não surgiram agora.
    Nós podemos pensar por outro lado, todo meio de fazer algo deve ter um título ou alguma coisa que de significado, imagine vc falar que fez um site que tem interação com o usuário, diversas ferramentas integradas e relacionamento, fica meio volatil, não tem uma padronização, por isso o termo WEB 2.0, porque WEB 2.0, porque esse é um novo geito de se criar página, sites, portáis. Na velocidade que as pessoas tem acesso a internet temo que criar coisas que sejam fáceis para serem "digeridas" para os usuários, o termo WEB 2.0 é isso, é um meio de divulgação, assim como todo meio de divulgação faz com que algumas pessoas ganhem dinheiro com isso.

  55. Pingback: about:blank » Blog Archive » Será que vai existir uma web 3.0?
  56. Realmente corajoso , como foi dito no comentário #3 até porque o que me trouxe a este site foi justamente uma pesquisa para saber de fato os reais beneficios até porque até agora não vi nada de diferente de fato…

  57. Bicho! Achei muito interessante o teu ponto de vista, mas devo botar o meu. Concordo com vc quando fala que não é nada de novo, que só ficou popular, e outras pessoas fazem mal uso do termo Web 2.0, entre outras coisas. Mas o termo Web 2.0 é uma referência de como se ve a internet hoje em dia. Não mais como simples fórum (para mostra que tal pessoa sabe + que a outra). Não sei qual é seu conhecimento técnico sobre o assunto. Pense: Os preços cobrados sobre criação de website é encima de paginas e não de link's como na maioria do mundo. Outra é que o fator plataforma não se refere ao Google (pesquisa web) + para outros ramos que o google propõem "aplicativos web" não parece novidade quando agente pensa pequeno realmente, mas imagine trabalhar com autocad, fotoshop, oracle. Paresse viagem mais é esse o futuro pq hoje são só planilhas e mapas, + não duvido que isso ocorra e acho que ninguém!
    (von Neuman não pensava no notebook e olha ai!)

    Gostei de muitos dos depoimentos ai, mas falar que "não mudou nada" acho que é exagero (a maneira de como se programa, o preço que se cobra, arquitetura de comunicação cliente-servidor) Meu amigo se vc fazia antes o que o AJAX propõem parabéns vc é pioneiro nessa mudança e ai vc tem direito de falar isso. Deixo claro que não sou "definidor" de conceito + posso fazer um comparativo um pouco inocente e confiante: "AJAX pode se tornar um RUP da Web e como o RUP não é recomendado para tudo, só para 90% dos casos".

    E outra, sem dúvida que o termo é comercial, pq quem vive de Web sabe que é mais fácil explicar Web 2.0 do que um monte de tecnologia!

    Valew e gostei do post!
    Obrigado por postar minha humilde opinião!

  58. EM MEU VER!!!

    Nunca li ago sobre o Web 2.0 Apenas faço a minha parte em qualquer lugar idependente de onde eu esteja…
    Nao gosto de dar opinioes tambem… Por sinal esta a é a primeira vez que vou escrever opiniao na internet…

    Há 10 anos atras quando a internet foi aberta ao publico, era comum de se ver páginas com conteúdos irrelevantes e uma publicação massificada de imagens GIFs. Era as famosas páginas "Tem Tudo", no qual seu conteudo poderia variar de simples textos até downloads de ferramentas "completo". Não tinha em si um tema principal e muito menos um foco e um objetivo. Tratava-se de algo completamente poluido e desnecessário.
    Hoje, o internauta está mais exigente. O usuario da rede nao quer mais estar navegando em uma página sem ter um motivo. A página "Bonita porque tem muitos GIFs" não é mais um diferencial, por sinal, aquelas que ainda se propoem a utilizar esse metodo de exibição estã justamente com um pé ao fracasso. Essa evolução se trata de que entao??? Creio que seja Web 2.0 Isso é a minha visao!!!

  59. Pingback: Netlus » Blog Archive » Validador Web 2.0
  60. Este texto veio de encontro ao meu pensamento que inclusive postei numa comunidade chamado web 2.0 no V6.com. Apenas gostaria de acrescentar o comentário do post 13, do Caio, onde a criação de um nome bonitinho ajuda a promover o conceito e mostrar as empresas (nem que seja na marra) que estas ferramentas ajudam a promover o trabalho.

  61. Pingback: Júlio Greff » Arquivo » E a tal da Web 2.0?
  62. Acho que a reciclagem dos conceito é muito válida. Web 2.0 existe sim e é simplismente um conceito e conceitos gerão padrões e os padrões web são algo q nós programadores e usuários buscamos desde os mais remotos tempos da web. Chega de POG vamos estudar, nos reciclar, ENTENDER OS CONCEITOS e criar uma web sem "IF".

    À proposito não confundam web 2.0 com ajax.

    http://blog.elcio.com.br/web-20-pe-no-chao/

  63. Oi pessoal,

    Este artigo foi escrito há um ano e meio. De lá para cá, as coisas ficaram mais claras, desenvovledores brasileiros começaram a produzir serviços web voltados ao público Brasileiro e coisas mudaram e melhoraram.

    Existem arestas mas considerem o contexto e tempo que o artigo foi escrito.

    Abraços,

    Luis

  64. Pingback: Ajax: computador tagarela « Anotando
  65. Bom, entao a maioria aqui aceita dizer que WEB 2.0 nao é nada?

    Entao volta pro seu mundo de dinossauro e vai fazer "sitezinho" com gifs animados, pq desde que comecei a desenvolver com a suposta web2.0 a 2 anos e meio só ganhei em lucratividade, e velocidade, agilidade se eu continuar fico o dia inteiro dizendo

    Sempre tem os contra e prós só que desta vez só tive prós;

  66. Acho que você também está confundindo função e forma ao falar de web 2.0 dessa forma.

    E, não estou defendendo esse conceito "web 2.0". Apenas estou vendo na prática que estamos mudando e para melhor, agora chamem isso como quiserem, o fato é que está mudando!!!

  67. Pingback: Lucas Balzer » Blog Archive » Web 2.0 não existe!
  68. É realmente. Você tem toda razão! O impressionante é que perdemos mais tempo ainda comentando sobre o assunto. Hehehehehehehehehee… putz!!!! 😀

    Valeu!!!!

  69. Acho que o que existe é uma confusão entre entre conceitos e paradigmas de desenvolvimento e buzzwords como "Web 2.0". Mas não vejo nada de mal em nomear algo que tem certas características definidas. Na minha interpretação, a Web 2.0 é junção de novos designs e práticas de desenvolvimento que na verdade já existiam mas que eram subutilizadas, que buscam proporcionar maior interatividade e facilidade tanto para o desenvolvedor quanto para o usuário, desde que utilizadas de maneira correta. Na verdade não foram as tecnologias que mudaram, mas sim como as utilizamos para proporcionar experiências mais ricas para os usuários.

  70. web 2.0 ou não, nao me importa, o importante é se vale apena embarcar nessa onda, no caso acredito que essa onda é de mão dupla, porque o usuário pode participar mais denchando o conteudo do site a sua cara e ainda ajudando o site a ganhar dinheiro. acesse: http://www.meupcweb20.achei.la e verá que estou dentro sendo web2.0 ou não!!!

    Falow!!

  71. Pingback: | Freek: Marketing & Cia
  72. Realmente, web 2.0 acho muito importante, pessoal, nao importa o nome, o importante é que, o recurso é importante e atraente e que funciona. Só em saber que eu nao preciso instalar um programa de planilha no meu computador, visto que tenho tudo isso na internet, é extremamente bacana, não vou precisar de muito espaço no computador e nem precisar anexar a planilha no meu email, pois quando se usa web 2.0 tudo fica mais prático e rápido. acho que o web 2.0 ta precisando é mais exemplos na prática. vocês não acham???

  73. Pingback: Web 2.0? Farsa! | Muita Pimenta
  74. Pingback: Ferramentas Online: EmailValido, Mindmeister, My Fax, Migre.me e Free Twitter Designer - Fabio Alexis Blog
  75. Pingback: Web 2.0 não existe | M.E. Linka
  76. É tenho que admitir que a maior fragilidade da web está no fato de que nenhum avanço pode realmente ganhar forçar se a maioria das pessoas que produzem matérias para ela não quer!
    Se a web é a mesma e se nada mudou bom tenho dividas quanto a isso! Sou programador e trabalho com aplicações web a um pouco mais de um ano e venho de ambiente desktop. Bom é o seguinte posso não ser especialista em web e nem em segurança sei que isso é primordial, mas nesse pouco tempo que estou programado para web reparei que como muitos já comentaram na maior parte da web nada mudou e a verdade é mais por comodismos do que limitações. Dois exemplos é o conceito de Ajax que demorou a ganhar forçar e em muitos casos acaba sendo subtilizado pelo fato dos desenvolvedores não quererem não quererem mudar a forma a qual eles programa vão alegando que é inseguro; porem quando uma firma como a Google explora uma esse novo conceito as pessoas estranham de se falar em web 2.0?
    Outra dificuldade que acredito ter superado é a de utilização de abstração de banco de dados no PHP. Sei que em alguns casos as funções nativas podem até ter um rendimento melhor, mas em se tratando de aplicação web a portabilidade de banco pode pesar mais que um pequeno ganho que podemos ganhar com as funções nativas.
    Uma coisa que infelizmente muitas pessoas não distinguem muito e é de vital importância é que Web Sites e Aplicações Web não são as mesmas coisas e ai que entra a maior diferença, pois quando se fala em Internet como plataforma para aplicativos nos podemos nos referir as diversas Aplicações web que vão surgindo. Portanto vocês pode até falar que a Web 2.0 não existe mas não pode ignorar o fato de que a Web está sim mudando e não é apenas uma maquiada e sim na forma com que os conteúdos estão sendo tratados um exemplos é o Html5 com tags para exibição de vídeos coisa que a anos atrás era considerado impossível! .Então a maior decisão que temos que ter é se vamos ficar resmungado se nada muda ou se vamos nos esforçar para acompanhar esse processo de mudança que a web está sofrendo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *