Vivian Maier, a fotógrafa que era babá!

Vivian Maier auto-retrato Um garoto de 26 anos chamado John Maloof, comprou algumas fotografias no leilão de uma casa de penhores com a intenção de ilustrar uma pesquisa sobre a história de um parque e de sua vizinhança em Chicago, cidade onde mora nos Estados Unidos. Essas fotografias por sua sua vez chegaram na casa de penhores através de um corretor, que vendeu algumas caixas de sua inquilina — aparentemente a própria fotógrafa — por falta de pagamento. Maloof ao adquirir as primeiras fotografias em 2007, recorreu a mesma ação na casa de leilões para adquirir várias outras, incluindo rolos de filmes que nunca foram revelados. Até então o garoto não sabia qual era o nome da fotógrafa e supunha apenas que ela era francesa. Em um dos últimos lotes de fotografias adquiridas, John Maloof — que aparentemente tem sido o principal curador da obra da fotógrafa — descobriu sua identidade até então anônima: Vivian Maier. Ao buscar na internet por seu nome, ele encontrou seu obituário com data de falecimento de apenas alguns dias antes.

Vivian Maier, nascida dia 1 de Fevereiro de 1926 em Nova Iorque e falecida dia 21 de abril de 2009 com a idade de 83 anos. Apesar de americana ela cresceu na França, cujo local exato ainda é desconhecido. O que mais chamou a atenção da mídia é que ela foi babá durante 40 anos. Ela trabalhou também para um casal de Chicago, já identificados na pesquisa de Maloof, durante 14 anos. A partir do acervo sabe-se que ela viajou por alguns lugares do mundo como Argentina, Filipinas, Tailândia, China, Egito, Itália dentre vários outros. Parte desse acervo de informações sobre ela inclui milhares de rolos de filme (mais de 100.000 mil), algumas máquinas fotográficas, objetos pessoais e fitas cassete com conversas e algumas entrevistas com pessoas que ela fotografou. Muito desse material ainda nem teve seu conteúdo revelado. Em um post no blog “Vivian Maier – Her Discovered Work” o pesquisador revela as seguintes informações sobre a vida da babá (tradução minha):

Vivian veio da França no início dos anos 30 e trabalhou em uma fábrica (do inglês “sweat shop”) em Nova Iorque quando tinha mais ou menos 11 ou 12 anos. Ela não era Judia e sim Católica ou como eles disseram, uma anti-católica. Ela era socialista, feminista, crítica de cinema e uma pessoa de personalidade. Ela aprendeu inglês indo a teatros, que era uma de suas paixões. Ela vestia jaqueta e sapatos masculinos e um chapéu a maior parte do tempo. Ela estava o tempo todo tirando fotos que não mostrava pra ninguém.

A primeira vez que eu vi as fotos dessa mulher fiquei impressionado. O que eu acho de mais extraordinário no trabalho dela é a beleza das composições, os desenhos, linhas, composição e mais composição. She blow up my mind. A sensação que eu tenho olhando para suas fotos é a de uma mulher curiosa que caminhava sempre com a máquina no pescoço e com olhar atento a qualquer detalhe que dali pudesse ser extraído algum punhado de instantes a serem registrados. Em suas fotos há registros de ricos, pobres, mendigos, crianças, trabalhadores e transeuntes. Uma aventureira que documentava o próprio olhar. Eu sou apaixonado pela grandeza de histórias de pessoas comuns como a “simples” babá fotógrafa, e de como elas guiam suas vidas de alguma maneira cercadas por aquilo que tem paixão. Se negar isso na vida, você morre de frustração. Essa mulher me dá um pontinha de esperança em meio a esse mundo maluco e cheio de bizarrices em que vivemos.

Vivian Maier, vídeo e fotos

Veja abaixo algumas fotos publicadas por seu curador John Maloof:

Um programa de TV americano, o Chicago Tonight, fez uma excelente reportagem sobre Vivian Maier de apenas 9 minutos (em inglês). Vale a pena assitir:

10 Responses to “Vivian Maier, a fotógrafa que era babá!”

  1. licedoa

    Realmente uma fotógrafa brilhante que exercia quase a função de jornalista porque ela dava vida às fotografias tiradas através das entrevistas que fazia. Fiquei realmente interessada no trabalho dela, parece um pouco comigo, mas eu geralmente fotografo o céu, enquanto ela fotografa muito a terra, as pessoas.
    =1

  2. Henrique, certeza que o Henri Cartier-Bresson está muito feliz "lá em cima" com a chegada dessa mulher! Realmente muito bacana a história de vida dela e, claro, seu acervo fotográfico. Feliz do carinha que descobriu essas imagens, e nós, que curtimos fotografia.

  3. Haroldo Miller

    O legal é isso: acessar um blog que fala de tecnologia e, entre um café e outro, tambpem ler assuntos ligados a arte, fotografia…

  4. Maravilha de descoberta, realmente um incentivo ao exercício do olhar e uma sensibilidade gritante!

  5. Darci de Oliveira

    Darci de Oliveira :

    Vivian Maier é uma artista extraordinária. A exuberante composição de suas fotos , nos remete a um universo de estranha e complexa genialidade , de causar inveja ao grandes ícones da fotografia. Ainda muito ouviremos falar sobre ela !

  6. Atacado bolsas

    Nossa que historia bacana e que mulher sensacional!!
    Que pena que todas as coisas boas só foram descobertas após a morte dela.

  7. Lindas fotos,que bom ve uma historia tão bonita de uma fotógrafa que assim como eu tbem era babá, e fotógrafa.muito bom!

  8. celia cariello

    Maravilhosa descoberta, estou encantada com toda essa história da Vivien Maier, uma babá que vivia fotografando o cotidiano de pessoas desconhecidas, eternizando esses momentos.
    Parabéns ao Maloof que descobriu o acervo desta mulher extraordinária.

  9. Flavio Lira

    Comprei este livro e fiquei maravilhado, emocionado, feliz com a arte dessa grande mulher…sua história é digna de um filme!

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>