Links quebrados e páginas de Erro 404

Imagem ilustrativa de uma corrente sendo quebrada para ilustrar o conceito de links quebrados. Links quebrados, também conhecido em inglês como broken Links ou link rot (link podre ou estragado) são links que não mais levam o usuário para onde originalmente deveria levar. Em outras palavras, são links para páginas inexistentes. As causas disso são variadas, como um site que deixou de existir ou uma página que foi migrada para outro local devido ao redesign do site ou a página foi deletada, etc. Continue reading “Links quebrados e páginas de Erro 404”

Web Standards? E agora José?

I heart Web Standards Eventualmente converso com algumas pessoas “das antigas” sobre os famosos padrões web, sobre boas práticas de XHTML e CSS e sempre fico me perguntando onde chegamos e para onde estamos indo. Este texto é uma reflexão sobre isso. O que já alcançamos e o que está pela frente. Continue reading “Web Standards? E agora José?”

Convite de lançamento do escritório da W3C aberto ao público

Dia 4 de junho próximo haverá um evento de lançamento aberto ao público do escritório da W3C no Brasil. O evento ocorrerá em São Paulo, no Centro de Convenções Fecomércio na Rua Plínio Barreto, 285 – Bela Vista, São Paulo/SP. O evento é gratuito, entretanto é necessário o credenciamento com antecedência. Continue reading “Convite de lançamento do escritório da W3C aberto ao público”

Acessibilidade e o WCAG Samurai

Confesso que escrever sobre acessibilidade e o WCAG Samurai me atrai muito ao mesmo tempo em que acho um pouco nebuloso. Mas nebuloso pelo contexto e não pelo assunto em si. Talvez seja por isso que praticamente nada (com exceção do texto do Ivo Gomes) que está em Portugal) tenha sido escrito em português sobre a errata do WCAG Samurai. Nada. Vamos do início e ver o que acontece… Continue reading “Acessibilidade e o WCAG Samurai”

Algumas questões em torno do desenvolvimento de sites para dispositivos móveis

Provavelmente este texto é mais um início de uma série de reflexões naturais que virão com o tempo sobre desenvolvimento de web sites para dispositivos móveis. Ultimamente tenho lido e estudado mais sobre os diferentes caminhos que podem ser tomados para construir sites acessíveis e bem adaptados para celulares e PDA’s. E o mais importante de tudo é como fazer e tomar essas decisões no contexto de HOJE e não amanhã. Este texto então vai colocar mais minhoca na sua cabeça do que te ensinar algo. Mas já é um começo se você ainda não parou para pensar sobre desenvolvimento para dispositivos móveis. Continue reading “Algumas questões em torno do desenvolvimento de sites para dispositivos móveis”

A reação da reinvenção do HTML: Vamos fazer um pouco de pressão?

Fazer pressão foi o termo mais apropriado que encontrei para um texto recente escrito pelo Roger Johansson, Molly E. Holzschlag, Lachlan Hunt e revisado pelo Ian Hickson e também publicado no Web Standards Project (você que não lê em inglês pode ter acesso a uma tradução aqui) em reação ao texto do Tim Berners-Lee e que eu escrevi algo sobre isto aqui. Em resumo o texto convida todo mundo a dar voz sugerindo novas features ao desenvolvimento do HTML 5 já iniciado pelo WHATWG. Esta é a mais forte apologia já feita pelo Web Standards Project a uma padronização que não tenha surgido de dentro da W3C.

Continue reading “A reação da reinvenção do HTML: Vamos fazer um pouco de pressão?”

Reinventando o HTML: o futuro da linguagem de hypertexto

Esta semana Tim Berners-Lee deu uma resposta a certos aspectos das recentes discussões sobre os rumos da W3C com o texto Reinventing HTML. Não só colocou panos quentes na discussão como falou sobre os planos futuros da W3C quanto ao HTML. No texto ele mostrou-se como um pacificador e visionário por um lado e um pouco conservador de outro. Enquanto Eric Meyer chamou os avanços de iniciativas como Microformats e WHATWG de “progresso”, Tim nem cita ou considera microformats como parte da “reinvenção do HTML” e apenas referiu-se ao WHATWG como “não tendo um processo ou responsabilidade final específica que mensure a si mesmo” (Trecho original: did not have a process or specific accountability measures itself). Um pouco conservador não?

Continue reading “Reinventando o HTML: o futuro da linguagem de hypertexto”