Precisa de ajuda? Faça me sorrir

Estava conversando com uma galera muito interessante pelo Skype dias atrás, o Leo Faoro e Ricardo Bicalho do Meio Bit e o Cardoso do Contraditorium, sobre várias coisas e dentre elas sobre uma ideologia que parece tomar conta dos brasileiros quando o assunto trata-se de valorizar o trabalho intelectual alheio. Dentre os diferentes tipos de estímulos e respostas existentes entre quem escreve para a web uma que tem grande importância é a publicidade, ou os famosos “ads” e as diferentes possibilidades de um site se manter no ar financeiramente. E vira e mexe alguém ataca esta idéia de uma jeito ou de outro.

Uma das formas que nós humanos percebemos o mundo e nos relacionamos com ele, é através da fórmula estímulo/resposta formulada por Skinner. Somos todos condicionados em muitos aspectos da vida. Não fique encanado com isso e não pense que condicionamento é coisa de camundongo de laboratório. Muitas vezes aquilo que nós nos envolvemos está relacionado com um estímulo que recebemos, e o sucesso que isso pode ou não acarretar pode estar relacionado com a quantidade e o tipo de estimulo que recebemos. Há vários tipos de estímulos que me mantem escrevendo aqui e um desses em especial pra mim é a quantidade de pessoas incríveis que eu conheci de outros blogs, pessoas que foram parar no meu Skype e Messenger e que aprendi a apreciar os seus trabalhos e que também apreciam o meu. Outro grande estímulo que um blog pode ter é o feedback do seu próprio público. Esse retorno, esse feedback, essa “resposta”, vem de várias maneiras e uma delas é o retorno financeiro que um site pode trazer.

Muitos imaginam que compartilhar “coisas” de graça na web deve ter uma glória moral maior do que a necessidade de sustento pessoal, de colocar comida no prato e maior do que trazer o pão nosso de cada dia para casa. Algumas pessoas defendem que até o trabalho intelectual deve ser “open source”, deve ser livre. Por isso que obviamente quem sustenta essa opinião, nunca deve ter trabalhado na vida e deve ser sustentado pelos pais, naturalmente. Essa deve ser a única explicação para alguém pensar assim. E recentemente algumas críticas surgiram nos blogs quase que como um levante contra os sites que vinculam publicidades em seus conteúdos. Qual a razão dessa indignação?

Nessa história eu me pergunto que diferença faz um escritor ganhar alguns trocados com publicidade e em que isso atrapalha na qualidade do que você lê aqui no meu site ou em qualquer outro?

Aproveitar o tráfego gerado pelo seu site para tentar tirar alguma renda, aumenta muito mais probabilidade do conteúdo melhorar proporcionalmente ao retorno financeiro que ele traz (lembra de Skinner?) do que um site que não traz nenhum retorno. Alguém ainda discorda disso? Se eu resolver colocar um banner no meio do meu artigo isso faz do meu site um prostituto? Quem acha um site “imoral” não precisa mais voltar e nem precisa se dar ao constrangimento de avisar o escritor disso. Em primeiro lugar se um site tem um tráfego interessante, de alguma maneira ele já deve ter algum valor social. Caso contrário o tráfego seria inexistente. As pessoas que escrevem sobre tecnologia (pelo menos as pessoas sérias e que levem seus sites a sério), se esforçam intelectualmente para compreender e aperfeiçoar em suas áreas, para amadurecer seu próprio trabalho e suas contribuições com a comunidade e se fazer isso se transforma em uma fonte de renda o que há de errado?

Para citarJoão Ubaldo (o artigo ) não está mais disponível), vejam o que ele diz sobre a visão brasileira do trabalho intelectual:

“Acho que foi o Paulo Francis que se queixou, já faz algum tempo, do volume de trabalho de graça que aqui esperam dele. Agora me queixo eu. O Brasil, me parece, é campeão nesse tipo de prática. As pessoas esperam que o escritor trabalhe de graça o tempo todo e ficam grandemente ofendidas quando ele se recusa.”

Continuo recebendo cada vez mais e-mails do tipo que me pedem alguma coisa. Geralmente eles começam o primeiro parágrafo (para os poucos que sabem pelo menos o que é um paragrafo) elogiando o meu site e colocando-o nas alturas, numa tentativa de massagear o meu ego para depois extrairem o que precisam. Depois de bem massageado eles começam a pedir análises, consultas, dicas específicas, código e outras coisas prontas. Certa vez eu cheguei a enviar um orçamento e a pessoa se sentiu ofendida. Será que é minha obrigação enquanto escritor e profissional de tecnologia fazer o papel de consultor de graça? Meus amigos blogueiros também sofrem das mesmas inconveniências e muitas vezes alguns leitores reclamam que eles não respondem e-mails.

Outros quando são moderados nos comentários dos sites, chegam ao ponto até de apelar para recursos politicos declarando que “isso aqui é uma democracia”, “você não pode me excluir”, “eu tenho direitos”. É claro que não. Não são os impostos dos leitores que pagam o hosting, não são os seus impostos que sustentam o escritor e que lhe confere o privilégio de escrever em um site, não é o leitor que paga o domínio e nem nada. Muitas vezes um perfil de leitor que gosto de chamar de “ocupante” e “retirante”, que são aqueles caras que apelam para o discruso democrático e que “ocupam” certos blogs, geralmente são os mesmos que reclamam da publicidade.

Criei minha conta no PayPal quase que por vingança. Por favor, não me levem a mal. Eu recebo centenas de e-mails pedindo de tudo que você pode imaginar. Já me pediram até computador aqui no site. A cada e-mail que eu receber de alguém pedindo algum tipo de consultoria, eu vou sugerir que a pessoa faça uma doação mesmo que simbólica no valor da importância que a minha contribuição tem para o problema dela. E após feita a doação terei o maior prazer em ajudá-la no que for preciso. Basta você saber um pouquinho de inglês, dispor de alguns minutinhos e nem precisa ter conta na PayPal. Basta clicar no botão ao lado e ir seguindo os passos. Em alguns instantes você pode transferir uma quantia em dinheiro para o Revolução Etc. Todo benefício quando é mútuo forma dois sorrisos no mínimo. Eu quero te fazer sorrir mas eu também quero esboçar meu próprio sorriso, porque não?

Leia o Cardoso do Contraditorium que me inspirou:

UPDATE: Outros textos que de alguma maneira contribuem com a discussão:

  • André Pessoa

    Eu acho que você misturou assuntos que não se relacionam diretamente entre si, como a questão da publicidade e do "trabalho intelectual grátis".

    Essa frase do Ubaldo que você citou é bastante conhecida. Ele já escreveu várias crônicas sobre essa questão. Realmente não tem fim a sem-noção de algumas pessoas. Por outro lado, João Ubaldo Ribeiro jamais faria publicidade ou merchandising no meio de seus livros. É algo que não combina com a mídia dele.

    Apóio totalmente que blogs usem a publicidade para obter receita, desde que com bom senso (propaganda muito intrusiva afasta leitores). No entanto, existem dilemas éticos relacionados a isso. Num veículo tradicional, existe o conceito de "Muralha da China", ou seja, uma separação total e absoluta entre o que é conteúdo editorial e o que é publicidade. Os jornalistas nem sabem onde fica a sala do departamento comercial, e os contatos de mídia nem entram na redação. Num blog, isso é uma coisa muito mais complexa, pois ele é feito por poucas pessoas, ou por uma única pessoa. Fazer a separação do jeito certo acaba dependendo mais do voluntarismo e firmeza do autor do que de uma arrumação institucional que deixe as duas coisas bem longe uma da outra.

    Imagine um leitor que gosta do seu blog mas é uma pessoa com senso crítico apurado. Uma aproximação maior do blog com a publicidade poderia fazê-lo pensar, por exemplo, o seguinte: "será que esse livro que entrou na resenha, foi porque ele é bom mesmo, ou porque o Henrique recebe uma comissão do Submarino ou até da editora pra inclui-lo?". Dilemas da comunicação moderna.

  • http://www.brunodulcetti.com/blog/ Bruno Dulcetti

    bela abordagem… essa parte da publicidade eu concordo… estou criando um novo modelo para meu blog/site e retirei a parte de ads, mas isso fica a cargo de cada um… eu acho que o retorno não é o suficiente, fora as várias reclamações que já vi de cancelarem a conta logo depois de atingir o valor mínimo, etc…

    agora essa parte de consultoria eh foda mesmo… sou moderador do fórum de webstandards do imasters e sei como isso funciona… as vezes naum ligo de dar uma ajuda (dependendo do tamanho do problema, lógico), mas o pessoal abusa… Conteúdo é o q naum falta na net… eh a velha mania do relaxamento, de perguntar "como que eu faço isso?" ao invés do "onde eu errei no que eu fiz"… As pessoas nem começam, vão pedindo algo pronto, como vc mesmo disse, naum se esforçam em procurar, pesquisar, ver codigos fonte, etc… E ainda por cima, reclamam qnd naum respondemo, como vc mesmo disse…

    É, isso tudo é um pouco de absurdo, mas tb porque as pessoas acostumaram com as "revistas" de webdesign, que mostram conteúdo, códigos prontos, layouts prontos… ae esses "webdesigners" pensam que nós tínhamo que fazer o mesmo…

    Um dia isso muda… assim espero ;)

    akele abraço henrique

  • http://cirofeitosa.com.br/ Ciro Feitosa

    Essa questão de receber diversos e-mails dos mais diversos assuntos, acontece com qualquer um que comece a se "destacar". Se você está tendo uma receita legal com os anúncios, paypal, etc., não vejo porque retirá-los. Isso faz parte, afinal, você mantém este blog de graça.

    No meu caso, retirei os anúncios do Google, pois eles já não me davam receita legal, e só fazia polui o blog.

    Indo mais além, já parou pra pensar na quantidade de consultorias que fizeste apenas postando textos de boa qualidade e fazendo com que pessoas tenham-o como base? Pois é. Só nós mesmos pra correr atrás do "pão de cada dia". Avante companheiro!

  • Luciano Lobato

    1) Interessante como você tocou nessa questão de resposta-estímulo. Embora não fosse esse o foco da questão, me chamou a atenção para o uso de conceitos científicos para justificar seu ponto. Gostei. Escrevi um artigo relacionado com isso (sobre influências no comportamento do usuário através da interface do ponto de vista da abordagem do Skinner) no meu blog. Sinta-se a vontade para criticar.

    2) Essa questão da publicidade é complicada mesmo. Tem um texto (não lembro o link agora) que falava dessa questão com uma metáfora: do encontro entre os mundos omega e alpha. Na internet é uma anarquia, mas na "vida real", ainda vivemos no capitalismo. E aí? O que fazer? Acho o teu ponto de vista válido. Nem só de atenção social vive o homem hehe

  • Wagner Rodrigues

    Reclamar de publicidade? Tem uns "esquerdistas de merda" na área de tecnologia que são tão ignorantes e tão atrapalhados em suas ideologias mal absorvidas, que tem a coragem e a cara-de-pau de usufruir de um conteúdo de qualidade e depois sentir inveja do autor porque ele pode estar ganhando algum trocado com isso. Coisa de asno.

    Sobre querer de "mão beijada"… Já cansei de receber e-mail do tipo: "Cara, você é fera, faz um favor: Olhe o CSS do site e me diga porque tá desalinhado no FF". Com todo respeito ao cidadão, me furto ao direito de responder essas coisas. Mas se um dia responder, vou dizer assim: "Cara, já pensou em passar a noite em claro tentando? Eu já fiz isso várias vezes e costuma dar certo".

    Queria ter a sua disposição, Henrique, para fazer um trabalho de divulgação dos padrões tão bem feito quanto faz aqui. Ficaria muito feliz se soubesse que você ficou rico com a publicidade do seu site, mas nós sabemos o quanto isso é difícil…

    Grande abraço, sucesso!

  • Pingback: Bruno Alves » Blog Archive » links for 2006-05-19()

  • Maurício Adal

    Tava dando uma olhada por ai e me veio uma dúvida, talvez vc saiba ou tenha uma opinião.

    No xhtml 1.0 strict não existe target na tag a qual o intuito da w3c em retirar o target?

    []s

  • Pingback: Sérgio Blog 2.3 - Sobre as formas de monetização da expertise...()

  • Pingback: Contraditorium()

  • http://www.felipegomes.com.br Felipe Gomes

    Olá Henrique,

    Primeiramente, meus parabéns pelo trabalho.

    Leio bastante seu blog, porém com a correria do dia-a-dia, que você deve bem conhecer, nem todas as vezes que leio seus textos, tenho tempo para fazer meus comentários. Pois sempre que escrevo, acabo digitando bastante, ai já sabe, né.

    Sobre esse seu post, eu me senti na obrigação de comentar, mesmo porque sábado de noite, às 20h30, alguém solteiro não tem lá tanta coisa pra fazer.

    Mas então, considerei muito pertinente tudo o que falou, compartilho de alguns problemas com você.

    Depois que me tornei colunista de Flash e Actionscript do iMasters (www.imasters.com.br) e MXStudio (www.mxstudio.com.br), com o tempo meus leitores começaram a me mandar e-mails com dúvidas, críticas, dúvidas, sugestões e também algumas dúvidas.

    Sempre faço questão de responder todos no mesmo dia, quando dá. Porém constantemente alguns pensam que sou pago pelo governo ou algo do tipo para dar suporte, ensiná-los e fornecer toda a sorte de conteúdo que necessitarem. Alguns até finalizam os e-mails dizendo: "Seja breve, preciso terminar o projeto para um cliente essa semana". É mole?

    O tipo que mais aparece é um detalhado por você no post, que começam erguendo o nosso ego, para depois vir com aquele monte de dúvidas e pedidos.

    Tudo bem ter dúvidas, mas assim como eles precisam terminar seus projetos para ganhar dinheiro, nós também precisamos ganhar o nosso! (E como precisamos).

    Me recordo de três vezes nos dois últimos meses ter respondido o e-mail dessas três pessoas com um orçamento para o que estavam me solicitando.

    Apoio a propaganda em blogs sim, afinal, você paga host, paga domínio, dedica seu tempo para escrever (um bom conteúdo) aqui constantemente e garanto que nenhuma dessas pessoas que reclama das propagandas se disponibilizará em pagar tais contas, e tantas outras que existem da porta pra fora, no seu lugar.

    Continue com seu belo trabalho.

    Em breve espero inaugurar meu blog em breve.

    Por enquanto ele está no ar apenas com um post de teste. Mas espero que logo logo esteja funcionando e compartilhando informação relevante na grande rede.

    Fica com Deus.

    Um abraço,

    Felipe Gomes
    http://www.felipegomes.com.br | [email protected]

  • http://sergioflima.pro.br/blogs/index.php/sergio-blog/ Sérgio Lima

    Olá Henrique!

    Eu não achei que você confundiu skinner com Open Source ;-) Eu disse que você *misturou* Skinner com uma idéia equivocada de open source. No sentido que seu texto dá a entender que não ser remunerado (viver as custas de alguém) é o foco do open source. Não é, mas não vem ao caso agora.

    De qualquer modo, é interessante o modo como você trata as opiniões divergentes (nem tanto neste caso). Todos nós ganhamos quando a discussão qualificada de idéias se mantém em nível elevado!

    Parabéns pela postura madura, ainda rara na blogosfera brasileira ;-).

    E por último, mas não menos importante, é o conjunto da obra que a credencia, e no caso do Revolução, é até desnecessário constatar que ele (O Revolução) está nos feeds de 10 entre 10 blogueiros antenados!

  • Pingback: Sérgio Blog 2.3 - Formas alternativas (?) de monetização da expertise()

  • Francisco dos Santos

    Fazendo um paralelo com o dia-a-dia, posso dizer que no meu trabalho e relacionamentos existe uma diversidade enorme de idéias e pontos de vista nem por isso fico cobrando de cada um as divergências que, naturalmente, existem.

    Na questão dos Blogs, procuro aproveitar a informação da melhor forma possível e deixo o restante a cargo do responsável do Blog/Site.

    Se desejo fazer alguma sugestão, eu faço, mas sem imposição.

    Para mim , pelo menos, não tem sentido querer definir que um Blog deve fazer isso ou aquilo apenas porque não gostei.

    Perde totalmente o sentido querer aplicar regras, ultrapassadas, de controle (faça isso, faça aquilo…).

    A atitude de inspirar os outros com novas idéias, sem imposição, com certeza irá melhorar o conteudo dos Blogs/Sites.

  • Rey

    Acho que a partir do momento que uma pessoa paga por algo, mesmo que seja uma "doação" em quantia mínima, ela vai esperar um retorno com certeza, e do jeito como algumas pessoas são abusadas com os pedidos, imagino o que não fariam se estiverem pagando pela informação.

    A não ser que vc faça disso um trabalho de tempo integral, só vai ter dor de cabeça e uma caixa de email cheia de desaforos.

  • http://www.inovastudio.com/home/ Rael B. Riolino

    Nada mais justo…

    Concordo plenamente com seu ponto de vista. Infelizmente o povo brasileiro é muito acostumado à "opção mais fácil". Estou com problemas para fazer isso? pra que procurar um tutorial, ou mexer no help e me virar sozinho? Vamos la perguntar naquele forum, blog, ourkut, ou para aquele cara legal que entende do assunto…

    Infelizmente quando se da uma mãozinha, o pessoal puxa logo o braço. Sempre leio os artigos daqui, coisa que me enriquece muito, e nunca tive a oportunidade de agradecer…. vou aproveitar a situação para agradecer pela sua disposição de postar materias que enriquecem nosso conhecimento e de nos ensinar coisas que nem ao menos pensavamos em aprender.

    Muito obrigado cara!

    Rael

  • Felipe Ranieri

    Concordo plenamente com você Henrique. Alguns pontos da sua matéria já foram discutidos em outra ocasião, porém, infelizmente continuam atormentando profissionais, colaboradores, ou simplesmente donos de blogs afim de enriquecimento cultural (o que é o meu caso).

    Deixarei aqui o mesmo manifesto feito por mim na época da outra discussão(em outras palavras): Quer informação? Google.com, se não encontrar, repense sua estratégia e os métodos utilizados. Ainda assim não conseguiu o que queria? Procure um profissional de sua preferência e seja feliz, por que consultoria de graça é pedir demais e, ainda, vagabundagem demais.

    Parabéns novamente pelo post Henrique, abraços!

  • Pingback: DotZero » Consultoria Gratuita()