Pra não dizer que não falei das flores

charge xô Sarney Acredito que um dos maiores feitos alcançados pelos blogs nos últimos anos no mundo é a capacidade de descentralizar a informação da mídia tradicional. Mesmo que a quantidade de brasileiros conectados à internet ainda seja relativamente pequena, o poder de alcance que um bando de blogueiros conseguem juntos obter é tamanho. Talvez estejamos iniciando a época em que o blog seja mais poderoso que a caneta, porque a caneta já é mais que a espada há muito tempo. Mais vale uma palavra escrita em um blog à la WordPress e Blogspot do que um texto em um pedaço de papel. Acreditas que revoluções poderão nascer nos blogs? Danton que se cuide. E se depender do cenário brasileiro, logo logo será necessário ir a bastilha (leia-se congresso nacional) cavalgando em nossos blogs e aguardar os processos chegarem. Tudo isso porque não faz muito tempo que um blog recebeu uma execução sumária da UOL a pedido do senador do Amapá, José Sarney (ou seria o TRE?), pela publicação de uma charge. Essa aqui ao lado. Outro por causa de um comentário de um autor.

A última notícia recente que me lembro sobre a publicação de charges relacionadas com censura foi a do jornal dinamarquês que publicou uma charge de Maomé e recebeu represálias do mundo árabe. No Brasil, um coronel, ex-presidente do Brasil, andou fazendo um pouco de pressão colocando o nosso país ao lado do Irã, China e recentemente a Índia no que se refere a censura a blogs. Após um pedido dos advogados do Sarney para a blogueira terrorista (porque agora blogueiro que fala o que pensa é terrorista) “convidando-a” para não mais escrever nada contra o Sarney seguido da negação da jornalista, “em ligação recebida em seu celular (Alcinéia) às 20:34, outro “amigo de Sarney” afirma que se a “briga” não fosse encerrada a coligação União Pelo Amapá entraria com ações contra “os jornalistas Cláudio Humberto, Chico Bruno, Alcilene Cavalcante e todo e qualquer jornalista ou blogueiro que se manifestasse contra Sarney“, citando Alexandre Inagaki. Leiam o texto completo de Inagaki para mais detalhes. Ênfase no qualquer jornalista ou blogueiro que se manifestasse contra Sarney é da minha parte.

A censura chega aos blogs

No dia 23 de agosto de 2006 (informações extraídas do texto do Inagaki, salvo erro) a jornalista Alcinéia Cavalcante publicou em seu blog o um post intitulado “O Adesivo Perfeito” (o conteúdo foi removido) com uma charge do Sarney vinculada. Dois dias depois os advogados de José Sarney entraram com uma ação solicitando a retirada da charge do ar. A jornalista então foi notificada pelo TRE a retirar (o que ela mesmo fez) além da retirada do próprio blog pela UOL sem aviso prévio. Antes ainda deste caso tivemos o caso do Imprensa Marrom, o primeiro blog brasileiro retirado do ar por conta de um processo judicial por causa de um comentário em um artigo que nem foi escrito pelos autores do site. Não, eu não estou falando de blogueiros chineses ou indianos. São blogs brasileiros.

Há vários textos detalhando estes assuntos e se você ainda não está totalmente por dentro eu aconselho que leia. Folha Online , no site “pensar enlouquece, pense nisso” há um resumo de como a campanha xô Sarney se espalhou pela blogosfera, a própria jornalista Alcinéia Cavalcante atualiza a história (o conteúdo foi removido) contando também o caso do marketeiro aproveitador Antonio Melo que disse ter sido o idealizador da campanha “xô Sarney” em entrevista a Veja (no site disponível somente para assinantes – Veja, Edição 1983 de 22 de novembro de 2006) e que na edição desta semana a revista Veja não se retratou em relação as falsas informações publicadas em entrevista com o marketeiro.

No geral, as coisas estão ficando um pouco tensas por aqui. Mas uma das coisas que pouco vi alguém cobrar ou conspirar foi o fato da UOL não se pronunciar publicamente em relação a retirada do blog da Alcinea do ar. Enquanto todos se perguntavam o quão canalha o Sarney era, esqueceram de se perguntar o porque a UOL retirou um blog do ar a pedido de um deputado. Ou foi a pedido do TRE? Numa ação censora como essa há alguma diferença entre os dois? De qualquer maneira este é o bom e velho jeito “casa grande” de fazer política no Brasil, enquanto a zenzala se cala. A UOL então em um rito sumário retirou o blog do ar. Apenas isto. E depois que tudo se resolveu? A UOL liberou o blog da Alcinéia? Ela declarou publicamente porque retirou o blog da jornalista do ar? A Folha (e outras mídias tradicionais) em nenhum momento considerou a hipótese da retirada de um blog do ar por razão censora no Brasil. O nome “UOL” tem algum peso nisso? Isso não te leva a perguntar de que lado o TRE ou a justiça brasileira está? Ao lados dos coronéis ou de quem votou neles?

Meu conselho é que se você quer dizer o que pensa no Brasil, não procure espaços ou hostings brasileiros, senão você poderá ser calado sumariamente. Esqueça o blog da UOL. Olhando pra este contexto, o que fazer contra uma grande corporação como a UOL que acatou a esta decisão censora? Pelo menos para a Alcinea só restou o azilo digital no Blogspot.

Conspiração em torno do registro de usuários

Em suma, quem não está no poder só pode conspirar. Ou seja, eu e você. Não somos todos iguais estejamos de braços dados ou não? Concordando um com o outro ou não? Mas nem todos pensam assim. Recentemente esteve em votação e em conversas sobre o registro de usuários da internet no Brasil. Isso é o equivalente ao registro de mutantes nos X-Men. Estão querendo saber o que você visita, quando você visita, de onde, o que você anda pesquisando tudo em nome da sua segurança e associado a seus dados pessoais. Acredite, é para a sua segurança. Imagine o tráfico de informações que o Brasil não vai se transformar beneficiando as megacorporações é claro (que são as únicas capazes de gastar grana com isso), ao comprar informações de acesso dos provedores a preço de banana pra saber em que você está de olho e o que anda fazendo? Será que o registro de usuários vai beneficiar eu e você? Talvez beneficie o bolso do senador Eduardo Azeredo. Após rondar a mídia e principalmente à Folha, fiquei chocado com algumas considerações. Veja algumas citações e suas respectivas fontes:

Projeto cria cadastro de internautas para inibir crime: O coordenador do Comitê Gestor da Internet do Brasil, Marcelo de Carvalho Lopes, disse concordar com a criação do cadastro, e destacou que o setor trabalha para criar um fórum internacional de controle para combater os crimes na internet. “Devemos consolidar uma legislação e sair na vanguarda do controle”, defendeu.

Entenda a polêmica lei de crimes digitais que será votada pelo Senado: Esta lei se parece em alguns aspectos com o Patriot Act, decretado nos Estados Unidos, após o 11 de setembro. O perigo é se criar um patrulhamento geral da internet, restringindo liberdades civis e individuais”, defende Tavares. A resposta de Opice Blum é que os dados preservados só serão acessados mediante ordem judicial.

Ministério das Comunicações faz críticas ao controle da internet: A Comissão de Constituição e Justiça do Senado votará amanhã o projeto de lei que obriga a identificação de usuários da internet. Os usuários teriam de fornecer nome, endereço, número de telefone, da carteira de identidade e do CPF às companhias provedoras de acesso à internet, às quais confirmariam a veracidade das informações.

O acesso sem identificação prévia seria punido com reclusão de dois a quatro anos. Os provedores seriam responsabilizados pela veracidade dos dados cadastrais dos usuários, estando sujeitos à mesma pena se permitissem o acesso de usuários não-cadastrados.

O relator do projeto é o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), acusado de formar lobby com empresas de certificação digital –“cartórios virtuais”, que atestam a veracidade de informações veiculadas pela internet.

Projeto quer controlar o acesso a internet: “Principais alvos do cibercrime, os bancos e os administradores de cartões de crédito querem a identificação prévia dos internautas. O diretor de Cartões e Negócios Eletrônicos da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), Jair Scalco, diz que não adianta criar leis para punir as fraudes na internet se não houver a identificação obrigatória de todos os internautas. Ele defende que os registros de todas as conexões sejam preservados por pelo menos três anos.

O relator do projeto é o senador Eduardo Azeredo (PSDB), ex-governador de Minas Gerais. Os especialistas do setor dizem que o mentor das mudanças é o assessor de Azeredo José Henrique Portugal, ex-dirigente do Serpro, estatal federal de processamento de dados. O presidente da ONG Safernet diz que, por trás da identificação e da certificação prévias dos usuários da internet, está o lobby das empresas de certificação digital, espécie de cartórios virtuais, que atestam a veracidade de informações veiculadas pela internet.

Fico me perguntando depois de ler isto, de onde e para quem são feitas as leis neste país. É o cidadão comum que está sendo representado, beneficiado e ansiando pela dia em que o registro de usuários estará funcionando aqui, ou é o lobby de banqueiros, empresas de certificação e outras grandes corporações que poderão se beneficiar com o tráfico de informações? Ou você realmente acredita que não haverá tráfico de informações? Você vai se sentir mais seguro digitando seu CPF e/ou outros possíveis dados a cada conexão? Até a publicação deste texto, o registro de usuários foi retirado da pauta no congresso. Pelo menos por enquanto. Mas não me custa nada conspirar, principalmente depois de ler 1984, Admirável Mundo Novo, V de Vingança e por aí vai.

Eu sei que a maioria das pessoas que passam aqui pelo Revolução Etc todos os dias estão atrás de informações sobre web e desenvolvimento. Mas com o perdão da pieguice (parafraseando alguém que disse isso por aí) isso deve ser um assunto de todo mundo. Meu e seu. Esta não é a primeira vez que eu escrevo contra qualquer coisa que possa se parecer com uma tentativa de cercear a liberdade individual de cada um, estejamos nós de acordo ou não. Como disse Voltaire (sim, de novo) “posso não concordar com tudo que dizes, mas defenderei até o fim o direito que tem de dizer o que pensa”.

O Cardoso também já convidou, então considere a possibilidade de refletir e espalhar notícias como estas no seu blog, independente do assunto dele, seja ele político ou não. Seja sensato e barulhento. É o barulho que os blogs podem causar espalhados pelo Brasil e pelo mundo como a publicação da charge do “xô Sarney” que pode levar alguns coronéis e políticos metidos a Big Brother como o Eduardo Azeredo a voltarem atrás. Troca de pressões, dizem. Mesmo que algumas notícias possam parecer um pouco antigas (na web uma semana já torna algo antigo), espalhe-a independente do tempo. Isso serve pra ninguém se esquecer do peso do “Estado”. E eu prometo dizer a vocês se eu receber alguma ligação do Azeredo ou do Sarney.

Para não dizer que falei das flores” foi o “hit” de Geraldo Vandré no período da ditadura militar brasileira. Se as coisas continuarem andando como estão aqui na web brasileira, em breve será necessário fazer uma releitura desta música. Quem será o compositor, as irmãs cavalcante ou o Gravatai Merengue? Pelo menos nomes artísticos eles já têem.

  • TFox

    Outra frase de Voltaire: "O povo é tolo e bárbaro, e precisa de feno e agulhões" (ou algo do tipo).

  • Alcinéa Caval

    Perfeito!

    Coloquei um link no meu blog pro teu texto.

  • http://www.angeruzzi.com Alessandro S. Angeru

    Revolução se necessário, pela nossa liberdade de expressão.

    Qual o nome deste site mesmo? hehehehe.

  • Pingback: Pensando política.. chega!!! « PesT()

  • Pingback: Pela nossa liberdade: Xô Sarney » Angeruzzi.com()

  • http://project47.viscountbox.com Carlos Eduardo

    Quanto mais tempo passa, mais vejo como somos feitos idiotas por esse governo… Que seja feita uma revolução!

  • Diego Mascarenhas

    Que seja eterno enquanto dure!

    Cara, simplesmente perfeito! To divulgando esse post pra todo mundo.

  • Macalha

    Estou enganado, ou o UOL (que censurou o blog da Alcinéia) pertence à Editora Abril, que publica a revista Veja (que publicou, e não se retratou, a matéria do Marqueteiro Mentiroso) ???

  • http://rafaelmarin.wordpress.com Rafael Marin

    Gostei das tags hehehe.

    Sabe já que concordo com a tua opinião sobre liberdade de expressão na web e sobre a dita democracia.

    Controlar o acesso à web seria péssimo.

    []s

  • Carlos Emerson Jr.

    Concordo com seu texto em gênero, número e grau: vou colocar um link no Blog. Abraços.

  • Pingback: Pra não dizer que não falei das flores « [REF]()

  • http://nacal.blogspot.com Sidarta

    Nenhuma luta por qualquer forma de poder é limpinha, digna. O poder de informar as pessoas é igual a qualquer disputa. Chute na canela serão dados e é assim mesmo.

    Abraços,

  • Pingback: Pequenas Revoluções. A história é feita de cotidiano « Celso Bessa Post-its()

  • Tomás

    Aqui no Maranhão, terra dos Sarneys, foi veiculada durante o processo eleitoral um desenho parecido com este, mas a caricatura era da filha do Sarney, Roseana Sarney (o bigode foi mantido) a caricatura fazia parte de uma campanha (Xo Rosengana), que contou com a colaboração da internet para se ploriferar, através do IRC, sites de relacionamentos, sites pessoais foram marcadas manifestações de protesto contra a eleição da ex-Governadora.

    Resultado, a Roseana que, segundo as pesquisas ganharia no primeiro turno, foi levada a segundo turno em primeiro mas acabou perdendo para o Jackson Lago.

    A internet e os blogs transformam as pessoas em cidadões ativos em vários níveis da esfera social (inclusive o político), e nada será como antes, a não ser que surjam medidas de CENSURA que é o que estão querendo fazer…

    Devemos ter privacidade e direito ao anonimato na internet, para isso devemos ter provedores de conteúdo e acesso fortes, para que não precisem se curvar a certas medidas.

  • Pingback: Justiça brasileira decreta que o You Tube tem que sair do ar por causa do vídeo da Cicarelli » Revolução Etc - Web Standards em uma casca de noz!()

  • josimar paiva espind

    caramba!! entrei aqui para obter informaçoes simples da musica do geraldo vandre, e me deparei com estes textos, excelentes, escreverei e passerei adiante as ideias que nos defendemos, nao so pelo direito de liberdade de expressao mas porque este pais ainda tem soluçao e devemos defende-lo sempre que pudermos.