Os Blogs e a credibilidade

Em quem você confia mais para escrever sobre economia, em um economista ou em um jornalista? Em quem você confia mais para escrever sobre tecnologia e desenvolvimento, em um desenvolvedor experiente ou em um jornalista treinado no jargão do desenvolvimento? Quem entende mais de tecnologia, Steve Jobs e Bill Gates, dois nerds que nunca concluíram um curso sequer de graduação ou um time inteiro dos melhores jornalistas do Brasil? Enfim, em quem você confia mais, nas pessoas que escrevem de graça e por prazer ou em quem está querendo vender jornais?

O Estadão fez uma campanha recente questionando a credibilidade dos blogs. Em quem você confia mais, no blog do Guto, Fredão ou Moacir? Veja abaixo as imagens da campanha (via Brainstorm #9):

    

Fizeram até um comercial. O anúncio mostra alguns sujeitos de bom senso duvidoso. A idéia é opor a credibilidade da mídia tradicional, aqui no caso o jornal Estadão, com os blogs feitos por “pessoas comuns” colocadas aqui como quase sempre de credibilidade duvidosa. Poderíamos até nos perguntar (amassando um pouco mais de barro) porque diabos alguém que tem credibilidade escreveria em algum blog? Ou seja, o Estadão tem muito mais know how para falar sobre qualquer coisa que seja (turismo, praias, comportamento, psicologia e relacionamentos) do que alguém que escreve em “blogs”.

Agora vamos fazer um exercício simples. Em quem você confia mais para ler sobre dispositivos móveis, nos reviews escritos no Estadão ou na garota sem fio? Em quem você confia mais para ler sobre comunicação e propaganda, no Brainstorm #9 ou no Estadão? Em quem você confia mais para ler sobre tecnologia, no MeioBit, no Engadget (ambos escritos por verdadeiros nerds) ou nos jornais impressos/online brasileiros onde muitas vezes jornalistas (e não especialistas) escrevem sobre assuntos diversos? Você acredita mais na Globo que vetou o vídeo do Boninho e outras pessoas desocupadas que jogam ovos em prostitutas nas ruas ou na dezena de blogs que publicaram o video?

A relação de credibilidade por esta ótica é completamente relativa. Quem leu apenas as primeiras linhas deste texto e pulou para os comentários já deve estar de tochas acessas batendo na porta do Estadão para queimar jornalistas nas ruas. Todas as comparações feitas no meu texto até agora (incluindo aquela feita pelo Estadão em relação aos blogs) podem soar preconceituosas. Depende do quanto de barro você quer amassar. Quem sabe alguém não distorce o meu texto e diz que eu estou sendo preconceituoso com os jornalistas ou com blogueiros? Não é porque uma mídia possui CNPJ que ela tem mais credibilidade do que alguém que escreve de casa. E nem o contrário. Se os jornais não tivessem credibilidade alguma só não seriam extintos hoje porque ainda restaria as colunas sociais. Estas são questões que não foram escritas para contrastar conceitos absolutos. Quando idéias assim se cristalizam, fecham as portas para discussões saudáveis. Dos dois lados.

A porcaria está sim presente nos blogs, bem como em todo e qualquer tipo de produção intelectual. Até na mídia tradicional. Isso reflete a sociedade representada em fatias. Da blogosfera intelectual até os miguxos fofonêses e simpatizantes. E a medida que os blogs se popularizam, com inclusão digital crescendo no Brasil, mais porcaria proporcionalmente vai surgir. Até que o universo entre em colapso e a vida se resuma nos bons e velhos protozoários. Por que cada vez mais pessoas de todos os tipos serão representadas na web, refletindo o que são e o que pensam.

Acredito que se o Estadão não conhecesse a tendência Long Tail não teria o que temer. Eles tem sim o que temer. Se os blogs realmente não representassem concorrência (o que eu não acredito que as coisas funcionem exatamente dessa maneira, mas isso é outra história) essa publicidade em tom desafiador nem existiria. Para ser sincero eu não escrevi este texto porque me senti ofendido. Eu até sorri quando vi os anúncios. Pelo contrário, a campanha soa para mim mais como um grito de preocupação por um espaço perdido para leitores que preferem ler cada dia mais blogs (com qualidade ou não) do que um golpe de superioridade.

  • Sérgio Rebelo

    E será que os Blogs do Estadão são escritos por macacos? Alguns nem têm foto.

    Se você não receber comentários de ninguém do Estadão já sabe que a culpa é da pergunta de matemática. 3 + 1 não é para qualquer um não.

  • Pingback: Plástico Bolha » “Isso não é comigo” - A estratégia da acomodação

  • Alexandre Luckenzy

    Jornais são mais confiáveis?

    Quem se lembra do Caso "escola-Base" de São Paulo?

    Esta é a minha base concreta quando tenho que confiar ou não em alguma mídia de peso por aí.

    Confio mais em blogs do que a Revista Veja, por exemplo

    abraços a todos.

  • http://www.fazedordesite.com Rodrigo Fante

    Concordo plenamente por vc, embora eu ache a propaganda ofensiva, também me arrancou um sorriso qdo li, pois é engraçada, o problema é que eles imaginam que podem convencer o leito de blogs com campanhas como esta, o que acho dificil, é o mesmo que convencer o leitor de um jornal, a mudar pros blogs, um ou outro vem rapido, mas no geral a resistencia é grande.

    A credibilidade é relativa em ambos os ambientes, tem jornal tendencioso e mal escrito, assim como blogs.

  • andreencinas

    não vi a campanha ainda (isto já mostra meu tempo dedicado a estas mídias), mas de acordo com o relatado, me lembrou as fogueiras de livros da idade media……..

  • Tiago Celestino

    É triste, mas acho que não devemos nos abalar e nem ficar dando "ibope" a esse tipo de fato. O Estadão apenas sabe que já não tem a mesma força que antigamente e acha que atacando vai se dá bem.

    A melhor resposta é aquela que não é dada.

  • Cledison Eduardo Fri

    Realmente a propaganda do Estadão reflete uma preocupação com o crescimento acelerado dos blogs com relação as mídias tradicionais.

    O que mais dá credibilidade aos blogs, penso que seja a idoneidade com que os blogueiros escrevem, ou seja, estes não se preocupam em manter ou defender "interesses idealistas" que jornais, revistas e emissoras defendem.

    Muitas vezes matérias de jornais até são escritas por especialistas ou pessoas idôneas, que tentam expressar suas reais idéias, porém esbarram em limites como no exemplo do Boninho citado no texto.

  • http://www.salvadorcamino.com Salvador Camino

    Só para constar eu li seu artigo até o final :p

  • Cristian Trentin

    Pois é…

    É Complicado pensar que o estadão precisa desse tipo de marketing para virar noticia nos blogs.

  • Eduardo Melo

    Essa propaganda do Estadão não é só uma crítica aos blogs, mas uma crítica a toda uma cultura que tem sido desenvolvida na web e que é uma das coisas mais dinâmicas e interessantes que surgiram no meio comunicativo recente.

    Isso não só demonstra que a vontade de manter o "status quo" deles acabou chegando às raias do desespero, como também que eles não entendem coisa alguma sobre internet.

    Hoje em dia, muitos blogueiros, podcasters e afins são profissionais de renome e influenciam ativamente o meio no qual atuam. O leitor, obviamente tem de fazer uma triagem qualitativa entre todos que existem, mas convenhamos não foi assim sempre? Ou vai dizer que ler o Estadão de começo ao fim é garantia de notícia de qualidade?

    Lamentável porém não surpreendente a atitude desse jornaleco.

  • Pingback: O macaco está comendo a banana, por isso eu digo “cada macaco no seu galho”

  • http://escritatorta.em.blog.br Norberto Kawakami

    Bastante ponderado e sensato. Mas há blogueiros que irão fazer "birra" se contrapondo ao que você disse de que há muitos blogs ruins.

    É com essa mesma "birra" que o Estadão está contando para ganhar notoriedade na blogosfera.

    abraço

  • http://www.bernardopina.net/ Bernardo

    Cara,

    Realmente tenho que concordar com vc quando vc fala que nós escrevemos melhor pq gostamos (tb sou da área de t.i). Mas uma coisa discordo: se fosse só por prazer que os blogueiros escrevessem em seus blogs, nenhum traria anúncios publicitários e ganhariam em cima do blog! =)

  • http://cerebrowser.blogspot.com/ juliano

    Colunas sociais são o periodo cretácio dos blogs.

    Pessoas falando sobre o que gostam e entendem.

  • http://project47.viscountbox.com/ Carlos Eduardo

    Também acho que não estariam fazendo nada, caso os blogs não representassem alguma ameaça a eles.

    Mas, ao invés de usarem a inteligência e se aliar aos blogs para conseguir mais leitores, não, acabam por atacar esse meio de divulgação de idéias e notícias, danificando sua moral com o pessoal do meio.

    Com certeza o público-alvo dessa ação de marketing não são pessoas como nós, mais ligadas a novidades, etc., mas aqueles que não possuem tanta experiência de Internet, sendo mais ingênuos e mais fáceis de manipular com esse tipo de publicidade.

    É triste, mas totalmente previsível que, em algum momento, um veículo de comunicação faria algo do tipo.

  • Rochester

    Vou assumir a posição que o cardoso sugeriu, não é comigo então não me ofendo com isso.

    Ah, te indiquei em um meme
    .

    flw

    []'s

  • Ed

    Acho que não tem que se preocupar com esse tipo de propaganda negativa, isso só atinge leitores que não costumam ler blogs sérios, nem mesmo na área de informática.

  • Eurico

    Parabens pelo site!

    Excelente post!

    Indiquei o Revolução Etc na minha lista de sites recomendados!

  • http://www.unlockthis.blogspot.com Carolina

    Bah, fiquei passada quando li isso e em seguida notei que todos os blogs estavam criticando o Estadão, e também, nem tem como não criticar né? Estratégia arriscada e acho que já pode ser dada como fracassada…Quem é que vai conseguir segurar as pessoas em um mundo onde pode-se escolher o conteúdo que se quer ler e conhecer opiniões dos mais diversos tipos de pessoas sem pagar nada?

    []'s

  • Francisco dos Santos

    A velha estratégia de se apontar "os defeitos do vizinho para que ninguém perceba os meus" ainda está arraigada em muitos segmentos pelo mundo afora.

    Em minha opinião faltou habilidade, do Estadão, em mostrar o seu compromisso com seus leitores e possíveis novos leitores.

  • http://pedromelo.com/ Pedro Melo

    Henrique, concordo plenamente com seu artigo. Existem várias incoerências nessa busca imbecil sobre a credibilidade, ou, em termos mais filosóficos, nessa busca pela "verdade absoluta", que obviamente, desde alguns séculos, foi desmentida com a idéia do valor individual, da perspectiva.

    A boa informação, sem dúvidas, depende sempre do senso crítico do leitor e não apenas da boa vontade ou da credibilidade acadêmica de um autor. Não importa se ele é PHD em Biotecnologia Nuclear, se fala de biscoitos ou de contaminação do plutônio… tanto o excesso de valor (como talvez um colunista do Estadão) quanto a falta de responsabilidade dele em um blog informal, levam à algumas anomalias na informação: o bem graduado fala o que quer, pois as costas quentes dão "título" à sua credibilidade (dai as pesquisas nem sempre são bem feitas, muitas vezes feitas em BLOGS, os deadlines curtos entre outros problemas logísticos), e o informal, pelo descompromisso, escreve algumas verdades que são achismos.

    No fim das contas, resumindo a situação toda, sem entrar em um debate antropológico, o que achei incoerente na verdade foi uma crítica tão equivocada (e provavelmente desenvolvida não por jornalistas, mas talvez pela agência do Estadão) feita por um jornal tão bem estruturado, sobre um dos meios mais democráticos de se adquirir informação hoje em dia.

    É como se estivessem criticando o fundamento básico da livre-expressão. É contraditório. Mas como leitores críticos, cabe a nós filtrar essa besteira toda e continuar, a nossa busca pessoal da informação, gratuitamente ou não, mas com bom senso.

  • Fabiano Carvalho

    A nova tendencia de fale mal, mas fale de mim…

    Infelizmente tenho visto, com certa frequencia, esse tipo de estratégia na publicidade Brasileira. Entendo que de todo modo estamos aqui citando o Estadão e falando da marca deles. A pitada de humor, que fez muitos blogueiros rir, assegurou uma presença mesmo que hostil contudo não contundente. Na verdade acho que os bons blogueiros sabem do que se trata. E por serem bons não se sentem ofendidos com isso. E no final das contas isso acaba fortalecendo a Blogosfera e me pergunto se prejudica de alguma forma a marca do Estadão. Se a resposta for não, fica claro que a estratégia funciona. Quem aqui já acessou o site deles???

    Só me resta parabenizar a ação, ousada, porém eficiente…

  • Pingback: Os Blogs e a credibilidade » Revolução Etc « Eulino Netto

  • http://www.techzine.com.br Rael B. Riolino

    Belas palavras Henrique…

    Deixe o Estadão gritar e espernear… Bebê que faz pirraça leva tapa no bumbum! hehehe

    É inegável que um jornal como o Estadão tem muito mais preocupação com a credibilidade do que 80% dos blogs espalhados por ai, mas generalizar os blogs desta forma já é sacanagem.

    E ainda é provavel que eles tenham dado um tiro no próprio pé… Pois esta campanha mobilizou a blogsfera a levantar questões como as que você apresentou aqui…

    É Estadão, quem sabe um dia vocês não criam um blog? Há! :-P

  • Sérgio rebelo

    Já criaram Rael. Vários! Deve ser pela qualidade dos blogs deles que acabam por colocar todos os outros no mesmo saco :P

    Estou brincando, até porque *alguns* dos blogs do estadão têm qualidade.

  • Murilo Cruz

    Deram um tiro nos próprios pés… deveriam medir melhor as consequiências de campanhas irresponsáveis como essa.

  • http://www.rodrigoaguas.com/blog/ Rodrigo

    É obvio que existem blogs escritos por macacos! ahuuhauhuahhu. Mas também existem os escritos por estudantes, especialistas ou entusiastas nos assuntos abordados em seus próprios blogs. E nesse caso, em quem vamos confiar? No Jornalista? Como tudo que é democrático, existem aspectos positivos e negativos, mas o pior erro é a generalização e é esse tipo de jornalismo simplista que você deseja ler? Eu não. Abraço e parabéns pelos belos artigos!

  • Tiago Celestino

    Uma coisa eu já sei: eles conseguiram fazer o que pretendiam. :D Não se fala em outra coisa se não do Estadão. Vamos deixar essa campanha pra lá e continuar com nosso blogs sendo besteirol ou não.:P

  • Tioni

    acredito ke não estamos muito longe do EPIC 2015. Segundo o conhecido vídeo, o conteúdo relevante estaria nos blogs em tal data… ou eu bebi muito refri.

  • http://www.weblocal.com.br Web Local

    Concordo plenamente por vc, embora eu ache a propaganda ofensiva, também me arrancou um sorriso qdo li, pois é engraçada, o problema é que eles imaginam que podem convencer o leito de blogs com campanhas como esta, o que acho dificil, é o mesmo que convencer o leitor de um jornal, a mudar pros blogs, um ou outro vem rapido, mas no geral a resistencia é grande.

  • biaa

    eu não acho mal falar mais ainda dessa propaganda. De certa forma, o 'filme deles' tá sendo queimado, e muitas discussões sobre especialistas ou jornalistas escreverem sobre determinado assunto não seriam tão levantados assim – até aumentando a credibilidade/visibilidade de muitos blogs.

    Aqui vai uma anti-campanha Estadão

    ;)

  • Leandro Pires e Silv

    Henrique, o que eles realmente querem não é deixar de vender mais jornais, e sim manter o controla da opinião pública. Como os grandes meios jornalisticos vão colocar e tirar políticos se o povo começa a pensar por si próprio? Como eu sempre digo, os blogs são uma ferramenta da DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA. Onde todos têm o direito de falar e fazem a audiência de acordo com a qualidade do que falam.

    Você por exemplo, tem uma grande audiência, certo? deve falar para milhares de pessoas todo mês e nem é sobrinho do Roberto Marinho, isso seria possível a 20 anos atrás?

    A questão principal é o controle da opinião pública, na Suécia, quando é realizada a concessão de um meio de determinada opinião ideológico, o governo da concessão a mais dois de opiniões diferentes. Para que o povo pense em vários opiniões antes de escolher uma específica.

    Aqui no Brasil isso é impossível, Folha, Estadão, Globo, Veja e etc têm interesses em comum, estes meios promovem os mesmos políticos e os mesmo produtos. Não quero entrar em questões políticas, Mas se os formadores de opiniões fossem milhares de blogueiros e não meia dúzia de veículos, seria mto mais complicado para os governantes usar a comunicação jornalistica como panfleto eleitoral.

    Vocês acham mesmo que se a Apple anunciasse na veja, ela iria meter o pau no IPhone??? Além da questão do controle político têm a questão comercial. Estes meios jamais falaram mal de um produto (como um remédio por exemplo) de um anunciante deles. (Vocês perceberam que os Simpsons estão em TODAS as revistas da Abril?? – capa da Superinteressante, reportagem da VIP, Mundo Estranho e até a Bravo!.. só não vi na veja ainda.. mas pode anotar.. semana que vem tá ai..)

    Concluindo: uma vez que está voz de massa esteja na mão de blogueiros, porque empresas e políticos vão comprar veículos??

    Esta é a verdadeira questão que não podemos deixar de notar

  • http://www.weblocal.com.br Gilberto

    É facil a definição dessa campanha, simplesmente medo, mais não adianta blog veio para ficar.

  • Pedro Márcio

    Existe especialização após graduação ou mesmo mestrado e doutorado. Um jornalista pode se especializar ou se tornar pós-graduado em TI ou em qualquer outra área em que ele deseja atuar.

    Assim como um médico, após seus seis anos de curso, especializa-se em pediatria, fonodiaulogia etc.

    Eu li todo o artigo e não estou distorcendo o que você disse, estou apenas discordando de sua opinião.

    E se vocês se sentiram denegridos com o comercial, entrem em contado com o Conar.

  • Julia Fontelles

    Imagina se vc vai ler mesmo todos esses comentários… De qualquer forma, depois de tudo o que lí sobre o mesmo assunto nos outros blogs, o seu post foi simplesmente o mais objetivo, o melhor, o decisivo.

    Parabéns pela abordagem direta e embasada!

  • Pingback: Vídeo interessante sobre as tendências da comunicação online » Simetria