O que é independência para você?

O que é independência para você? Ontem, no dia 4 de julho, os americanos comemoraram o dia da independência “deles”, uma linda história que começou quando um monte de ingleses chegaram naquele território, assassinaram e saquearam TODOS os índios que ali moravam e finalmente conseguiram se desvencilhar do maldoso, perverso e malévolo jugo britânico. Lindo, né? Ok, para não dizer que é ciumes, o Brasil só existe porque um monte de ladrões e uns gatos pingados de realeza caloteira portuguesa fugiram da Europa e vieram ter momentos lascivos com os índios e índias daqui. Ah, e muitos índios foram assassinados também. Sarcasmo Disclaimer para quem não sabe ler: Me entendam, se fosse o Leonard ele estaria levantando a plaquinha de “sarcasm”. Todos têm seus podres na história. Supere isso, e bola pra frente.

Mas a idéia de escrever este texto, completamente off-topic, é baseado no texto da Molly E. Holzschlag, a famosa diva dos padrões web, publicado ontem, no dia 4 de julho. Eu até deixei 2 comentários lá baseado no início do post, que foi editado por ela depois sem avisar. É que o post dava a entender que o 4 de julho é como se fosse uma data universal de se comemorar a “independência” no mundo. Mesmo que não tenha sido a intenção dela, eu sei, foi o que estava escrito. Só depois ela alterou o início para ficar mais claro que a independência ao qual ela se referia era a americana, e não a iraquiana por exemplo. Sarcasmo Ops, esqueci, os iraquianos não têm independência porque eles não são livres. Desculpe Cardoso, eu não tenho a mesma coragem (sim, sou covarde) que você tem de não explicar para quem não sabe ler certas ironias, por isso te admiro!

Não tem problemas, eu ainda amo a Molly e continuo achando que ela sempre será a diva dos web standards! E adoro o blog dela também, sem ressentimentos. Mas depois disso eu realmente fiquei pensando o que era independência pra mim. Apesar de todas as diferenças entre as nações, até mesmo dentro de um mesmo país podem brotar pessoas completamente diferentes. Continuo achando que o máximo de independência que a humanidade poderá alcançar, não será qualquer tipo de soberania territorial e sim o respeito à diversidade, às diferenças religiosas, raciais, políticas e culturais. É esquisito aceitar que ainda temos problemas raciais no mundo inteiro (leia a série de textos do Alex Castro). O iPhone 3G já existe e ainda existem pessoas no mesmo planeta que recebem tratamento diferenciado por causa da cor da pele. Dãrrrr!

Se todas as comemorações de independências territoriais e políticas no mundo significassem que negros, nordestinos, hutus, tutsi, judeus, homossexuais, muçulmanos, indígenas, mestiços, e qualquer palavrinha que nos diferencie uns dos outros, seja por religião, opção sexual ou cor, pudessem conviver juntos e pacificamente no mesmo local sem se matarem por essas diferenças, isso sim seria independência. Sem isso não somos independentes. E o que é independência pra você?

  • http://elyezer.com Elyézer Mende

    Pra mim hoje em dia não existe independencia, pois sempre temos algo que temos que nos submeter.

    Exemplificando quando vamos desenvolver temos que nos submeter à uma massa que ainda não entende que padrões é o melhor pra todo mundo. Tanto pra quem desenvolve quanto pra quem "aprecia" o resultado, portanto temos que nos submeter a um domínio de uma grande fatia de mercado dominado por uma empresa para que tenhamos nosso trabalho bem visto por TODOS, não havendo discriminação.

    Foi um exemplo do nosso cotidiano, mas se você parar pra pensar existem várias outras coisas as quais temos dependencia. Basta analisar se isso é bom para todo mundo ou não.

  • Francisco dos Santos

    Independência para mim, é entender que as diferenças não torna ninguém melhor ou pior. Navegando nessas diferenças, com bom senso, posso melhorar a minha visão do mundo e gradualmente extinguir esse sentimento de competição destrutiva.

    Esse sentimento deve nascer dentro de cada um, caso contrario, não será possível entender que diferenças produzem grandes resultados. Exemplo, o corpo humano possue diferentes sistemas trabalhando em conjunto e quando, apenas, um sistema entra colapso o restante fica comprometido.

  • Diego M. Quinteiro

    Devemos distinguir a independência nacional da independência individual.

    No caso de nações, se considerarmos independentes aquelas que não precisam submeter suas decisões politico-econômicas à aprovação externa, vamos colidir com o conceito de soberania.

    Nesse caso, teremos poucas nações verdadeiramente independentes. O 4 de julho, o 7 de setembro e outras datas simplificam muito o conceito, fazendo parecer que todos os países que não são oficialmente colônias, são países independentes e soberanos.

    Já como indivíduos, não seremos nunca completamente independentes. É uma conseqüência natural de sermos seres sociais. Sempre dependeremos dos outros para as mais diversas atividades de nossas vidas.

    Ainda assim, podemos pensar em uma espécie de independência individual, onde exista a certeza de que nossos direitos serão respeitados sem dependermos da aprovação alheia de nossas características físicas, culturais, hábitos, forma de pensamento etc. Assim, independência é não sofrer preconceitos e ser livre nos limites da liberdade alheia.

    Estando nós tão longes de qualquer uma dessas independências, fico triste de saber que neste 4 de julho, além de meu aniversário, se comemora uma das festas mais hipócritas do mundo moderno.

  • Fernando Dias

    desde criança ficava impressionado com computadores, sempre gostei e sonhei em trabalhar com tecnologia, e tudo isso… hj trabalho com tecnologia e superei varios desafios e obstaculos… uma vitoria, posso dizer que seria a minha independencia do meu ponto de vista infantil e sendo saudosista… mas quando vc trabalha com corporações, precisa de resultados e ve que é apenas um escravo dos novos tempos e da tecnologia, o encanto acaba…. quando vc sai na rua e ainda continua sendo parada pela policia, porque se veste diferente, porque é negro, ve que voce ainda não é respeitado pela cultura que vive e acredita, percebe que alienação do mundo que determina conceitos do que pode ou nõ pode, do que é certo ou errado, do que é melhor ou pior, faz de todos dependentes de algo…

  • Kennedy Ferreira

    Independência é ser LIVRE em todos os sentidos possíveis e imagináveis que a expressão pode ter. É entender que quando a opinião é sua isto não a torna certa ou melhor que outras. É compreender que mesmo sendo todos iguais, são as diferenças que tornam o mundo interessante.

    "Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las."

    Voltaire

  • http://www.criacaodesitesitajai.com.br Ronaud

    Quanto a Molly é assim mesmo, os americanos não só se acham, mas têm certeza que SÃO o mundo e de um certo ponto de vista, eles têm razão. Já que a Independência depende do nível em que você está dentro da realidade. Comparando as nações (que nada mais são do que o resultado da mentalidade de seu povo), ou o Brasil especificamente, não adianta ficarmos num papo anti-imperialista, anti-microsoft, anti-qualquer coisa se nós, com nossas próprias pernas (e mentalidade) não teríamos chegado a lugar melhor. Os EUA se formaram na mesma época e em região geográfica semelhante à do Brasil e no entanto grande parte da tecnologia que sustenta o mundo de hoje veio de lá. E se não fosse os EUA, o Brasil teria oferecido ao mundo progresso proporcional??? Talvez não sejamos independentes por completo, como nação, e muito provavelmente, seja melhor assim… Um pouco de humildade e noção dos próprios limites sempre é bom. Pra mim independência é isso, é saber O QUE somos e até onde podemos chegar, e não ficar almejando situações cujas nossas próprias incompetências não sustentariam… Acabei de ler essa piada e acho que cabe bem aqui:

    Um alemão, um francês, um inglês e um brasileiro apreciam um quadro de Adão e Eva no Paraíso.

    O alemão comenta:

    – Olhem que perfeição de corpos: ela, esbelta e espigada; ele, com este corpo atlético, os músculos perfilados… Devem ser alemães.

    Imediatamente, o francês contesta:

    – Não acredito. É evidente o erotismo que se desprende de ambas as figuras… Ela, tão feminina… Ele, tão masculino… Sabem que em breve chegará a tentação… Devem ser franceses.

    Movendo negativamente a cabeça, o inglês comenta:

    – Que nada! Notem a serenidade dos seus rostos, a delicadeza da pose, a sobriedade do gesto. Só podem ser ingleses.

    Depois de alguns segundos mais de contemplação silenciosa, o brasileiro declara:

    – Não concordo. Olhem bem: não têm roupa, não têm sapatos, não têm casa, tão na m…. Só têm uma única maçã para comer. Mas não protestam, ainda estão pensando em sacanagem e pior, acreditam que estão no Paraíso. Só podem ser brasileiros!

  • Mark de Souza Costa

    Eu não relaciono Independência com questões raciais e nem nada do tipo. Independência deve ser visto num contexto limitado porque num contexto generalizado nada é completamente independente (como disse o Elyézer). Sou independente de uma cadeira de rodas por exemplo.

    Olhando pro lado das guerras, lembro de uma frase do malvados.com.br que era mais ou menos assim: "Reparem que são sempre os desarmados que querem o diálogo". Pura verdade lol.

  • http://celsobessa.wordpress.com Celso Bessa

    Sabe? Normalmente, eu gosto de escrever sobre estes assuntos de forma profunda, texto próprio, analítico.. é, eu tenho um certo orgulho intelectual, confesso. Mas muitas vezes encontro algo escrito por outrem que se ajusta perfeitamente como minha opinião.

    Como, por exemplo, uma música daquela finada banda, Os Titãs. Lembra dessa banda, que era engajada, contestadora e questionadora? Pois no último álbum deles, o Titanomaquia, tem uma música que eu acredito caber muito bem aqui. Não para uma resposta definitiva, mas para ecoar e amplificar a discussão.

    'braços

    —–

    Uns iguais a outros

    Os homens são todos iguais

    Os homens são todos iguais

    Ingleses, indianos

    Africanos contra africanos

    Aos humildes o reino dos céus

    Ao povo alemão e ao de Israel

    Putas, ladrões e aidéticos

    Católicos e evangélicos

    Todos os homens são iguais

    Brancos, pretos e orientais

    Todos são filhos de Deus

    Os pretos são os judeus

    Cristãos e protestantes

    Kaiowas contra xavantes

    Árabes, turcos e iraquianos

    São iguais aos seres humanos

    São uns iguais aos outros, são uns iguais aos outros

    São uns iguais aos outros, são uns iguais aos outros

    Americanos contra latinos

    Já nascem mortos os nordestinos

    Os retirantes e os jagunços

    O sertão é do tamanho do mundo

    Dessa vida nada se leva

    Nesse mundo se ajoelha e se reza

    Não importa que língua se fala

    Aquilo que une é o que separa

    Não julgue para não ser julgado

    Os pobres são pobres-coitados

    São todos iguais no fundo, no fundo

    As mulheres são os pretos do mundo

    Tanto faz que cor que se herda

    Seja feita a tua vontade no céu como na terra

    Gays, lésbicas-homossexuais

    Todos os homens são iguais

    São uns iguais aos outros, são uns iguais aos outros

    São uns iguais aos outros, são uns iguais aos outros

    Os homens são todos iguais

    Os homens são todos iguais

    Os retirantes e os jagunços

    O sertão é do tamanho do mundo

    Aos humildes o reino dos céus

    Ao povo alemão e ao de Israel

    Não importa que língua se fala

    Aquilo que une é o que separa

    Todos os homens são iguais

    Brancos, pretos e orientais

    São todos iguais no fundo, no fundo

    As mulheres são os pretos do mundo

    Cristãos e protestantes

    Kaiowas contra xavantes

    Gays, lésbicas-homossexuais

    Todos os homens são iguais

    São uns iguais aos outros, são uns iguais aos outros

    São uns iguais aos outros, são uns iguais aos outros

    —–

  • http://www.especializa.com.br Walfredo de S&aacute

    Como diz o pai de uma amiga minha, "…o pior do Brasil são os brasileiros…" mas também pensando pelo lado de que o Brasil começou sendo um depósito de prostitutas, ladrões e tudo mais que não presta o brasileiro não teria como ser diferente do que é hoje!

    Educação… porra, blz! Mas sempre haverá o jeitinho brasileiro.

    E eu sou Brasileiro, sou Nordestino(mas não tenho a cabeça chata)…

  • Maísa Gomes

    Na minha opniao o Brasil é indepentente. Mas isto ñ quer dizer q ele ñ possa depender de outros paises. Como no comercio internacional. O Brasil é logico q depende de outros paises para comprar os produtos q são frabicados aqui, como qualquer outro país q vende suas materias-primas. Até o grande EUA depende de outros paises. Entao qual é a diferença entre EUA e o Brasil?

    É claro q os Estados Unidos é um pais Desenvolvido e o Brasil só é Sub, mas talves um dia ele chegar.

    Outra dependencia esta na politica, mas tudo mudaria se os homens de treno passasem a trabalhar em vez de roubar.

    Então até na independência existe a dependência.

    Bjs a todos os leitores (concordando ou ñ)