Diferença entre “Design Centrado no Usuário” e “Design Centrado no Designer”

A abordagem do “design centrado no usuário” me parece ser ainda um brinco de pérola dentro das empresas. Ele é “caro” (assunto pra outro post), bonito, não é todo mundo que tem bom gosto pra saber combinar e não se acha nas mãos dos vendedores ambulantes. Entre os ambulantes existem apenas imitação. O brinco de pérola mesmo, é caro. E como estamos falando de uma “abordagem” de desenvolvimento para web – e não de brincos ou jóias – é ainda mais complicado, porque o mercado cria espaço para os dois lados. Mas é óbvio, que eu estou aqui para defender brinco de pérola a abordagem do design centrado no usuário, e não o designer ou o arquiteto da informação ou o “especialista em experiência do usuário“. Então, não leve pro lado pessoal, please.

Este tema é polêmico e eu não sou ingênuo o suficiente pra acreditar que seria possível acabar com a discussão aqui. Ela nunca vai morrer, porque sempre vai existir pessoas que conseguem bons empregos como web designer, programação de interface, diretor de arte e blá blá blá e não sabem do que estão falando. Mas você não precisa ser um desses profissionais. Meu objetivo com este texto é deixar bem claro aqui a diferença existente entre designers que entendem de web e os que não entendem. Se tiver alguma porrada pra dar, os comentários estão abertos!

Web designers e ilustradores

Por motivos didáticos vamos convencionar aqui os seguintes termos:

Web Designers: são aqueles que entendem de design, entendem de aplicação de cor, tipografia, Photoshop e entendem do principal: de internet, de web. Esse cara conhece as características de desenvolvimento para web, e ele sabe o que significa pensar no usuário. Ele não necessariamente é especialista em implementação (HTML, CSS, PHP, etc) mas ele conhece as características da tecnologia para a qual ele está “criando”.

Ilustradores: são aqueles que manjam de Photoshop, manjam de aplicação de cor, tipografia e formas. Fazem belos trabalhos do ponto de vista visual, mas não entendem de “web” (mas ele não sabe disso, e cuidado ao contar). Ao desenhar um novo layout, eles gostam de repetir a frase “o programador de interface que se vire” quando for implementar aquele layout lindo (e bizarro tecnologicamente falando) que demonstra por si só a completa ignorância de conhecimento da “tecnologia”. Eles costumam bater no peito e dizer que desenhar usando Grids ou “pensar no código” é limitar a criatividade (sic).

Bom, definimos nossos personagens agora precisamos definir o que exatamente significa Design Centrado no Usuário mas em partes, termo por termo:

O que é design?

Wikipedia em português: “Denomina-se design qualquer processo técnico e criativo relacionado à configuração, concepção, elaboração e especificação de um artefato. Esse processo normalmente é orientado por uma intenção ou objetivo, ou para a solução de um problema”.

Wikipedia em inglês: “Design é o planejamento que coloca as bases para o desenvolvimento de qualquer objeto ou sistema”.

Pedra Lascada no formato de uma lança utilizada pelo homem pré-histórico para caça Podemos concluir então sobre “design” que esse processo normalmente é orientado por uma intenção ou objetivo, ou para a solução de um problema. Em outras palavras a “pedra lascada” construída pelo homem há milhares de anos atrás trata-se de um artefato de design. Mas o mais importante que precisa ser observado nisso tudo é que cada disciplina do design possui seu próprio conjunto de restrições e boas práticas. Se der uma olhada neste trecho da wikipedia você verá uma lista de dezenas de “disciplinas de design“. Se elas são dividas em disciplinas, isso significa que cada uma delas possui seus universos de boas práticas.

Imagem de uma pintura de mondrian versus um chale de chá. Uma obra de arte e uma obra do design.

Design não se define como arte.

Design não se define como arte! Óbvio que vou fugir agora mesmo de qualquer discussão filosófica dessa afirmação (não é o espaço), mas você pode continuar sua pesquisa dessa afirmação sozinho. Vamos considerar que, quando um propósito é definido para a criação ela deixa de ser apenas arte. Conseguimos concordar pelo menos nisso, certo? A arte transcende propósito e função. A arte pode transcender qualquer coisa. O design é limitado a propósito e função. Se você quer fazer uma “linda” cadeira, sem problemas. Ela só precisa cumprir o propósito de ficar em pé sozinha e de eu poder sentar nela. Senão ela deixa de ser “cadeira”, deixa de ser “design” e passa a ser apenas “arte”. É bom que seja confortável também. E isso é “design”, isso não é arte.

A forma segue a função. Já ouviram falar do re-design do violão cello (imagem acima)? O modelo acima se chama Yamaha Silent Cello. Ele não é uma obra de arte, ele é uma criação de “design”. Os elementos “desnecessários” do violão cello tradicional foram removidos e somente os funcionais e pontos de contato foram deixados. Há muito mais pra se falar sobre o que é design, e eu devo ter pecado muito por deixar de falar sobre vários outros pontos, mas acho que minha definição aqui é mais que suficiente para o propósito deste texto: design segue uma função, a forma segue a função.

O que é centrado?

Bom, essa á fácil. “Centrado” é colocar algo no centro. Colocar em foco, focar. Estar em equilíbrio. Definição maior do que essa é desnecessário! Centrado é colocar no centro e ponto.

O que é usuário?

Basicamente usuários são pessoas que “utilizam” ou “fazem uso” de alguma coisa! Cada contexto e disciplina de design vai definir quem é o usuário, qual o perfil dele, e como ocorre o “uso” nos diferentes cenários. O usuário sempre será o utilizador de:

  • Usa um produto;
  • Usa um serviço;
  • Usa roupas;
  • Usa um computador;
  • Usa um celular;
  • Usa um medicamento.

Usuário é todo aquele que “interage” com alguma coisa. E “interação” é o nome que se dá a essa relação. Quando tiver que exercer o ofício de “designer” de alguma coisa, você precisa seguir as boas práticas de como seu “produto” vai interagir com o usuário. Se você está dentro de uma empresa, é bom você saber que podemos deduzir o seguinte em relação ao usuário:

  • Ele não é seu chefe ou o dono da empresa.
  • Ele não é seu gerente ou líder de equipe ou o scrum master.
  • Ele não é o cliente.
  • O usuário é quem fará uso daquilo que você criar.
  • É ele que vai interagir com sua criação.
  • O seu trabalho é resolver o problema dele e não agradar seu chefe.
  • Ele é pode ser igual e completamente diferente de você.
  • Ele pode ter (e tem) necessidades diferentes de você.
  • Ele é o ponto de partida do seu trabalho e não o fim.

O usuário são as pessoas que usam, em seus contextos e com suas capacidades e limitações. Já andou em uma calçada cheia de rachaduras e buracos empurrando um carrinho de bêbe? Eu já. A experiência é horrível. Já quebrou o pé e ficou com ele engessado e teve que sair por ai andando e se deparou com limitações físicas que te fez pensar porque diabos aquilo foi criado daquele jeito? Se você for um pouco observador, você terá analisado dezenas de artefatos ao seu redor e pensado que eles poderiam ser diferentes de como são.

As experiências descritas acima me faz colocar um outro termo na jogada: “experiência do usuário“. Todos nós vivenciamos ela diariamente, você queira ou não.

O que é experiência do usuário?

O site UXNET.ORG define: “Experiência de usuário é a qualidade da experiência que uma pessoa tem quando interage com um design específico. Isto pode ter um alcance desde objetos específicos como uma caneca, brinquedo ou web site até algo mais abrangente com experiências integradas como um museu ou aeroporto!”. Observe o tanto que essa definição faz mais sentido depois de definir o que é “design“, “centrado” e “usuário“.

Experiência de usuário é o processo de definir tudo aquilo que vai impactar na experiência que o usuário vai ter com um produto/serviço. Cada disciplina de design possui seu conjunto de boas práticas e cenários a serem explorados. Um engenheiro ou arquiteto que constrõe um prédio não precisa ter conhecimento de variações de “tamanho de tela” de diferentes dispositivos de vídeo. Quem constrõe um site não precisa ter conhecimentos de terraplanagem e de solo. O design é objetivo. O cenário é objetivo, não é subjetivo.

Sendo assim, existe um conceito adotado entre todos os profissionais de todas as disciplinas de design que é unânime: “boas práticas”.

O que são boas práticas?

Best Practice Wikipedia: “Boas práticas são técnicas, métodos, processos, atividades, estímulo ou incentivo que acredita-se ser mais efetivo na entrega de um resultado do que qualquer outra técnica, método, processo, etc, quando aplicado a uma condição particular ou circunstância. A idéia é que com processos, verificação e testes apropriados um resultado efetivo pode ser entregue com o mínimo de problemas, complicações e imprevistos. Boas práticas pode também ser definido com o mais eficiente (o mínimo de esforço) e o mais efetivo (melhores resultados) caminho para completar uma tarefa, baseado em procedimentos frequentes que já foram provados/demonstrados por si só ao longo do tempo por várias pessoas (envolvidas com essas boas práticas).”

Web designer (Designer de Interfaces) precisam saber de tecnologia?

Será que o profissional que desenha interfaces para serem convertidas em códigos de HTML e CSS precisa conhecer como algo é implementado? Coloque na sua cabeça que também etsou falando dos arquitetos da informação e toda a galera de user experience das empresas. Não pense que esses caras não são “designers”, porque eles são. Então, será que é importante eles entenderem o que é uma landing page? Será que eles precisam saber que SEO trata-se de tornar o conteúdo amigável para pessoas e tornar as informações “encontráveis”? Será que é preciso entender de acessibilidade para web? Será que não é importante saber que Flash tem seu espaço e que o espaço dele não é ao lado de SEO? Muitas dúvidas.

Como é possível criar para um cenário do qual você não conhece as características tecnológicas, possibilidades, limitações e boas práticas? Não defendo aqui que o designer de interfaces precisa ser especialista em programação de interface. Ele precisa conhecer apenas as boas práticas. Quer saber onde aprender boas práticas? Comece pelo Smashing Magazine. E lembre-se, criatividade no design não é limitado pela tecnologia. Pelo contrário, a criatividade está no completo domínio da tecnologia.

Experiência do usuário como um processo

Experiência do Usuário é um processo e não um cargo. Este processo deve estar entranhado de boas práticas, pesquisas e métodos em todas as áreas de desenvolvimento para web e não somente em um cargo específico, seja de arquiteto da informação, especialista em usabilidade etc. A principal forma de fazer isso acontecer é rever processos e treinamento da equipe inteira. Enquanto tiver um web designer, analista, programador client side, server side etc que acha que “funcionar” é o bastante, não será possível ter um processo focado no usuário.

Design centrado no designer

E o ilustrador citado no título, onde ele entra nessa história? Sou fã de ilustradores. Ilustradores são artistas. O trabalho deles é mais belo quando transcende qualquer propósito e função. Mas o bom designer para web não se faz só de observação. Ele se faz de “boas práticas”. Observar um trabalho e julgar como variável principal se o trabalho “ficou bonito”, não é design para web. O designer de interfaces que não conhece boas práticas pra web faz design pensando nele mesmo. Mesmo que ele nem saiba disso. Ou seja, “Design Centrado no Designer”.

Coloque uma coisa na sua cabeça: Criatividade no design não é limitadade pela tecnologia. Pelo contrário. A criatividade está no completo domínio da tecnologia. Ou você acha que o iPhone foi criado no Photoshop? Se você não entende o cenário para o qual você cria suas interfaces (isso vale pra arquitetos da informação também) você não é um designer eficiente. Vamos estudar galera!

Comentários:

  • Julio Bitencourt

    Esta separação entre design e arte para mim foi a melhor parte do artigo. Ninguém entra em um site simplesmente por ele ser bonito. O que importa é que o serviço (função) da interface seja eficaz, ou eficiente. E que o uso (experiência) seja a melhor possível. Ótimo artigo.

    Serve até como argumento na hora de explicar para o cliente que aquela introdução pirotécnica em flash no site dele não é uma boa idéia.

  • http://krisisblog.wordpress.com/ Laivine

    Muito bom o artigo. Minha primeira experiência como Designer hoje foi abrir o firebug e remover o plano de fundo colorido para conseguir ler o artigo inteiro sem queimar a retina. Hehehe…

  • http://www.ramonvictor.com Ramon Victor

    Tentei escrever um post com esta mesma idéia, mas acabei não o publicando por não consegui me convencer de que o mesmo estava completo o suficiente para que todos entendessem a diferença entre o design funcional (não obrigatoriamente feio) e o artisticamente bonito (o que quase sempre não atende as necessidades do usuário).

    Espero que esse post possa abrir a mente daqueles que ainda acham que o mais enfeitado é o design mais eficiente.

    Parabéns pelo post!!

  • http://www.roma.srv.br Romeu Ivolel

    Parabéns pelo artigo!

    Estudo novas práticas para SEO e encontrabilidade para sites feitos em flash, e rompo através dos meus estudos justamente a barreia: Tecnologia não limita o design de um site, e design não é obra de arte, por mais que as amamos.

    Abraços,

  • http://twitter.com/augustob Augusto Barbosa

    massa! recomendo a leitura do artigo The Difference Between Art and Design, no webdesigner depot: http://www.webdesignerdepot.com/2009/09/the-diffe

  • abel

    assim, sem maldade, mas como usuário, adorei o que consegui ler do texto, mas não consegui ler inteiro, o fundo da página incomoda, não da vontade de ficar com a Janela aberta.

  • http://revolucao.etc.br/ Henrique Pereira

    Abel você está coberto de razão! Era uma crítica que já tinha sido feita antes e estava na minha fila de correção. Acabei de aumentar o contraste do fundo da página pra melhorar a leitura.

    Muito obrigado pela crítica!

  • Pingback: Tweets that mention "Design Centrado no Usuário" ou "Design Centrado no Designer"? ≈ Revolução Etc -- Topsy.com()

  • http://www.rogeriopa.com/blog Rogério Perei

    Muito boa a observação que você fez em relação ao ilustrador cagar para o programador de interface durante a implmentação.

    O projetista deve sim conhecer o meio para qual está projetando.

  • http://www.ligiafascioni.com.br/blog/ Lígia Fascion

    Parabéns, um dos textos mais didáticos sobre o assunto que já li. Conseguiu resumir bem a questão de uma maneira que todo mundo possa entender.

    Obrigada!

  • http://edmundojr.com Edmundo Junior

    Você está coberto de razão. Design não é arte, design é funcionalidade.

  • Fernando Laudino

    Parabéns pelo post e pelo site.

  • Leandro Lemes

    Parabéns pelo artigo, e o design do revolucionou mesmo!

  • http://krisisblog.wordpress.com/ Laivine

    Com a alteração do contraste a leitura ficou uns 200% mais fácil!

    Eu sempre evito mudanças bruscas de cor ou de tom no fundo do conteúdo. Tenho a sensação de que isso dá um pane na cabeça de quem tá lendo.

    Mesmo assim, o artigo está ótimo e o blog também. Parabéns.

  • Pingback: Diferença entre “Design Centrado no Usuário” e “Design Centrado no Designer” » Luiz Paulo - tecnologia web()

  • Henrique Bustamante

    A definição de arte e design foi muito bem escrita. Estudo Design Digital e os professores firmam neste ponto mesmo, e nada mais correto de estudar seu usário para chegar no produto final afim de satisfaze-lo.

  • Simone Cervantes

    Estou estudando design de interação, usabilidade e boas práticas. Com certeza seu artigo me motivou bastante. Muito bom!!!

  • Saulo Dourado

    Artigo usa de extremismos desnecessários para defender a posição do autor.

    É claro, óbvio e ululante que os pontos a favor do Design no artigo são corretos, parabéns.

    Entretanto, os que não os seguem não são os ilustradores, mas sim os web designers incompententes (eles existem), ou os que se acham sem ser.

    Já vi muita gente criando coisas bonitas no photoshop no estilo "o programador que se vire" como foi citado. Porém, também já vi muitos wireframes (feitos em papel, visio, powerpoint ou Axure) por interaction designers e arquitetos de informação com os mesmos problemas :(. Dilbert permeia todos os ambientes.

    Se tudo isso for apenas uma metáfora, por que então escolher atacar os ilustradores??? Afinal, eles também são uma categoria de profissionais que mesmo não tendo nada a ver com desenvolvimento de sites também são pessoas importantes ;)

  • http://otaleonardo.com Leonardo Ota

    Tenho uma pergunta.

    Todo design não é centrado no usuário?

    Na minha opinião, se o cara faz um design de interface que não é centrado no usuário, pois design é função ou projetar algo usando uma metodologia (grid, gestalt) tudo isso pensando em quem irá fazer o uso do “produto” projetado, então ele faz qualquer coisa menos design.

  • http://twitter.com/maiconpinto Maicon Pinto

    Ótimo post Henrique, parabéns e muito sucesso!

  • Magno Valdetaro

    Dias atrás na minha empresa tivemos uma pequena discussão sadia e breve sobre design e arte, agora leio este ótimo artigo e fico feliz por saber que meu pensamento não errado em me preocupar com o design como solução e não com cento na arte apenas. A briga entre o belo e o funcional, não que o funcional tenha de ser feio, mas o belo tem que ser funcional.

  • http://twitter.com/barbaaa Barba

    Excelente post, excelente abordagem! Eu só definiria o "Ilustrador" como um designer gráfico mesmo. Pra mim, um webdesigner ruim é aquele que não pensa na usabilidade e até mesmo em como implementar o seu layout em uma ferramenta CMS, por exemplo (o já citado "o programador que se vire"). Já vi casos assim, aliás, vejo toda semana praticamente.

    Foi uma escolha minha estudar tanto a parte gráfica de um site, como a programação. Isso agiliza o trabalho, deixa o projeto mais fácil de desenvolver e evita as dores de cabeça.

  • Pingback: » Diferença entre “Design Centrado no Usuário” e “Design Centrado no Designer”()

  • http://twitter.com/alineioavasso Aline Ioavasso

    Realmente penso que o design de uma interface deve começar no estudo do usuário da mesma. A preocupação com a experiencia do usuário é algo que cada dia mais as empresas vêem adquirindo.

    Acredito que o design bonito que não mostra resultados será em breve engulido bom um design realmente eficiente. Já vi empresas que pagaram caro por um design legal chegarem na agencia odiando seu site "bonitinho" porque não vende.

    Design centrado no usuário é simplesmente a logica da coisa.

  • Rafael

    Não concordo nem um pouco com a tua afirmação "A criatividade está no completo domínio da tecnologia. Ou você acha que o iPhone foi criado no Photoshop?"

    Antes de mais nada existe uma idéia, criatividade nunca pode ficar relacionada a Tecnologia ou Design senão qual a relevância?

  • Pingback: Começando a desenvolver para a web à partir do usuário e não da máquina ≈ Revolução Etc()

  • http://www.angeosofia.com Anjo

    Design centrado no designer? SDIFUHUAFASFD… po, na minha opinião não importa oq o designer vai achar…o cliente é que manda.

  • Pingback: Tropeçando 24 | Rafael Bernard Araujo()

  • tplayer

    "Vamos estudar galera!"

    Isso resume bem o seu texto.

    No Brasil temos um grave problema com relação ao Design, já que nossas faculdades formam em grande parte apenas designer de "produto". Isso não seria um problema tão grande se pelo menos o ensino tivesse qualidade.

    Ai o que vemos são os "diplomados" indo trabalhar na área de web sem saber qual é a largura máxima que um layout fixo deve ter.

    O pior ainda é que eles não aceitam dicas ou criticas, afinal eles tem um diploma para provar que sabem design.

  • Pingback: Marketing digital sem estratégia/conhecimento? Melhor não fazer | Blog da Webroom()

  • Renato

    é…, realmente, depois que li o comentário do Laivine também removi o fundo pelo firebug(por enquanto, ainda está branco)

    Talvez se ele não fosse "fixed"

  • Pingback: Como eu entrei no mundo do desenvolvimento para web! ≈ Revolução Etc()

  • Pingback: Desenvolvedores são de Marte e profissionais de UX são de Vênus ≈ Revolução Etc()

  • http://marcogomes.com Marco Gomes

    É bom também estar ciente da Farsa da Experiência do Usuário:

    "O meu ponto aqui é que a experiência ou a subjetividade não é o fim do design. A grande razão pela qual a experiência do usuário não é alvo dos negócios é porque não é a experiência que alcança os objetivos do negócio, mas sim o desempenho das pessoas, ou em outras palavras, o comportamento do usuário, seja ele um consumidor ou um funcionário ou um jogador ou interactor."

    http://www.lucianolobato.com.br/?p=656

  • Ricardo Bomfim

    Se alguem ainda acha que não deve conhecer o contexto em que está criando, me vem a mente uma lembrança já de alguns anos, onde ao voltar a minha cidade natal me deparei com amigos indo a uma festa no interior, com carros rebaixados em uma estrada de terra.

    Foi simplesmente comprometedor…

  • Loja Virtual dos Blo

    legal o pots

  • Pingback: Desenvolvedores são de Marte e profissionais de UX são de Vênus « Rosanespe's Blog()

  • http://glauberoliveira.com Glauber Oliveira

    Bom… Isso daria um post, mais vou tentar resumir…
    Antes de mais nada parabéns pela matéria, o processo achei correto, mais gostaria de acrescentar outros fatores importantes…

    Então vamos lá, o conceito "Design" não se discute ou você sabe ou não sabe, ele é objetivo, claro… Acho que a questão aqui não é o design e sim achar um culpado pela falta de "Projeto" é confiar que todas as soluções do mundo estão no design… O Design é a "consequência" de um bom projeto, é o conjunto, se não tem conjunto, não é design, pode ser qualquer coisa menos design…

  • http://glauberoliveira.com Glauber Oliveira

    Em relação ao pobres coitados dos designers só quem está na pele sabe como é desenvolver um projeto sem briefing, perder horas e horas pensando em uma solução para que apenas em 3 segundos surja alguem e diz que não funciona, ouvir críticas (julgamentos) sempre mirins de todos os outros que se acham designers (um ponto aqui… o lance não é dificuldade de aceitar críticas, apesar de sempre existir um que se acha o deus, a questão é sempre ouvir a mesma coisa quase sempre básicas como se você nunca aprendesse ou ouviu falar.) e o pior deles e que contesta tudo aqui, a de não ser feito como a vontade do designer. Criticas são sempre bem vindas e é o que eu sempre falo, usabilidade é obrigação e não objetivo (como dito no início, o conceito "Design" não se discute ou você sabe ou não sabe) o que deve ser discutido, criticado, amado e odiado são as ideias, conceitos, projetos, etc. e não se o botão laranja só será visto verde ou coisa que o valha…

    A maioria das coisas que vemos hoje costumo chamar de "maquiagem" apenas um disfarce para a falta de conteúdo, ou melhor, de "projeto". É… é esse mesmo que todo mundo diz que sabe e critica tanto, estuda tanto, esbraveja tanto e muito "anto" mais na hora do vamos ver acaba jogando pro tal designer resolver, e se não resolve? gera essas famosas discussões onde todo mundo vira designer e só consegue enxergar o excesso de rebuscado ou o menu com pouco contraste, ao invés de analisar se toda a "proposta" (que vai de atendimento a TI) condiz ou está bem amarrada com o "projeto"… portanto afirmo que se um projeto é ruim devemos olhar pro coletivo, e mesmo se o fulano que desenvolveu for um mal profissional também depende do coletivo, porque quem é capaz de criticar é capaz de resolver, criticar não julgar, acho que essa é a questão… julgar é muito fácil e injusto, quero ver dar a solução… Já perceberam que todo mundo tem a solução perfeita do projeto só depois que não da mais pra voltar? Sempre escutamos… ah se o cara tivesse feito isso tinha resolvido, mais agora não da mais, porque não? se você acredita tanto que essa é a solução então vamos lá, coloque a cara pra bater e diz que funciona, tenha peito. Sem falar nos projetos dos outros onde muita gente diz que poderia ser melhor, mais na verdade não questionamos se o processo foi correto ou teve tempo hábil para execução.

    Creio que ao invés de discutir design deveríamos discutir postura, nossos próprios questionamentos, que aliás creio ser o mais importante… O "questionar". Questionar tudo, processo, criação, usabilidade, usuário, ideias, (esse comentário), se o que li na internet é verdade ou não e chegar a uma "conclusão"… Ser você mesmo, ter as suas opiniões, porque uma coisa é fato, não existe certo ou errado nem receita mágica para o sucesso, existe caminhos (mercados) para todos os lados e sempre vai ter um final seja ele bom ou ruim, pois tudo depende de bagagem e confiança no próprio taco e fazer dos erros um aprendizado, aliás é mais um ponto que não acontece, dizem que aprendem mais os velhos problemas como prazo, pesquisa, achismo entre outros permanecem.

    Então é isso, antes de falarmos o que achamos ser certo e errado, vamos dar um tempo para nossos próprios questionamentos para não sermos injustos, nos perguntar se o problema é mesmo só no design? temos um projeto? um briefing? um escopo? como definimos um projeto? está centrado no usuário? como trabalhamos centrado no usuário? Isso vende? não vende? Porque dessa forma que é certo? errado? se for assim não vai dar certo? porque? entre outros milhares de questionamentos que podemos fazer, pesquisar e o mais importante, acreditar… Se somos bons profissionais temos que saber arriscar, não temos como propor novas soluções se ainda achamos que o nosso público é burro… Alinhar pensamentos e saber arriscar faz parte da profissão e do bom profissional, pois se tudo tem um "porque" e todos os envolvidos estão cientes fica mais fácil, digo até que automático o design se torna expressivo, curioso, agradável, faz sentido, complementa, prende o usuário e o principal… Funciona. Quer uma prova? analisa as coisas que você mesmo gosta, como estilo de carro, de roupa, o que você compra e porque comprou, tudo isso tem um sentido pra você, desenha sua personalidade, o que você deseja ser ou apresentar… Tudo isso são as emoções que o design trás, e fica a pergunta, como consigo desenvolver ou despertar essas emoções nos outros (usuários)?
    Creio que é bom aí, bons estudos pessoal.

  • Alysson

    Gosto bastante do seu site.. mas o vermelho dos títulos gera um certo desconforto na leitura! Talvez seja interessante você utilizar um tom neutro, ou talvez mudar para h3 ou h4.

  • Silvio Luis

    Por isso trabalho com como web designer e estudo design digital. Quero juntar o útil com o agradável. Penso que criatividade não simplesmente criar coisa bonitas e sim juntar o que a tecnologia tem a oferecer com idéias criativas que vão dar experiências otimas para o usuário.

    É isso que profissionais da nossa área deveriam seguir!

    Think this!